Panorama de Mercado 15/02/2019

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  ⬇ ➖0,38%  💱 🇪🇺 EURO ⬇  ➖0,47%  🗞.

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em baixa no início dos negócios. E a reforma da previdência finalmente tem data para ser apresentada, e será na próxima quarta-feira, 20 de fevereiro. Ontem após reunião entre as alas econômica e política do governo ficou decidido que a idade mínima para aposentadoria fica em 65 anos para homens e 62 anos para mulheres. Do ponto de vista do mercado financeiro, a proposta tende a agradar, afinal, fica a impressão de que a equipe econômica teve em boa parte seus anseios resguardados, em um cenário que tínhamos uma versão política, mais suave, e outra econômica, mais contundente. Mesmo não chegando à igualdade de 65 anos para ambos, também não foi escolhido o modelo 62 anos para homens e 57 para mulheres, o que traria uma incerteza maior junto ao investidor estrangeiro, em relação a eficácia da proposta. Encontrou-se um equílibrio, em uma versão mais ampla, ante a de Temer, e com transição de 12 anos, prazo considerado mais propício do que os 20 anos que a proposta do antigo governo trazia, com resultados mais rápidos. Paulo Guedes continua afirmando que haverá uma economia por volta de R$ 1 trilhão de reais em 10 anos, número que vai necessitar de maiores detalhes no texto para se prospectar o real efeito fiscal. Todavia, os embates políticos devem acalorar em breve a situação no Congresso Nacional após a apresentação do texto final, e aí é que se definirá o jogo onde o governo terá de mostrar sua capacidade de articulação para não permitir que a proposta seja desidratada durante o período de discussões, ao mesmo tempo em que buscará construir sua base de apoio para conseguir os 308 votos para a aprovação. Rodrigo Maia, presidente da Câmara, entende que é viável a votação do texto na casa até o início de junho, contudo será preciso resolver a crise em torno do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, acusado de distribuição de recursos para candidaturas suspeitas no período em que presidiu o PSL nacional, que pode prejudicar o andamento das negociações em torno da reforma. Bebianno nega e se defende alegando que a responsabilidade de distribuição de recursos é o diretório estadual. O caso está sendo investigado.Os mercados agora esperam pela próxima semana para digerir mais detalhes do texto da previdência e seus impactos. Nesta manhã foi divulgado o indice de atividade econômica do Banco Central, o IBC-Br, espécie de sinalizador do PIB, e teve alta de 1,15% em 2018. Em dezembro, o indice subiu 0,21% ante novembro. No exterior, Donald Trump volta à cena, e vai declarar emergência nacional a fim de financiar o muro na fronteira com o México sem aprovação no Congresso, mesmo concordando em sancionar o projeto de lei de financiamento, que não custeia a obra e que prevê outras formas de segurança na fronteira, no sentido de evitar outra paralisação no governo. Resolve-se um “problema”, que é o cumprimento de sua promessa de campanha, e cria-se outro, que é uma guerra no parlamento, podendo inclusive dividir os republicanos, partido do presidente, que haviam alinhado um acordo com os democratas sobre o tema polêmico. Na China, dados fracos de inflação, aumentam as dúvidas sobre pressões deflacionárias. Enquanto a inflação fraca dá às autoridades a flexibilidade de afrouxar a política monetária para sustentar o crescimento econômico, os riscos deflacionários podem afetar ainda mais a rentabilidade corporativa. Na agenda americana, atenção para a os dados dos preços de importados às 11h30, produção industrial, 12h15 e a confiança do consumidor às 13h. Sobre a negociação comercial entre chineses e americanos, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin disse os encontros estão sendo produtivos. O Banco Central Brasileiro realiza leilão de swaps, para fins de rolagens, entre 11h30 e 11h40.

 

 

Na agenda interna, A reforma da Previdência do presidente Jair Bolsonaro prevê idade mínima para aposentadoria de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, patamares que serão atingidos após um período de transição de 12 anos, em um modelo mais duro do que proposto pelo ex-presidente Michel Temer. “O presidente bateu o martelo e pediu para que nós divulgássemos apenas algumas informações, mas o conteúdo do texto vai ficar para o dia 20 (de fevereiro)”, disse Rogério Marinho, secretário especial da Previdência e Trabalho, ao sair de reunião com o presidente e os ministros Paulo Guedes (Economia), Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo). Marinho afirmou que o texto da proposta será assinado por Bolsonaro na próxima quarta-feira, 20 de fevereiro, data em que a reforma será também apresentada ao Congresso. Segundo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), é viável que o texto seja votado pelos deputados no início de junho, para depois ir para o Senado. Do ponto de vista do mercado financeiro, a proposta tende a agradar, afinal, fica a impressão de que a equipe econômica teve em boa parte seus anseios resguardados, em um cenário que tínhamos uma versão política, mais suave, e outra econômica, mais contundente. Mesmo não chegando à igualdade de 65 anos para ambos, também não foi escolhido o modelo 62 anos para homens e 57 para mulheres, o que traria uma incerteza maior junto ao investidor estrangeiro, em relação a eficácia da proposta. Encontrou-se um equílibrio, em uma versão mais ampla, ante a de Temer, e com transição de 12 anos, prazo considerado mais propício do que os 20 anos que a proposta do antigo governo trazia, com resultados mais rápidos. Paulo Guedes continua afirmando que haverá uma economia por volta de R$ 1 trilhão de reais em 10 anos, número que vai necessitar de maiores detalhes no texto para se prospectar o real efeito fiscal. Todavia, os embates políticos devem acalorar em breve a situação no Congresso Nacional após a apresentação do texto final, e aí é que se definirá o jogo onde o governo terá de mostrar sua capacidade de articulação para não permitir que a proposta seja desidratada durante o período de discussões, ao mesmo tempo em que buscará construir sua base de apoio para conseguir os 308 votos para a aprovação.

 

 

Na agenda externa, O presidente da China, Xi Jinping, reuniu-se com o representante de Comércio dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, e com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, hoje. Segundo Mnuchin, os encontros estão sendo produtivos.

A inflação no portão das fábricas da China desacelerou pelo sétimo mês seguido em janeiro, para o nível mais fraco desde setembro de 2016, levantando preocupações de que a segunda maior economia do mundo possa ver o retorno da deflação conforme a demanda doméstica esfria. A inflação ao consumidor, por sua vez, desacelerou em janeiro na comparação com dezembro para a mínima de 12 anos devido a aumentos mais fracos nos preços de alimentos, apesar do feriado do Ano Novo Lunar, que tipicamente aumenta a demanda por alimentos. O índice de preços ao produtor subiu em janeiro apenas 0,1 por cento sobre o ano anterior, de acordo com dados da Agência Nacional de Estatísticas, forte desacelaração sobre a taxa de 0,9 por cento do mês passado. Enquanto a inflação fraca dá às autoridades a flexibilidade de afrouxar a política monetária para sustentar o crescimento econômico, os riscos deflacionários podem afetar ainda mais a rentabilidade corporativa. Já o índice de preços ao consumidor avançou 1,7 por cento em janeiro sobre o ano anterior, contra alta de 1,9 por cento e expectativa de aumento de 1,9 por cento.

 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses recuaram nesta sexta-feira, após os últimos dados oficiais levantarem temores sobre uma deflação, enquanto os investidores se mantinham preocupados com as incertezas sobre as negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China. Bolsas Europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, atenção para a os dados dos preços de importados às 11h30, produção industrial, 12h15 e a confiança do consumidor às 13h.

