Panorama de Mercado 18/07/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. Os mercados esperam pelo segundo depoimento de Jerome Powell, presidente do Banco Central Americano, marcado para se iniciar às 11h. Ontem ele reafirmou que o mercado de trabalho está forte, a inflação segue próxima ao objetivo e o Federal Reserve tende a manter o gradualismo em sua política monetária. Nesse aspecto nada diferente de suas últimas declarações sobre a economia do país, ressaltando-se que o Banco Central Americano, projeta mais dois aumentos da taxa de juros nos próximos meses, provavelmente em setembro e dezembro. O que poderia determinar alguma alteração na rota, seja mais agressiva ou não, é a incerteza a respeito das atuais tensões comerciais que o País enfrenta sobretudo com a China, que trazem dúvidas em relação ao crescimento global e investimentos, afinal se tratam das duas maiores economias do planeta. Os formuladores de políticas do FED expressam preocupações sobre os riscos econômicos de uma ampla retaliação tarifária, mas não tendem a modificar suas políticas ou previsões até que esses riscos sejam percebidos. Nesta manhã foi divulgado que o mercado imobiliário dos Estados Unidos apresenta um atraso em relação ao crescimento econômico geral do país, e as construções residenciais caíram em junho, motivadas pelo aumento dos custos de materiais de construção, o que também vem diminuindo a oferta de propriedades disponíveis à venda. Por aqui, o Banco Central Brasileiro continua rolando vencimentos de swaps e coloca 14.000 contratos com essa finalidade entre 11h30 e 11h40. Na zona do euro, a inflação anual nos 19 países que usam a moeda única chegou a 2 por cento em junho de acordo com a Eurostat. O dado é um bom sinal para o Banco Central Europeu (BCE) no momento em que busca reduzir as compras de títulos, embora preços voláteis de energia sejam o principal motivo por trás do resultado da inflação.

 

 

Na agenda interna, O presidente do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, desembargador André Fontes, suspendeu a liminar que impedia leilão de venda de seis distribuidoras da Eletrobras. Na sua decisão, o desembargador ressaltou o risco de grave lesão à ordem econômica pública, com a suspensão” do processo de desestatização. Ele levou em consideração os argumentos da União, que citam a grave situação financeira das distribuidoras e sustentam que a medida seria essencial para garantir a sustentabilidade da Eletrobras.

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) desacelerou a alta em meados de julho diante das quedas nos preços dos produtos agropecuários no atacado e de alimentos e vestuário no varejo. O indicador subiu 0,53 por cento na segunda prévia de julho, sobre avanço de 1,75 por cento no mesmo período do mês anterior.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo avançou 0,37 por cento na segunda quadrissemana de julho depois de subir 0,63 por cento na primeira prévia do mês.

 

 

Na agenda externa,  A inflação anual nos 19 países que usam o euro chegou a 2 por cento em junho de acordo com a Eurostat. O dado é um bom sinal para o Banco Central Europeu (BCE) no momento em que busca reduzir as compras de títulos, embora preços voláteis de energia sejam o principal motivo por trás do resultado da inflação.

 

                              

Nas Bolsas, Os mercados acionários da China reverteram os ganhos iniciais e fecharam em queda nesta quarta-feira, uma vez que o iuan mais fraco pressionou os papéis de incorporadoras imobiliárias e de empresas aéreas. Bolsas Europeias em alta.

 

 

Nos Estados Unidos, O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse ontem que é apropriado seguir o plano do banco central de aumentar gradualmente a taxa de juros, embora tenha alertado que a incerteza a respeito das atuais tensões comerciais dificulta a análise.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

Panorama de Mercado 17/07/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. Os mercados esperam pelo depoimento do presidente do Banco Central Americano às 11h em busca de mais informações sobre a politica monetária e a economia do país, bem como alguma dica a respeito da posição do FED em relação às disputas comerciais que vem sendo travadas sobretudo com a China, e os seus potenciais efeitos nas tomadas de decisão da instituição. Uma versão escrita sairá 90 minutos antes da fala de Jerome Powell. Outro evento importante sai às 10h15, com a divulgação da produção industrial americana que pode ampliar a visão de crescimento sólido do país. O Fundo Monetário Internacional manteve suas projeções  acerca do crescimento econômico mundial em 3,9% apesar da escalada de tensões comerciais que pode ser fator de correção de rota em breve dependendo da evolução do tema. Em relação ao Brasil, o órgão reduziu a previsão de crescimento em 2018 para 1,8% ante as incertezas políticas e os efeitos que a greve dos caminhoneiros trouxeram. Voltando aos mercados, o Banco Central Brasileiro continua rolando vencimentos de swaps para 14.000 contratos entre 11h30 e 11h40. Já o índice que mede a força do dólar no exterior, mostra que a moeda americana se comporta em leve alta lá fora enquanto os mercados ficam em compasso de espera pelo depoimento do presidente do Federal Reserve.