 

Fonte: Reuters.

 

Panorama de Mercado 14/02/2019

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸  DÓLAR    ⬆  ➕0,17%  💱 🇪🇺 EURO  ⬆  ➕0,25%  🗞.

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em leve alta no início dos negócios. Reunião marcada para esta tarde entre o presidente Jair Bolsonaro com os ministros Paulo Guedes, da economia, e Onyx Lorenzoni, da casa civil, deve selar o texto final a ser apresentado ao Congresso, da reforma da previdência. Na visão da equipe econômica a proposta deve ser mais consistente,  já na outra ponta, a política, a opção mais provável é a escolha por uma reforma mais suave. Os mercados devem ficar mais confortáveis caso a equipe econômica seja a vencedora nesse cabo de guerra, ou que um plano viável seja apresentado. Fato é que Bolsonaro disse que a dúvida maior gira em torno da idade mínima, e por consequência o período de transição. No exterior, a China passou uma leitura nebulosa, porém positiva, demonstrando que as exportações do país cresceram inesperadamente em janeiro, ante ao recuo no mês anterior, e as importações caíram menos que o esperado. Mas isso pode ser resultado de distorções provocadas pelo feriado do ano novo lunar, quando as empresas aceleram carregamentos ou reabastecem estoques antes do feriado. Nesta noite os chineses divulgam dados importantes sobre a inflação ao consumidor (CPI) e ao produtor (PPI). Na zona do euro, a economia desacelerou no quarto trimestre de 2018, com a Alemanha estagnada e a Itália em recessão. A Eurostat informou que o PIB nos 19 países que usam o euro avançou 0,2% no quarto trimestre, desaceleração em relação ao mesmo período no ano anterior. Nos Estados Unidos, importantes indicadores são previstos para hoje. Destaque para o indice de preços ao produtor e vendas no varejo às 11h30. No mesmo horário saem os novos pedidos de auxílio desemprego. A tarde membro do Fomc deve discursar. Sobre as negociações comerciais com a China, o nível sobe,  e o secretário de tesouro americano, Steven Mnuchin, se junta ao representante de comércio do país, Robert Lighthizer, liderando as tratativas hoje e amanhã com os chineses. Com os conselheiros de Donald Trump alegando que 1º de março se tornou um “prazo rígido”, a Bloomberg informou que o presidente já considera prorrogar o prazo em mais 60 dias, mesmo a contragosto. Vamos aguardar. Quanto ao Brexit, Theresa May, primeira-ministra britânica continua tendo problemas junto ao parlamento, para aprovação do seu plano de saida da União Europeia. O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse que o bloco está esperando Londres apresentar propostas sólidas para romper o impasse depois de reuniões em Bruxelas, e o relógio está correndo. Por aqui, o Banco Central segue rolando vencimentos de swaps, ofertando mais 10.330 contratos  entre 11h30 e 11h40.

 

 

Na agenda interna, O presidente Jair Bolsonaro afirmou em entrevista à TV Record na noite de ontem que decidirá nesta quinta-feira qual será a proposta de reforma da Previdência que seu governo enviará ao Congresso Nacional. O presidente disse ainda que a grande dúvida em torno da proposta é sobre a idade mínima, e não quis adiantar o que decidirá sobre este tema antes de conversar com a equipe econômica liderada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Bolsonaro também disse que determinou que a Polícia Federal investigue denúncias de que seu partido, o PSL, repassou dinheiro público para candidatos de fachada na eleição do ano passado e garantiu que o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que presidiu o partido durante o processo eleitoral, deixará o cargo se estiver envolvido.

 

 

Na agenda externa, As exportações da China voltaram a crescer inesperadamente em janeiro após recuo no mês anterior enquanto as importações caíram muito menos do que o esperado, mas analistas disseram que a força deve-se provavelmente a fatores sazonais e preveem nova fraqueza à frente. As exportações em janeiro avançaram 9,1 por cento em relação ao ano anterior, mostraram dados da alfândega. As importações caíram 1,5 por cento, em um resultado melhor do que as estimativas de recuo de 10 por cento e ante perda de 7,6 por cento em dezembro. Embora as leituras pareçam positivas à primeira vista, analistas alertaram que dados da China no começo do ano têm que ser tratados com cautela devido a distorções provocadas pelo feriado do Ano Novo Lunar, que começou em 4 de fevereiro deste ano. Muitas empresas apressam carregamentos ou reabastecem seus estoques de matérias-primas antes do feriado.

A economia da zona do euro desacelerou como esperado no quarto trimestre de 2018 sobre o ano anterior, uma vez que o crescimento na Alemanha ficou estagnado e a Itália entrou em recessão. A agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat, informou que o Produto Interno Bruto (PIB) nos 19 países que usam o euro avançou 0,2 por cento sobre o terceiro trimestre, com um crescimento de 1,2 por cento entre outubro e dezembro sobre o ano anterior. No terceiro trimestre, o crescimento anual foi de 1,6 por cento.

A economia do Japão se recuperou no quarto trimestre uma vez que os gastos de empresas e consumidores mostraram melhora após o impacto de desastres naturais, mas os atritos comerciais e um aumento proposto de imposto sobre vendas devem afetar o crescimento em 2019.

 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses encerraram o pregão com pouca alteração nesta quinta-feira, embora as grandes empresas tenham registrado ganhos, já que as dúvidas sobre a sustentabilidade dos fortes dados de exportação seguraram o otimismo em torno das negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China. Bolsas europeias em alta.

 

 

Nos Estados Unidos, O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse esperar ansiosamente pelas negociações comerciais com a China nesta quinta-feira, quando as discussões em Pequim avançam para um nível mais alto em uma tentativa de encerrar a guerra tarifária antes do prazo de 1º de março para um acordo. O presidente dos EUA, Donald Trump, disse a repórteres na quarta-feira que as negociações estão progredindo “muito bem”. Os conselheiros de Trump descreveram a data de 1º de março como um “prazo rígido”, e o presidente disse que um adiamento é possível, embora ele prefira não colocá-lo em prática. A Bloomberg informou hoje que Trump estaria considerando prorrogar o prazo de primeiro de março em mais 60 dias. Na agenda, importantes indicadores são previstos para hoje. Destaque para o indice de preços ao produtor e vendas no varejo às 11h30. No mesmo horário saem os novos pedidos de auxílio desemprego. A tarde membro do Fomc deve discursar.

 

Fonte: Reuters.

Panorama de Mercado 13/02/2019

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸  DÓLAR    ⬆  ➕0,30%  💱 🇪🇺 EURO  ⬆  ➕0,25%  🗞.