 

 

Na agenda interna, As incertezas políticas e os prolongados efeitos da greve dos caminhoneiros levaram o Fundo Monetário Internacional Internacional (FMI) a reduzir com força a projeção de crescimento do Brasil em 2018, deixando a perspectiva para o país bem aquém da expectativa esperada para os mercados emergentes. O FMI cortou em 0,5 ponto percentual sua estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2018, a 1,8 por cento, de acordo com a atualização de seu relatório "Perspectiva Econômica Mundial". Para 2019, o FMI manteve a projeção feita em abril, de expansão de 2,5 por cento.

 

 

Na agenda externa, A China permanece confiante de que atingirá sua meta de crescimento econômico de cerca de 6,5 por cento este ano apesar da visão de que terá pela frente um segundo semestre turbulento devido à intensificação da disputa comercial com os Estados Unidos, afirmou a agência estatal de planejamento.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) manteve suas previsões de crescimento econômico mundial em 3,9%, tanto para este ano como para 2019, os mesmos números que calculava em abril, apesar da escalada na tensão comercial dos últimos meses, que constitui a maior ameaça a curto prazo.

O Japão e a União Europeia assinaram um acordo de livre comércio abrangente em que ambos os lados esperam que vá agir como um contraponto às forças protecionistas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

 

                              

Nas Bolsas, O mercado acionário da China fechou em baixa nesta terça-feira, com o índice de Xangai em queda pela terceira sessão seguida, pressionados pelas empresas de energia após a forte queda dos preços do petróleo. Os preços do petróleo caíram na terça-feira pelo segundo dia uma vez que as preocupações com possíveis problemas de oferta diminuíram e os investidores se focaram em potenciais danos ao crescimento global da disputa comercial entre Estados Unidos e China. Bolsas Europeias com desempenhos mistos.

 

 

Nos Estados Unidos, a agenda traz eventos importantes, destaque para o depoimento do presidente do Federal Reserve, hoje e amanhã a partir das 11h, onde se espera mais pistas sobre política monetária e a economia do país. Uma versão escrita sairá 90 minutos antes do depoimento de Jerome Powell. Outro evento relevante será a divulgação às 10h15 da produção industrial.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

Panorama de Mercado 16/07/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. Durante a semana alguns eventos entram na mira dos agentes. Destaque para o depoimento do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, que comparecerá na terça-feira e na quarta-feira perante os painéis do Congresso para falar sobre economia e política monetária. O depoimento se inicia a partir das 11h em ambos os dias. Versões escritas das declarações devem ser divulgadas 90 minutos antes do início das falas. Em paralelo, os traders digerem informações sobre a economia chinesa que expandiu a um ritmo mais lento no segundo trimestre após esforços de Pequim para conter a dívida afetarem a atividade, enquanto o crescimento da produção industrial em junho enfraqueceu à mínima de dois anos, em um sinal de alerta para os investidores no momento em que se intensifica a disputa comercial com os Estados Unidos. O país entrou com uma reclamação formal junto a Organização Mundial do Comércio em relação à tarifas propostas por Washington sobre 200 bilhões em produtos chineses. Nesta manhã os americanos divulgaram os dados das vendas no varejo em junho, que apresentaram avanço sólido, marcando alta de 0,5%. Em relação ao mês de maio, houve revisão para cima, de 0,8% para 1,3%. Por aqui, passados os efeitos da greve dos caminhoneiros, alguns indíces inflácionários começam a desacelerar, casos do IPC-S e IGP-10, ambos relativos ao início do mês de julho. Já o IBC-Br, espécie de sinalizador do PIB, caiu 3,34% em maio na comparação com o mês anterior, reflexo da greve dos caminhoneiros para o mês. E o boletim focus do Banco Central trouxe as seguintes estimativas para o final de 2018: PIB: 1,50%, IPCA: 4,17%, USD: 3,70 e SELIC: 6,50%. Em relação a semana anteior, houve estimativa de queda do PIB e alta da inflação. O Banco Central Brasileiro continuará rolando vencimentos de swaps para 14.000 contratos entre 11h30 e 11h40.