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. Expectativa pela alta do presidente Jair Bolsonaro, ainda nesta quarta-feira, que pode começar a impulsionar a organização da base de apoio junto ao Congresso, na construção do número necessário para a aprovação da previdência. O texto final será apresentado na próxima semana na casa, e o que se comenta, é que um dos pontos que já foi decidido, é sobre a idade entre homens e mulheres para se aposentar, não serem iguais, como de início a equipe econômica previa, 65 anos para ambos. Bolsonaro pretende dar o seu aval para 62 anos para homens e 57 para mulheres. Outro cenário seria o de 65 anos para homens e 62 para mulheres. De qualquer forma o mercado busca detalhes em relação à economia em torno de 1 trilhão de reais em 10 anos como mencionado pelo Ministro da Economia Paulo Guedes, que podem dar um novo ânimo na expectativa fiscal do país, elevando a nota do grau de investimento através das agências de classificação de risco em um futuro não tão distante. Entretanto, se a reforma for suave em pontos estratégicos, ou muito diluída pelo Congresso, a desconfiança de que ela não terá a eficácia necessária pode aumentar. Na agenda doméstica, saem os dados sobre o fluxo cambial, às 12h30, dando a dimensão do apetite por risco que o investidor estrangeiro vem tendo pelos ativos brasileiros. Também é prevista uma entrevista do ainda presidente do BC, Ilan Godfjan às 10h. Nesta manhã foi divulgado que as vendas no varejo registraram alta de 2,3% no ano passado, segundo o IBGE. Em dezembro de 2018, o comércio varejista nacional caiu 2,2% frente a novembro, na série com ajuste sazonal, descontando grande parte do avanço de 3,1% registrado no mês anterior, que teve o gatilho da Black Fridays, que animou os brasileiros a comprarem mais durante novembro. No exterior, Donald Trump, afirmou ontem que pode deixar o prazo de 1 de março para um acordo comercial com a China “passar um pouco”, indicando possível adiamento pela primeira vez. Sobre a questão que envolve a construção de um muro na fronteira com México, que vem causando preocupação de nova paralisação na administração pública a partir do próximo sábado, Trump mostrou insatisfação e ainda não decidiu se irá apoiar o acordo preliminar entre democratas e republicanos, dizendo que irá estudá-lo. De fato o presidente parece indeciso: “Não acho que vocês verão uma paralisação”, disse Trump, acrescentando: “Se houvesse, seria culpa dos democratas”. Ainda assim, o fato de não rejeitar de imediato as tratativas, indica que provavelmente não haverá nova paralisação, e o acordo será aceito. Vamos aguardar. Na agenda americana, importante indicador sai às 11h30, trata-se da inflação ao consumidor, o CPI, enquanto alguns membros do Federal Reserve discursam a partir desta manhã e durante o dia. Na zona do euro, o comportamento da produção industrial durante o mês de dezembro, decepcionou, recuando 0,9% ante o mês anterior, confirmando a desacelaração do crescimento do bloco. Dados sobre o desempenho dos preços e setor imobiliário no Reino Unido, também serão divulgados. O Banco Central Brasileiro continua com seu programa de rolagem de vencimentos de swaps, ofertando 10.330 contratos, entre 11h30 e 11h40.

 

Na agenda interna, Expectativa pela alta do presidente Jair Bolsonaro, ainda nesta quarta-feira, que pode começar a impulsionar a organização da base de apoio junto ao Congresso, na construção do número necessário para a aprovação da previdência. O texto final será apresentado na próxima semana na casa, e o que se comenta, é que um dos pontos que já foi decidido, é sobre a idade entre homens a mulheres para se aposentar, não serem iguais, como de início a equipe econômica previa, 65 anos para ambos. Bolsonaro pretende dar o seu aval para 62 anos para homens e 57 para mulheres. Outro cenário seria o de 65 anos para homens e 62 para mulheres. De qualquer forma o mercado busca detalhes em relação à economia em torno de 1 trilhão de reais em 10 anos como mencionado pelo Ministro da Economia Paulo Guedes, que podem dar um novo ânimo na expectativa fiscal do país, elevando a nota do grau de investimento através das agências de classificação de risco em um futuro não tão distante. Entretanto, se a reforma for suave em pontos estratégicos, ou muito diluída pelo Congresso, a desconfiança de que ela não terá a eficácia necessária pode aumentar. Na agenda doméstica, saem os dados sobre o fluxo cambial, às 12h30, que podem dar a dimensão do apetite por risco que o investidor estrangeiro vem tendo pelos ativos brasileiros. Também é prevista uma entrevista do ainda presidente do BC, Ilan Godfjan às 10h. Nesta manhã foi divulgado que as vendas no varejo registraram alta de 2,3% no ano passado, segundo o IBGE. Em dezembro de 2018, o comércio varejista nacional caiu 2,2% frente a novembro, na série com ajuste sazonal, descontando grande parte do avanço de 3,1% registrado no mês anterior, motivado pela Black Fridays.

 

Na agenda externa, A produção industrial na zona do euro, caiu 0,9% em dezembro, mais do que o esperado, principalmente devido a um declínio em bens de investimento, confirmando a desaceleração do crescimento do bloco.

                              

Nas Bolsas, As ações chinesas subiram com força nesta quarta-feira, avançando pela quarta sessão seguida, depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sugeriu que o prazo para Pequim e Washington alcançarem um acordo comercial pode ser prorrogado. Bolsas europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, afirmou esperar reuniões comerciais “produtivas” na China esta semana, quando os dois países buscam fechar um acordo em meio à disputa que levou ambos a aplicar tarifas um sobre o outro. O presidente, Donald Trump, afirmou ontem que pode deixar o prazo de 1 de março para um acordo comercial com a China “passar um pouco”, indicando possível adiamento pela primeira vez. Sobre a questão que envolve a construção de um muro na fronteira com México, que vem causando preocupação de nova paralisação na administração pública a partir do próximo sábado, Trump mostrou insatisfação e ainda não decidiu se irá apoiar o acordo preliminar entre democratas e republicanos, dizendo que irá estudá-lo. De fato o presidente parece indeciso: “Não acho que vocês verão uma paralisação”, disse Trump, acrescentando: “Se houvesse, seria culpa dos democratas”. Ainda assim, o fato de não rejeitar de imediato as tratativas, indica que provavelmente não haverá nova paralisação, e o acordo será aceito. Vamos aguardar.

 

Fonte: Reuters.

Como enviar dinheiro para o exterior legalmente?

0

236598

 

É comum ter algumas dúvidas, quando estamos diante da necessidade de se enviar dinheiro para fora do país.

Afinal, com tantos casos noticiados quase que diariamente, sobre o envio de remessas ilegais, muitas vezes oriundas de lavagem de dinheiro, é normal uma certa apreensão e questionamentos, não é mesmo?

Antes de tudo, é importante deixar claro que o ato de enviar dinheiro para o exterior é uma ação legal, desde que você siga os trâmites necessários.

Quer saber como enviar dinheiro para o exterior legalmente? Então continue conosco e descubra tudo o que você precisa saber sobre o tema, a seguir.

 

Enviar dinheiro para o exterior como pessoa física ou jurídica

Uma das maneiras de enviar dinheiro para fora, é por meio de uma conta bancária. Você pode, por exemplo, ter uma nos EUA.

Apesar de muitas pessoas, via de regra, não terem convicção sobre essa possibilidade, a análise cambial  dá permissão para que uma pessoa que resida no Brasil, tenha acesso ao sistema financeiro americano.

Há vantagens em abrir uma conta para enviar dinheiro para fora, como por exemplo, ter um cartão de débito para suprir gastos no exterior. Isso possibilita IOF reduzido, em relação ao que é cobrado de um cartão de crédito internacional.

Com a conta, também é possível efetuar reservas em dólar e até mesmo efetuar investimentos internacionais.

 

Alguns métodos

Conforme bem relatou uma matéria feita pela Revista Época:

Antes de tudo, é preciso entender que a remessa de dinheiro do Brasil para o exterior pode ser feita por intermédio de instituição autorizada pelo Banco Central (BC), por ordem de pagamento e pelos Correios.