 

 

Na agenda interna, O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) avançou 0,67 por cento na segunda quadrissemana de julho, depois de subir 1,01 por cento na primeira prévia do mês. O resultado teve como principal contribuição o movimento do grupo Alimentação, cuja alta desacelerou no período a 0,36 por cento, de 1,17 por cento. E passados os efeitos da greve dos caminhoneiros sobre os preços, o Índice Geral de Preços-10 (IGP-10) desacelerou a alta a 0,93 por cento em julho, de 1,86 por cento em junho.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), caiu 3,34 por cento em maio na comparação com o mês anterior.

Durante a semana alguns eventos entram na mira dos agentes. Destaque para o depoimento do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, que comparecerá na terça-feira e na quarta-feira perante os painéis do Congresso para falar sobre economia e política monetária. O depoimento se inicia a partir das 11h em ambos os dias. Versões escritas das declarações devem ser divulgadas 90 minutos antes do início das falas. Em paralelo, os traders digerem informações sobre a economia chinesa que expandiu a um ritmo mais lento no segundo trimestre após esforços de Pequim para conter a dívida afetarem a atividade, enquanto o crescimento da produção industrial em junho enfraqueceu à mínima de dois anos, em um sinal de alerta para os investidores no momento em que se intensifica a disputa comercial com os Estados Unidos. O país entrou com uma reclamação formal junto a Organização Mundial do Comércio em relação à tarifas propostas por Washington sobre 200 bilhões em produtos chineses. Nesta manhã os americanos divulgaram os dados de das vendas no varejo em junho, que…. Por aqui, passados os efeitos da greve dos caminhoneiros, alguns indíces inflácionários começam a desacelerar, casos do IPC-S e IGP-10, ambos relativos ao início do mês de julho. Já o IBC-Br, espécie de sinalizador do PIB, caiu 3,34% em maio na comparação com o mês anterior, reflexo da greve dos caminhoneiros para o mês. E o boletim focus do Banco Central trouxe as seguintes estimativas para o final de 2018: PIB: 1,50%, IPCA: 4,17%, USD: 3,70 e SELIC: 6,50%. Em relação a semana anteior, houve estimativa de queda do PIB e alta da inflação.

 

 

Na agenda externa, A economia da China expandiu a um ritmo mais lento no segundo trimestre uma vez que os esforços de Pequim para conter a dívida afetaram a atividade, enquanto o crescimento da produção industrial em junho enfraqueceu para a mínima de dois anos em um sinal preocupante para os investimentos e os investidores no momento em que se intensifica a disputa comercial com os Estados Unidos. A segunda maior economia do mundo cresceu 6,7 por cento no segundo trimestre na comparação com o mesmo período do ano anterior. O crescimento do investimento em ativo fixo no primeiro semestre, o que inclui gastos com novas moradias, fábricas, estradas e portos, atingiu mínima recorde de 6 por cento, enquanto a produção industrial igualou a taxa de expansão mais fraca em mais de dois anos de 6 por cento e ficou abaixo da expectativa de 6,5 por cento.

O Ministério do Comércio da China afirmou que entrou com uma reclamação na Organização Mundial do Comércio (OMC) em relação à lista de tarifas propostas por Washington sobre 200 bilhões em produtos chineses.

 

                              

Nas Bolsas, Os mercados acionários da China fecharam em queda nesta segunda-feira, após dados mostrarem que a economia do país expandiu a ritmo mais lento no segundo trimestre, enquanto a guerra comercial com os Estados Unidos ameaça afetar as exportações. Bolsas Europeias operando com desempenhos mistos.

 

 

Nos Estados Unidos, Sai no início da manhã dados sobre as vendas no varejo do país. Vendas no varejo crescentes com o tempo estão relacionadas com crescimento econômico mais forte, ao passo que vendas fracas sinalizam economia em declínio. Os gastos dos consumidores são responsáveis por cerca de 70% do crescimento econômico norte-americano. Já amanhã temos a divulgação da produção industrial, na quarta-feira o livro bege, na quinta-feira o índice de atividade industrial e em meio a esses eventos discursos de membros de regionais do FED discursam.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