 

Fonte: https://epocanegocios.globo.com/colunas/Financas-de-Bolso/noticia/2017/04/como-enviar-dinheiro-para-o-exterior.html

 

Uma corretora, por exemplo, cadastrada no BC (Banco Central), como a Advanced Corretora, poderá te ajudar a enviar determinada remessa de dinheiro para o exterior legalmente.

Quer saber mais? Então entre em contato e consulte a mesa de câmbio da Advanced para o fechamento da sua operação e registro no BACEN.

Panorama de Mercado 12/02/2019

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  0,40%  💱 🇪🇺 EURO   0,35%  🗞 .

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em baixa no início dos negócios. Reforma da previdência: Com a melhora no estado de saúde do presidente Jair Bolsonaro, aumenta a expectativa de que o texto final seja enviado ao Congresso na próxima semana. Paralelamente os agentes seguem atentos na articulação governamental para obter os 308 votos necessários para a implementação das novas regras de aposentadoria. Rodrigo Maia, tem sido um importante interlocutor e acredita que o tema possa ser votado até o final de maio no Congresso, sendo encaminhado ao Senado posteriormente. E o Banco Central Brasileiro, segue fechando a porta para a redução da Selic, enquanto não tem um quadro mais claro sobre as reformas no país e observa os dados vindos do exterior, agindo assim de forma cautelosa e serena na política monetária, foi isso que em resumo esclareceu a ata da última reunião do Copom que manteve a Selic em 6,50%. A instituição reiterou que a assimetria em seu balanço de riscos para a inflação persiste, apesar de menos intensa, o que contribuiu para a sua decisão. Continua hoje, entre 11h30 e 11h40, a rolagem de vencimentos de swaps. No exterior, acordo preliminar entre democratas e republicanos nos Estados Unidos, prevê 1,37 bilhão de dólares para erguer uma nova cerca ao longo da fronteira sul. É o mesmo montante que o Congresso alocou no ano passado e bem abaixo do pedido pelo presidente. Resta saber se Trump abraçará a ideia, de qualquer forma, pode evitar outra paralisação parcial do governo no sábado, o que é importante. “Chegamos a um acordo em princípio” sobre o financiamento de programas de segurança da fronteira até 30 de setembro, disse o senador republicano Richard Shelby a jornalistas. Sobre a negociação comercial com a China, chegou hoje à Pequim, Robert Lighthizer, representante do comércio americano. Ele e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, terão discussões na quinta e sexta-feiras com o vice-premiê chinês, Liu He, principal assessor econômico do presidente Xi Jinping. Em relação ao esperado encontro entre Trump e Xi, a assessora da Casa Branca Kellyanne Conway, além de informar ser possível, reiterou que os países podem estar se aproximando de um acordo comercial. "Parece que sim, absolutamente". Os mercados esperam pela evolução das tratativas, dissipando as incertezas em torno do tema, afinal, se não houverem avanços até o final desse mês, os americanos prometem elevar a tarifa sobre USD 200 bilhões em produtos chineses de 10% para 25%, o que certamente aumentará as preocupações em relação ao crescimento global, já combalido. Na agenda americana, relatório Jolts sobre oferta de emprego às 13h, mas sobretudo, o discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, às 15h45 são os destaques.

 

 

Na agenda interna, O Banco Central reiterou que a assimetria em seu balanço de riscos para a inflação persiste, apesar de menos intensa, razão pela qual segue firme em sua postura cautelosa quanto à condução da política monetária de acordo com a ata da última reunião do Copom que manteve a Selic em 6,50%. “Os membros do Comitê debateram a melhor forma de atuação da política monetária diante de incertezas quanto aos cenários econômicos. Concluíram que a melhor forma de manter a trajetória da inflação em direção às metas é atuar com cautela, serenidade e perseverança nas decisões de política monetária, inclusive diante de cenários voláteis”, disse o BC. Com isso, é mantida a porta fechada para eventual diminuição da Selic, a despeito do ambiente de inflação comportada e atividade econômica sem grande vigor.

Reforma da previdência: Com a melhora no estado de saúde do presidente Jair Bolsonaro, aumenta a expectativa de que o texto final seja enviado ao Congresso na próxima semana, inclusive ele já escolheu qual das propostas será apresentada. Paralelamente os agentes seguem atentos na articulação governamental para obter os 308 votos necessários para a implementação das novas regras de aposentadoria. Rodrigo Maia, tem sido um importante interlocutor e acredita que o tema possa ser votado até o final de maio no Congresso, sendo encaminhado ao Senado posteriormente.

 

 

Na agenda externa, O negociador da União Européia para o Brexit, Michel Barnier, alertou o Reino Unido ontem que o prazo para fechar um acordo de divórcio antes de o Reino Unido deixar o bloco em 29 de março é “extremamente curto”.

 

                              

Nas Bolsas, Os principais índices acionários da China fecharam em alta pela quarta sessão seguida nesta terça-feira, liderados pelas ações de saúde depois de Pequim prometer suporte para o setor. Bolsas europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, Negociadores parlamentares chegaram ontem a um acordo preliminar para buscar evitar outra paralisação parcial do governo no sábado, mas assessores afirmam que ele não inclui uma verba de 5,7 bilhões de dólares que o presidente Donald Trump quer para um muro na fronteira com o México. “Chegamos a um acordo em princípio” sobre o financiamento de programas de segurança da fronteira até 30 de setembro, disse o senador republicano Richard Shelby a jornalistas. Resta saber se Trump abraçará a ideia, visto que o montante do acordo inclui 1,37 bilhão de dólares para erguer uma nova cerca ao longo da fronteira sul. É o mesmo montante que o Congresso alocou no ano passado e bem abaixo do pedido pelo presidente. Sobre a negociação comercial com a China, chegou hoje à Pequim, Robert Lighthizer, representante do comércio americano. Ele e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, terão discussões na quinta e sexta-feiras com o vice-premiê chinês, Liu He, principal assessor econômico do presidente Xi Jinping. Em relação ao esperado encontro entre Trump e Xi, a assessora da Casa Branca Kellyanne Conway, além de informar ser possível, reiterou que os países podem estar se aproximando de um acordo comercial. "Parece que sim, absolutamente". Os mercados esperam pela evolução das tratativas, afinal, se não houverem avanços até o final desse mês, os americanos prometem elevar a tarifa sobre USD 200 bilhões em produtos chineses de 10% para 25%, o que certamente aumentará as preocupações em relação ao crescimento global, já combalido.

 

Fonte: Reuters.

Panorama de Mercado 11/02/2019

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸  DÓLAR      0,18%  💱 🇪🇺 EURO    0,14%  🗞.

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. Com a volta da China aos negócios, após as comemorações do ano novo Lunar, e nova rodada de negociações se iniciando entre o país e os Estados Unidos, que aliás tem até a próxima sexta-feira, 15 de fevereiro para resolver internamente, questão ligada ao financiamento de USD 5 bilhões para a construção de um muro na fronteira com o México, os mercados retornam em uma semana que reserva diversos indicadores e também monitorando é claro, o avanço em torno da reforma da previdência e a capacidade de articulação do governo em obter o apoio necessário para que a medida possa prosseguir. Mas isso ainda depende da alta de Jair Bolsonaro, que dará a liberação sobre qual proposta será apresentada ao Congresso Nacional, o que retarda as tratativas, mantendo os mercados sensíveis ao tema, enquanto não se conhece o texto final. Nesta manhã foi divulgado o boletim Focus do Banco Central Brasileiro com as estimativas para o final de 2019. São elas: IPCA: 3,87%, PIB: 2,50%, USD: 3,70, Produção Industrial: 3,04%, Superávit da balança comercial: USD 51 bilhões e Investimentos externos no país: USD 80 bilhões. No calendário doméstico, amanhã teremos a ata de reunião do Copom, e a partir de quarta-feira, dados sobre as vendas no varejo, serviços e o IBC-Br na sexta. No Exterior, atenção para discursos de vários membros do Federal Reserve, o Banco Central Americano, durante a semana. O país também trará, o relatório Jolts de emprego previsto para amanhã às 13h, dia em que Jerome Powell  falará às 15h45. Já na quarta-feira, temos como destaque o índice de preços ao consumidor, que deve ser divulgado às 11h30, em meio a dados do setor imobiliário. Na quinta-feira, PPI, índice de preços ao produtor, às 11h30 é o foco juntamente às vendas no varejo. E para encerrar a semana americana, a produção industrial na sexta-feira, dia em que encerra o prazo para que democratas e republicanos cheguem a um acordo em relação aos recursos para a construção do muro na fronteira com o México, que se não acontecer, pode paralisar a administração pública do país, isso se Donald Trump não declarar “emergência nacional” que o liberaria para realocar recursos destinados à outras áreas, driblando o congresso, o que é previsto na lei do país. Já o Reino Unido desacelerou como esperado nos últimos três meses do ano passado, levando o crescimento em 2018 ao nível mais fraco em seis anos conforme as preocupações com o Brexit afetam os investimentos. O crescimento do Produto Interno Bruto no quarto trimestre de 2018 caiu para a taxa trimestral de 0,2 por cento, de 0,6 por cento no trimestre anterior. O Reino Unido vive sua mais grave crise política desde a Segunda Guerra Mundial, enquanto a primeira-ministra, Theresa May, busca chegar a um acordo de última hora para deixar a União Europeia a semanas da data em que deve encerrar quatro décadas de integração política e econômica com a Europa. O Banco Central Brasileiro continua com seu programa de rolagem de vencimentos de swaps, ofertando 10.330 contratos, entre 11h30 e 11h40 de hoje para essa finalidade.

 

 

Na agenda interna, O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) avançou 0,20 por cento na primeira prévia de fevereiro, ante variação positiva de 0,03 por cento no mesmo período do mês anterior. O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.

O cenário para a dinâmica da dívida brasileira melhorou nos últimos meses, com o quadro político doméstico mais favorável a uma agenda liberal e o menor temor de uma guerra comercial sino-americana e de alta do juro nos Estados Unidos, mas uma elevação da nota de crédito do país só virá após a aprovação da reforma da Previdência, disse o diretor-geral da agência Fitch no Brasil, Rafael Guedes.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) homologou o nome do juiz federal Luiz Bonat como titular da 13ª Vara Federal de Curitiba, que cuida dos julgamentos da operação Lava Jato. Bonat, de 64 anos, assumirá a Vara no lugar do atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, que deixou o cargo em dezembro respondendo ao convite do presidente Jair Bolsonaro para fazer parte do governo. Juiz há 25 anos, o novo juiz da Lava Jato é especialista em direito público e já tem experiência na área criminal.

 

 

Na agenda externa, A economia britânica desacelerou como esperado nos últimos três meses do ano passado, levando o crescimento em 2018 ao nível mais fraco em seis anos conforme as preocupações com o Brexit afetam os investimentos. O crescimento do Produto Interno Bruto no quarto trimestre de 2018 caiu para a taxa trimestral de 0,2 por cento, de 0,6 por cento no trimestre anterior. O Reino Unido vive sua mais grave crise política desde a Segunda Guerra Mundial, enquanto a primeira-ministra, Theresa May, busca chegar a um acordo de última hora para deixar a União Europeia a semanas da data em que deve encerrar quatro décadas de integração política e econômica com a Europa.

 

                              

Nas Bolsas, Os principais índices acionários chineses avançaram com força nesta segunda-feira, quando a China e os Estados Unidos avançaram com as negociações comerciais e após varejistas divulgarem números fortes de vendas no feriado. Investidores permaneceram otimistas antes da próxima rodada de negociações que começaram nesta segunda-feira em Pequim, que vai se focar em questões como direitos de propriedade intelectual. O ministro das Relações Exteriores da China disse que o país espera ver bons resultados das negociações comerciais com os EUA. Bolsas europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, discurso de membro do FED às 14h15 inicia a semana.

 

Fonte: Reuters.

Panorama de Mercado 08/02/2019

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸  DÓLAR    ⬆  ➕0,23%  💱 🇪🇺 EURO  ⬆  ➕0,20%  🗞.

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. O Banco Central realiza nesta sexta-feira leilão de até 10,33 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de março, no total de 9,811 bilhões de dólares. Declarações otimistas do novo presidente do BCB, Roberto Campos Neto, de que um desfecho positivo sobre a cessão onerosa, podem sair até o final desse mês podem amenizar o mal humor. Além de permitir uma prevista renegociação de contrato entre Petrobras e União, o projeto de lei prevê autorizar a estatal a vender até 70 por cento dos direitos de exploração da empresa na área da cessão onerosa, o que tende a melhorar a projeção fiscal do país. Nesta manhã saiu o IPCA, Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, que subiu 0,32 por cento em janeiro, após alta de 0,15 por cento no mês anterior. No acumulado de 12 meses até janeiro, o IPCA teve alta de 3,78 por cento, contra alta 3,75 por cento do mês anterior. Em relação a previdência, o quadro de pneumonia de Jair Bolsonaro, detectado pelo hospital Albert Einstein, pode adiar sua alta hospitalar, e por consequência sua decisão sobre qual proposta será enviada ao congresso. Sem previsão de alta, a versão final fica na espera. Mas no exterior, a tensão continua, declarações de Donald Trump, de que não pretende se reunir com o presidente chinês Xi Jinping, antes do prazo de 1 de março determinado pelos dois países para alcançarem um acordo comercial, indicam que os lados podem estar longe de um acordo. O Banco Central Inglês, revisou suas estimativas de expansão do PIB esse ano de 1,7% para 1,2% sem contar o impacto do Brexit, em meio às negociações entre a União Europeia e Theresa May, primeira ministra britânica. Ontem, ficou definido, entre Jean-Claude Juncker, presidente da comissão europeia e May, “se um caminho pode ser encontrado” para evitar os transtornos de uma desfiliação britânica do bloco sem acordo depois que a premiê exigiu mudanças no pacto para conseguir sua aprovação no Parlamento, em outras palavras, a tensão está no ar. A Alemanha, diminuiu ligeiramente seu superávit comercial em 2018, adiando em partes o sentimento de desaceleração da maior economia da Europa. Mesmo assim, o temor sobre o crescimento global continua. Voltando ao Brasil, moradores de Barão de Cocais (MG), foram retirados de suas residências devido a um alerta de desnível na barragem Sul Superior da mina Gongo Soco, da Vale, informaram a mineradora e a prefeitura do município. Como medida de segurança, a Vale está intensificando as inspeções da barragem Sul Superior. Também será implantado equipamento com capacidade de detectar movimentações milimétricas na estrutura. A Vale está trazendo consultores internacionais para fazer nova avaliação da situação no próximo domingo. Já a prefeitura está abrigando temporariamente os moradores da cidade no ginásio poliesportivo. Outra cidade que está adotando medida preventiva é Itatiaiuçu (MG), onde os moradores receberam ordens de evacuação por risco em uma barragem da produtora de aço Arcelor Mittal.