Panorama de Mercado 13/07/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

No mercado de câmbio: Dolar abrindo em alta no início dos negócios. E a China apresentou superávit comercial recorde com os Estados Unidos no mês de junho, com muitas empresas exportadoras se antecipando às barreiras comerciais, em um sinal de que o movimento tende a ser menos favorável para os chineses nos próximos meses quando as taxas sobre as exportações começarem a pesar nos negócios. No acumulado deste ano, o país demonstra uma desaceleração no saldo comercial, e com o aumento das tensões com os Estados Unidos, a expectativa é a de que o giro de negócios diminua no futuro. Na próxima segunda-feira Pequim divulga o seu PIB entre abril e junho deste ano, que pode dar uma visão mais ampla sobre o momento da sua economia. Nesse encerramento de semana, os agentes se voltam também para os números americanos, e para tanto, destaque para a confiança do consumidor às 11h. A pouco foi divulgado que o preço de importados americanos recuaram 0,4% em junho. De modo geral os investidores ainda esperam pela resposta da China em relação a ameaça americana em tarifar mais USD 200 bilhões em produtos do país a partir de agosto, todavia, não parece sugestivo que Pequim faça uma contra ofensiva na mesma medida, e nesse jogo de xadrez os asiáticos se mantém em silencio momentâneo para descobrir a real intenção de Washington nessa disputa que no longo prazo pode inclusive afetar os americanos com a diminuição do crescimento global, sem deixar de mencionar os emergentes que acabam sendo impactados com a redução de liquidez mundial. Vale ressaltar que Estados Unidos e China são dois dos maiores parceiros brasileiros. Por falar em Brasil, o congresso nacional, não muito atuante esse ano, ameaça agora discutir e eventualmente aprovar, pautas bombas, que podem dificultar ainda mais a meta fiscal de 2018. O Banco Central Brasileiro continua observando, e mantém sua rolagem de vencimentos para 14.000 contratos de swaps, entre 11h30 e 11h40. Outra notícia é a de que o BNDES suspendeu o leilão das distribuidoras da Eletrobras, marcado para 26 de julho, atendendo a uma decisão da 19ª Vara Federal do Rio de Janeiro, através do entendimento de que a privatização de empresas públicas depende de autorização prévia em lei, conforme liminar recente do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski. O BNDES informou que órgãos competentes estão avaliando os recursos legalmente cabíveis contra a decisão judicial.

 

Na agenda interna, O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) suspendeu o leilão das distribuidoras da Eletrobras, marcado para 26 de julho, atendendo a uma decisão da 19ª Vara Federal do Rio de Janeiro. Em sua decisão, a Justiça acatou ação civil pública movida pela Associação dos Empregados da Eletrobras (AEEL), que pedia a suspensão do processo licitatório, ao entender que o certame precisaria de aprovação legislativa. A AEEL defendeu haver ilegalidade no edital do leilão porque não teriam sido cumpridas condicionantes estabelecidas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pelo entendimento de que a privatização de empresas públicas depende de autorização prévia em lei, conforme liminar recente do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski. O BNDES informou que órgãos competentes estão avaliando os recursos legalmente cabíveis contra a decisão judicial.

 O Brasil deve abrir sua economia, rever os benefícios tributários, privatizar estatais e deixar com o setor privado investimentos em infraestrutura e saneamento para retomar o crescimento econômico, afirmou o economista Pérsio Arida, um dos autores do Plano Real e coordenador econômico do pré-candidato à Presidência do PSDB, Geraldo Alckmin.

 

Na agenda externa, O superávit comercial da China com os Estados Unidos atingiu um recorde em junho, quando as suas exportações totais cresceram a um ritmo sólido, resultado que pode inflamar ainda mais a disputa comercial com Washington. Mas sinais de que os exportadores estão apressando os embarques antes de as tarifas entrarem em vigor na primeira semana de julho sugerem que o aumento no superávit é excepcional, com analistas projetando uma balança comercial menos favorável para a China nos próximos meses, quando as taxas sobre as exportações começarem a pesar. O Ministério do Comércio da China confirmou no mês passado que os exportadores chineses estavam acelerando exportações para os EUA para se anteciparem às tarifas esperadas.

                              

Nas Bolsas, Os mercados acionários chineses terminaram sem direção comum nesta sexta-feira, mas registraram seu melhor ganho semanal em mais de dois anos. Bolsas Europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, sai o índice de confiança do consumidor as 11h como destaque nesse encerramento de semana.

 

Fonte: Reuters e OliviaBulla.