 

 

Na agenda interna, Moradores de Barão de Cocais, em Minas Gerais, foram retirados de suas residências devido a um alerta de desnível na barragem Sul Superior da mina Gongo Soco, da Vale, informaram a mineradora e a prefeitura do município. Como medida de segurança, a Vale está intensificando as inspeções da barragem Sul Superior. Também será implantado equipamento com capacidade de detectar movimentações milimétricas na estrutura. A Vale está trazendo consultores internacionais para fazer nova avaliação da situação no próximo domingo. Já a prefeitura está abrigando temporariamente os moradores da cidade no ginásio poliesportivo. Outra cidade que está adotando medida preventiva é Itatiaiuçu (MG), onde os moradores receberam ordens de evacuação por risco em uma barragem da produtora de aço Arcelor Mittal.

O presidente Jair Bolsonaro teve detectada uma pneumonia que está sendo tratada por antibióticos. Ele permanece internado na unidade Semi-Intensiva do hospital israelita Albert Einstein. O porta-voz da presidência, Otávio Rêgo Barros, disse não sentir por parte dos médicos um aumento da preocupação com o estado de saúde do presidente. No dia 28 de janeiro, Bolsonaro se submeteu a uma cirurgia para retirada de uma bolsa de colostomia e para reconstrução de seu trânsito intestinal. Foi a terceira cirurgia a que ele se submeteu depois de sofrer uma facada em setembro do ano passado durante evento de campanha.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,32 por cento em janeiro, após alta de 0,15 por cento no mês anterior. No acumulado de 12 meses até janeiro, o IPCA teve alta de 3,78 por cento, contra alta 3,75 por cento do mês anterior.

O Banco Central realiza nesta sexta-feira leilão de até 10,33 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de março, no total de 9,811 bilhões de dólares. Declarações otimistas do novo presidente do BCB, Roberto Campos Neto, de que um desfecho positivo sobre a cessão onerosa, podem sair até o final desse mês podem animar, afinal melhorariam a projeção fiscal do país. Além de permitir uma prevista renegociação de contrato entre Petrobras e União, o projeto de lei prevê autorizar a estatal a vender até 70 por cento dos direitos de exploração da empresa na área da cessão onerosa.

 

 

Na agenda externa, A União Europeia prometeu trabalhar com a primeira-ministra britânica, Theresa May, para verificar “se um caminho pode ser encontrado” para evitar os transtornos de uma desfiliação britânica do bloco sem acordo depois que a premiê exigiu mudanças no pacto para conseguir sua aprovação no Parlamento. Um aperto de mãos frio com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, foi pouco para esconder a tensão 50 dias antes de Londres possivelmente sair do bloco sem medidas em vigor para manter o fluxo comercial.

O Banco Central Inglês, revisou suas estimativas de expansão do PIB esse ano de 1,7% para 1,2% sem contar o impacto do Brexit.

O volume do comércio exterior da Alemanha bateu um recorde em 2018, disse o Escritório Federal de Estatísticas, destacando como a maior economia da Europa está exposta a um sistema comercial global que está sob ameaça do protecionismo e de uma guerra comercial. Os números anuais – mostrando que a Alemanha tinha exportado 1,3 trilhão de euros em mercadorias e importado 1,1 trilhão de euros – superaram o recorde anterior estabelecido em 2017. O superávit comercial do ano diminuiu ligeiramente, adiando em partes o sentimento de desaceleração da maior economia da Europa.

 

                              

Nas Bolsas, O índice acionário japonês Nikkei encerrou o pregão desta sexta-feira na mínima de um mês, com novas preocupações sobre a disputa comercial entre os Estados Unidos e a China, além dos resultados fracos de empresas japonesas que prejudicaram o apetite por ativos de risco. Bolsas europeias operando majoritariamente em baixa.

 

Nos Estados Unidos, O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump afirmou que não planeja se reunir com o presidente chinês, Xi Jinping, antes do prazo de 1 de março determinado pelos dois países para alcançarem um acordo comercial, indicando que os países podem estar longe de um acordo.

Panorama de Mercado 07/02/2019

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸  DÓLAR    ⬆  ➕0,60%  💱 🇪🇺 EURO  ⬆  ➕0,30%  🗞

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. Diante do arrefecimento dos riscos inflacionários, o Copom decidiu manter a taxa de juro nos atuais 6,50%, sem no entanto vislumbrar uma eventual diminuição da Selic à frente enquanto o cenário de reformas não ficar mais claro, e também enfatizando que o quadro externo permanece desafiador em função das disputas comerciais e Brexit, para exemplificar. Fato é que a inflação permanece comportada em meio a atividade econômica buscando uma recuperação, e a possibilidade de um corte no juro brasileiro em breve poderia dar uma dinâmica mais favorável na melhoria do cenário, na visão de parte dos agentes. Em relação a previdência, a proposta que já estava no congresso, apresentada pelo governo Temer, não será utilizada, com isso o rito de tramitação terá de passar pelas comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e especial para analisar a matéria e, somente após isso, chegará ao plenário da Câmara. Essa mudança não preocupa a equipe econômica porque o importante é o resultado final, ou seja, progredir na formação dos 308 votos que a PEC necessita para aprovação. De qualquer forma, o caminho um pouco mais lento acaba por trazer apreensão aos mercados, e volatilidade. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia tem conversado com parlamentares e não pretende atropelar  o regimento para acelerar a tramitação da proposta. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre deve indicar a senadora Simone Tebet (MDB) para presidir a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), órgão responsável por uma primeira análise de admissibilidade e constitucionalidade de propostas legislativas. A reforma da previdência, prioridade do governo, passará pelo colegiado. Bolsonaro só irá deliberar sobre o tema quando tiver uma condição mais adequada de análise, fato que depende da sua alta no hospital. No Exterior, o Banco Central Inglês (BoE), anuncia sua decisão sobre juro às 10h, em meio a conturbada negociação entre a primeira ministra britânica, Theresa May, e a União Europeia. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que irá dizer à primeira-ministra que chega hoje à Bruxelas, que o estagnado acordo de separação entre a União Europeia e o Reino Unido não pode ser renegociado. Na Alemanha, a produção industrial caiu em dezembro pelo quarto mês seguido, enviando um sinal de que o crescimento da maior economia da Europa se enfraquece, levantando o risco de recessão. Nos Estados Unidos, teremos a divulgação dos pedidos semanais de seguro desemprego às 11h30, como destaque, enquanto discursam membros do FED. Ontem, Jerome Powell, não deu declarações a respeito de política monetária, e o fará ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos em 27 de fevereiro. E foi confirmada para a próxima semana, reunião entre americanos e chineses, na intenção de solucionar suas diferenças comerciais. O Banco Central Brasileiro, realiza rolagem de vencimentos de swaps, entre 11h30 e 11h40, ofertando 10.330 contratos para essa finalidade.

 

 

Na agenda interna, O Banco Central manteve a taxa de juros no seu piso histórico, de 6,5 por cento, e indicou que o quadro para a inflação ficou mais benigno, embora siga vendo assimetria no seu balanço de riscos. Com isso, manteve o tom de cautela sobre o que fará à frente, sem abrir a porta para eventual diminuição da Selic em meio ao ambiente de inflação comportada e atividade econômica sem grande vigor. “O cenário externo permanece desafiador, mas com alguma redução e alteração do perfil de riscos. Por um lado, diminuíram os riscos de curto prazo associados à normalização das taxas de juros em algumas economias avançadas. Por outro lado, aumentaram os riscos associados a uma desaceleração da economia global, em função de diversas incertezas, como as disputas comerciais e o Brexit”, informou o BC no comunicado da decisão. Ainda assim, o BC destacou que a assimetria persiste no seu balanço de riscos, com maior peso relacionado aos fatores que podem pressionar a inflação para cima: eventual frustração sobre a continuidade das reformas econômicas no Brasil e deterioração do cenário externo para economias emergentes.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado a 12 anos e 11 meses de prisão no processo sobre o sítio de Atibaia (SP), de acordo com sentença da juíza substituta da 13ª Vara Federal de Curitiba, Gabriela Hardt. A juíza condenou o ex-presidente por entender que ele recebeu propinas em prol do PT pagas pela Odebrecht, praticou lavagem de dinheiro na reforma feita pela Odebrecht e pela OAS no sítio que era frequentado por ele e por sua família e recebeu 700 mil reais em vantagens indevidas da Odebrecht e 170 mil reais em vantagens indevidas da OAS. A defesa irá recorrer.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que a senadora Simone Tebet (MDB-MS) deve ser a indicada pela bancada emedebista para presidir a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. Importante órgão colegiado, a CCJ é responsável por uma primeira análise da admissibilidade e constitucionalidade de propostas legislativas. A reforma da previdência, prioridade do governo, passará pelo colegiado.

A equipe econômica do governo do presidente Jair Bolsonaro quer garantir a aprovação da reforma da Previdência, mesmo diante da constatação de que a proposta terá uma tramitação na Câmara dos Deputados mais lenta do que se esperava –o que contribuiu para uma certa apreensão dos mercados. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já deu declarações públicas e também em conversas com parlamentares destacando que não haverá qualquer espécie de atropelo regimental para acelerar a tramitação da proposta. Na prática, isso significa que não deve haver uma abreviação do rito de tramitação e a reforma de Bolsonaro terá de passar pelas comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e especial para analisar a matéria e, somente após isso, chegará ao plenário da Câmara. Essa mudança não preocupa a equipe econômica porque o importante é o resultado final, isto é, o governo ter os votos suficientes para aprovar a reforma. São necessários os votos de pelo menos 308 dos 513 deputados para a proposta ser aprovada, em dois turnos de votação. Maia tem sido visto como uma espécie de fiador da reforma na Câmara, com capacidade de arregimentar votos.

 

 

Na agenda externa, O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que irá dizer à primeira-ministra britânica, Theresa May, quando ela chegar à Bruxelas hoje, que o estagnado acordo de separação entre a União Europeia e o Reino Unido não pode ser renegociado.

 

                              

Nas Bolsas, As ações japonesas recuaram diante das preocupações com a desaceleração do crescimento dos lucros corporativos, embora o SoftBank Group tenha aliviado parte da ansiedade já que seus papéis saltaram após a empresa anunciar recompra de ações e lucro acima do esperado no terceiro trimestre. Bolsas Europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos, O chairman do Federal Reserve, Jerome Powell, dará depoimento ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos em 27 de fevereiro, afirmou em comunicado a presidente democrata do comitê. Powell discutirá política monetária e economia.

 

Fonte: Reuters.

Panorama de Mercado 06/02/2019

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸  DÓLAR    ⬆  ➕0,70%  💱 🇪🇺 EURO  ⬆  ➕0,45%  🗞.

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. Em sessão realizada ontem junto ao Congresso americano, Donald Trump prometeu que irá construir muro na fronteira, ponderando que espera um sistema de imigração que seja “confiável, legítimo, moderno e seguro”. Ele chamou a imigração ilegal de “uma crise nacional urgente”, mas não chegou a declarar emergência na fronteira que permitiria contornar o Congresso em busca de fundos para erguer o muro. Em vez disso, pediu que democratas e republicanos encontrem um acordo até o prazo final de 15 de fevereiro, caso contrário outra paralisação do governo pode acontecer. Sobre a China, disse que um acordo é possível se Pequim concordar com uma “mudança estrutural real”. A confirmação de um novo encontro entre as nações na próxima semana é aguardado, afinal, se os lados não entrarem em um acordo, está previsto novo aumento tarifário dos EUA sobre os bens chineses, que pode comprometer ainda mais o crescimento global. Dados decepcionantes da China e zona do euro aumentam essas preocupações e o dia começa com o aumento da aversão a risco. Na agenda americana, diversos indicadores serão anunciados. Dados sobre produtividade e custo de mão de obra, às 11h30, o resultado da balança comercial em novembro e algumas informações do setor imobiliário são os destaques. A noite teremos discurso de Jerome Powell, mas a princípio não se espera que ele trate de assuntos relativos à política monetária, todavia é importante observar. Por aqui, seguem as tratativas em torno da reforma da previdência, entretanto, enquanto o Ministro Paulo Guedes e o presidente da Câmara dão declarações que animam os agentes, o investidor estrangeiro ainda aguarda pela formatação final, se colocando de lado até que o cenário fique mais claro. A expectativa do mercado é positiva, mas será preciso transformar isso em votos no Congresso e no Senado. Estamos falando de 308 deputados e 49 senadores. Guedes afirmou que o governo busca uma economia de ao menos 1 trilhão de reais em 10 anos com a reforma da previdência, que o time econômico segue calibrando o texto, mas a formatação final só sairá após o presidente Jair Bolsonaro autorizar. Por enquanto, tanto Guedes quanto Bolsonaro ainda tem divergências quanto a idade mínima para mulheres. Enquanto o Ministro entende que a idade tanto para homens quanto mulheres deve ser igualitária, o presidente entende que para as mulheres a idade deve ser menor para se aposentar, entre um dos pontos em discussão.O governo tem duas ou três versões alternativas para apreciação. O ministro afirmou que o governo será “bem mais preciso” sobre a Previdência muito brevemente. O Banco Central Brasileiro continua realizando rolagem de vencimentos de swaps, ofertando 10.330 contratos para essa finalidade, entre 11h30 e 11h40. A noite sai a decisão do Copom, e a manutenção da Selic nos atuais 6,50% deve ser divulgada.

 

 

Na agenda interna, O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira que o governo busca uma economia de pelo menos 1 trilhão de reais em 10 anos com a reforma da Previdência que encaminhará ao Congresso Nacional, cujos detalhes seguem na mesa de discussão. Guedes ressaltou, em entrevista a jornalistas após reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que o time econômico segue calibrando o texto da reforma e que o presidente Jair Bolsonaro ainda tem que bater o martelo a respeito.

“Ele tem o cálculo político dele, não adianta mandar proposta que não é aceita”, disse. O governo tem duas ou três versões alternativas para apreciação. O ministro afirmou que o governo será “bem mais preciso” sobre a Previdência muito brevemente, já que ainda está acertando a formatação final da proposta.

 

Na agenda externa, Os contratos futuros do petróleo recuam nesta quarta-feira, depois que um relatório mostrou um aumento nos estoques de petróleo dos Estados Unidos, enquanto as preocupações com o impacto das sanções dos EUA sobre a oferta global da Venezuela diminuíam.