Panorama de Mercado 12/07/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

No mercado de câmbio: Dolar abrindo em baixa no início dos negócios. O Banco Central Brasileiro continua com a sua rotina e rola entre 11h30 e 11h40, 14.000 contratos de swaps, na sua intenção de conter a volatilidade e assistir a demanda atual que o mercado precisa. A moeda americana tem se orientado pelo cenário externo por esses dias, e o BCB observa atentamente os movimentos relativos a guerra comercial entre Estados e China, políticas monetárias dos BCs, tanto no exterior como no âmbito doméstico, e os efeitos que a incerteza eleitoral, o agravamento da crise fiscal, e a fragilidade da atividade econômica brasileira podem trazer para o câmbio. Fato é que o papel da instituição será o de prover a liquidez quando necessário e evitar que aspectos especulativos possam ganhar força. Nesta manhã, os americanos divulgaram o índice de preços ao consumidor, que subiu 0,1% em junho, ante 0,2% em maio. Autoridades do FED indicam que não estariam muito preocupadas com a inflação ultrapassando sua meta, e o BC Americano já indicou que deve elevar sua taxa de juro em 2018 em mais duas oportunidades, setembro e dezembro provavelmente. A pouco também foram divulgados os pedidos de auxílio desemprego do país, que caíram 18 mil na semana passada, para um ajuste sazonal de 214 mil, demonstrando que as condições no mercado de trabalho permanecem robustas no início de julho.  Por aqui, o congresso nacional aprovou a o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentarias (LDO) de 2019, estabelecendo meta de deficit primário de 132 bilhões de reais, a retirando do texto o dispositivo que proibia os reajustes e a criação de novos cargos públicos para o ano.

 

Na agenda interna, O Congresso Nacional aprovou o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019, porém retirou do texto o dispositivo que proibia a concessão de reajustes aos servidores públicos e a criação de novos cargos públicos no ano que vem. A retirada do dispositivo que proibia os reajustes e a criação de cargos públicos em 2019, ainda que com efeitos financeiros posteriores ao próximo ano, foi defendida pelos parlamentares de partidos da oposição. Durante os debates, a maioria dos demais partidos acabou liberando suas bancadas ou orientando o voto pela retirada do texto da LDO que também estabelece meta de déficit primário de 132 bilhões de reais para o setor público consolidado, sexto resultado anual consecutivo no vermelho, além de salário mínimo de 998 reais.

 

Na agenda externa, A China afirmou que as empresas que operam no país vão sofrer em uma guerra comercial, pedindo às companhias norte-americanas que pressionem seu governo para proteger seus interesses, afirmando que não há negociações em andamento para encerrar o impasse. “Esperamos que as empresas dos EUA possam fazer mais para pressionar o governo dos EUA, e trabalhem duro para defender seus próprios interesses”, disse o porta-voz do Ministério do Comércio chinês, Gao Feng.

                              

Nas Bolsas, Os mercados acionários da China se recuperaram nesta quinta-feira após as fortes perdas da véspera e o iuan retomou a força, mas os mercados permaneceram nervosos diante da piora da disputa comercial entre os Estados Unidos e a China. Bolsas Europeias operando em alta.

 

Nos Estados Unidos, nesta manhã é divulgado o índice de preços ao consumidor, que pode oferecer mais sustentação à noção de que a inflação voltou à meta do Fed. Outro indicador da manhã são os pedidos de auxílio desemprego do país. Já no período da tarde, às 13h15 discurso de Harker, membro do Fed e às 15h conheceremos o balanço orçamentário federal de junho.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

Panorama de Mercado 11/07/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. E volta à cena a guerra comercial entre Estados Unidos e China após o governo americano ameaçar tarifar em 10% sobre o equivalente adicional de USD 200 bilhões em produtos chineses. Essa crise pode ter um efeito negativo para os investimentos e o crescimento globais, e parece já ter como consequência uma desaceleração na economia chinesa. Por  sua vez a China considera a postura como inaceitável, e afirmou que irá reclamar junto à OMC, sem esclarecer no entanto, como será a retaliação por parte do país. O presidente Donald Trump, afirmou na semana passa que pode inclusive impor tarifas em até USD 500 bilhões em importações chinesas, intensificando o conflito entre as duas maiores economias do mundo. Nesta manhã os Estados Unidos divulgaram o índice de preços ao produtor (PPI) que marcaram no mês de junho uma ligeira alta de 0,3%. Por aqui, o Banco Central Brasileiro continuará rolando vencimentos de swaps e realiza entre 11h30 e 11h40 de hoje oferta de 14.000 contratos.  E a Câmara dos deputados aprovou na noite de ontem, o projeto que viabiliza a privatização de seis distribuidoras de energia controladas pela Eletrobras em matéria que agora será enviada ao Senado. Já o projeto de privatização da Eletrobras não será votado neste ano.