 

                              

Nas Bolsas, O índice japonês Nikkei fechou em alta nesta quarta-feira com os mercados reagindo pouco ao discurso do Estado da União do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, enquanto a atenção permanecia sobre os resultados corporativos. Em um discurso de 82 minutos, Trump afirmou que quer um sistema de imigração nos EUA que seja “confiável, legítimo, moderno e seguro”, enquanto continua a busca a financiamento para um muro na fronteira rejeitado pelos democratas. Os mercados estavam focados em se havia comentários específicos sobre os acordos comerciais entre EUA e China. Da China à Venezuela, Trump dedicou uma grande parte de seu discurso à política externa, dizendo que um acordo comercial é possível com a China se Pequim concordar com uma “mudança estrutural real”. Existe a possibilidade das autoridades de ambas as nações se encontrarem na próxima semana em busca de afinar um entendimento que possa protejer a propriedade intelectual norte-americana e evitar o aumento das tarifas dos EUA sobre bens chineses em 2 de março. Bolsas europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos, Trump falou em uma sessão conjunta do Congresso, que enfrenta discórdia política devido às exigências do presidente para que os democratas terminem com sua oposição ao financiamento para um muro na fronteira dos EUA com o México, que ele diz ser necessário para conter a imigração ilegal e o tráfico de drogas. Ele chamou a imigração ilegal de “uma crise nacional urgente”, mas não chegou a declarar emergência na fronteira que permitiria contornar o Congresso em busca de fundos para erguer o muro. Em vez disso, pediu que os democratas e os republicanos encontrem um acordo até o prazo final de 15 de fevereiro, caso contrário outra paralisação do governo pode acontecer. Os democratas consideram o muro um desperdício de dinheiro e uma medida ineficaz e planejam uma série de investigações sobre o governo Trump e suas finanças pessoais. Sobre isso o presidente americano afirmou: “Um milagre econômico está ocorrendo nos Estados Unidos e a única coisa que pode impedi-lo são guerras insensatas, políticas ou investigações partidárias ridículas”.

 

Fonte: Reuters.

Panorama de Mercado 05/02/2019

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  0,03%  💱 🇪🇺 EURO   0,20%  🗞 .

 

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em leve baixa no início dos negócios. Uma versão preliminar vazada pela imprensa da proposta em torno da reforma da previdência acabou agradando aos agentes que viram no texto, ainda passível de alterações, que o governo pretende realizar os ajustes que o mercado financeiro espera, contribuindo assim para a melhoria no humor, e por fim, dando ao investidor estrangeiro, que ainda se comporta de forma reticente, diferente do investidor nacional que demonstra um maior otimismo, caminho livre para ampliar seus negócios por aqui em breve. É possível que o presidente Jair Bolsonaro receba o texto final até o fim desta semana, para posteriormente anunciá-lo aos presidentes da Câmara e do Senado até o término deste mês. Reunião ministerial é aguardada para hoje tendo como foco a previdência. A retomada da atividade econômica vai passar pelas reformas, inclusive a fiscal que podem colaborar na recuperação do grau de investimento brasileiro junto às agências de classificação de risco. Hoje começa a reunião do Copom que não pretende alterar o rumo da Selic, neste que será o último encontro sob a batuta de Ilan Godfjan no Bacen. A instituição tende a aguardar o andamento na agenda de reformas para agir em um cenário mais claro adiante. A manutenção da taxa nos atuais 6,50% ocorre ao final do dia de amanhã. Nos Estados Unidos, Trump e Jerome Powell, presidente do BC Americano, parecem melhorar a relação, após se reunirem ontem em um jantar que contou com a presença do secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e o vice-chair do Fed, Richard Clarida. O Federal Reserve freou seu ímpeto monetário e prometeu paciência durante o ano, dando como argumento os recentes acontecimentos econômicos. No calendário americano, atenção para os dados de atividade no setor de serviços, previsto para às 12h45. Vale lembrar que Donald Trump fará discurso a noite junto ao Congresso quando o tema referente aos recursos para a construção do muro na fronteira com o México deve concentrar atenções. Vamos observar qual será a reação democrata. Na China, os mercados financeiros continuam fechados durante a semana devido ao feriado do ano novo lunar, o que reduz a liquidez nos negócios. Europa: As empresas da zona do euro iniciaram o ano com a expansão mais lenta desde meados de 2013 uma vez que a desaceleração na indústria atingiu o setor de serviços. O PMI do dominante setor do bloco permaneceu estável na marca de 51,2 de dezembro, que foi a leitura mais baixa desde novembro de 2014. O crescimento na atividade industrial em janeiro foi mínimo. O PMI Composto final para a zona do euro do IHS Markit caiu para 51,0 em janeiro de 51,1 em dezembro, leitura mais baixa desde julho de 2013. E o Banco Central Brasileiro continua rolando vencimentos de swaps, ofertando 10.330 contratos para essa finalidade entre 11h30 e 11h40. O vencimento integral do lote pefaz um total de USD 9,811 bilhões para o mês.

 

 

Na agenda interna, uma versão preliminar vazada pela imprensa da proposta em torno da reforma da previdência acabou agradando aos agentes que viram no texto, ainda passível de alterações, que o governo pretende realizar os ajustes que o mercado financeiro espera, contribuindo assim para a melhoria no humor, e por fim, dando ao investidor estrangeiro, que ainda se comporta de forma reticente, diferente do investidor nacional que demonstra um maior otimismo, caminho livre para ampliar seus negócios por aqui. É possível que o presidente Jair Bolsonaro receba o texto final até o fim desta semana, para posteriormente anunciá-lo aos presidentes da Câmara e do Senado até o término deste mês. Reunião ministerial é aguardada para hoje tendo como foco a previdência. A retomada da atividade econômica vai passar pelas reformas previdênciária e fiscal que podem colaborar inclusive na recuperação do grau de investimento brasileiro junto às agências de classificação de risco. Hoje começa a reunião do Copom que não pretende alterar o rumo da Selic, neste que será o último encontro sob a batuta de Ilan Godfjan no Bacen. A instituição tende a aguardar o andamento na agenda de reformas para agir em um cenário mais claro adiante. A manutenção da taxa nos atuais 6,50% ocorre ao final do dia de amanhã.

 

 

Na agenda externa, As empresas da zona do euro iniciaram o ano com a expansão mais lenta desde meados de 2013 uma vez que a desaceleração na indústria atingiu o setor de serviços. O PMI do dominante setor do bloco permaneceu estável na marca de 51,2 de dezembro, que foi a leitura mais baixa desde novembro de 2014. O crescimento na atividade industrial em janeiro foi mínimo. O PMI Composto final para a zona do euro do IHS Markit caiu para 51,0 em janeiro de 51,1 em dezembro, leitura mais baixa desde julho de 2013.

 

                              

Nas Bolsas, O índice acionário japonês Nikkei fechou em queda nesta terça-feira, interrompendo a sequência de três dias de alta, com o mercado digerindo uma série de resultados corporativos. Muitos dos mercados asiáticos permaneciam fechados devido ao feriado de Ano Novo Lunar. Os mercados financeiros da China não terão operações durante toda a semana, enquanto os da Coreia do Sul ficarão fechados até quinta-feira. Bolsas Europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos,  O presidente Donald Trump, e o chairman do Federal Reserve, Jerome Powell, jantaram na Casa Branca ontem em sua primeira reunião após meses de críticas de Trump ao banco central por elevar os juros e, na visão do presidente, colocar em perigo o crescimento da economia. O jantar, que incluiu o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e o vice-chair do Fed, Richard Clarida, acontece após a reunião do banco central na semana passada em que o Fed disse que mais altas de juros estão em suspenso por enquanto —decisão que Powell e outros disseram ter como base recentes acontecimentos econômicos.

 

Fonte: Reuters.