 

 

Na agenda interna, A Câmara dos Deputados concluiu a aprovação do projeto que viabiliza a privatização de seis distribuidoras de energia controladas pela Eletrobras com a votação dos destaques à matéria, que agora será enviada ao Senado. As seis distribuidoras que serão colocadas à venda são Amazonas Energia, Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron), Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre), Companhia Energética de Alagoas (Ceal), Companhia de Energia do Piauí (Cepisa), e Boa Vista Energia, que atende Roraima. Depois da conclusão da votação da matéria, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou que o projeto de privatização da Eletrobras não será votado neste ano.

 

 

Na agenda externa, A China acusou os Estados Unidos de intimidação e alertou que vai responder depois que o governo norte-americano elevou o tom na disputa comercial, ameaçando com tarifas de 10 por cento sobre 200 bilhões de dólares em produtos chineses. O Ministério do Comércio da China afirmou que irá reclamar junto à Organização Mundial do Comércio, mas não afirmou imediatamente como vai retaliar. A postura é considerada pelos chineses como inaceitável.

 

 

                              

Nas Bolsas, Os mercados acionários da China caíram nesta quarta-feira após três dias consecutivos de ganhos e o iuan enfraqueceu depois que os Estados Unidos ameaçaram com mais tarifas de importação sobre produtos chineses, intensificando o conflito entre as duas maiores economias do mundo. Os investidores estão particularmente preocupados com o fato de que a crise do comércio possa prejudicar a economia chinesa já em desaceleração, em um golpe para os investimentos e o crescimento globais. Bolsas Europeias em baixa.

 

 

Nos Estados Unidos, o país decidiu impor tarifas sobre o equivalente a mais 200 bilhões de dólares em importações da China, depois que esforços para negociar uma solução para a disputa comercial iniciada pelo governo de Donald Trump não resultaram em um acordo. Trump disse na semana passada que os Estados Unidos podem impor tarifas sobre até 500 bilhões de dólares em importações chinesas –  a grosso modo o valor total de importações da China pelos EUA no ano passado.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

Panorama de Mercado 10/07/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em leve baixa no início dos negócios. Dados sobre as vendas no varejo, quinta-feira, e volume de serviços na sexta-feira, ajudam na avaliação dos impactos da greve dos caminhoneiros na economia brasileira, para se observar a capacidade de recuperação adiante em meio a atividade doméstica fraca. Ontem, O Boletim Focus do Banco Central trouxe as seguintes estimativas para o final de 2018: PIB: 1,53%, IPCA: 4,17%, USD: 3,70 e SELIC: 6,50%. Entre 11h30 e 11h40, teremos rolagens de vencimentos de swaps para 14.000 contratos de acordo com o BCB. Do lado político, o episódio do pedido de soltura de Lula deste final de semana, evidenciou que sua chance de disputa na eleição é remota, até mesmo pela Lei da ficha limpa, mas o imbróglio também trouxe uma pitada de instabilidade jurídica, desnecessária. Nos Estados Unidos, temos a divulgação do relatório de ofertas de emprego Jolts de maio às 11h, importante catalisador que pode dar mais subsídios em relação a saúde da maior economia do mundo. No Exterior, a China divulgou o  índice de preços ao produtor (PPI), que avançou 4,7 por cento em junho sobre o ano anterior, contra expectativa de 4,5 por cento e taxa de 4,1 por cento em maio. Já o índice de preços ao consumidor (CPI), interrompeu 2 meses seguidos de estabilidade  e subiu 1,9% em junho, em relação ao ano anterior, ante 1,8% em maio.

 

Na agenda interna, O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) registrou queda em junho pela quarta vez seguida e sinaliza menor ritmo de contratação à frente diante da atividade econômica mais fraca no primeiro semestre. O IAEmp, que antecipa os rumos do mercado de trabalho no Brasil, recuou 5,6 pontos e chegou a 95,5 pontos em junho.

Dados sobre as vendas no varejo, quinta-feira, e volume de serviços na sexta-feira, ajudam na avaliação dos impactos da greve dos caminhoneiros na economia brasileira, para se observar a capacidade de recuperação adiante em meio a atividade doméstica fraca. Esperamos que surpresas jurídicas não entrem em cena, como a observada neste final de semana, em relação ao pedido de soltura de Lula que poderia elevar o sentimento de instabilidade no país. Todavia o desfecho do episódio evidencia que sua chance de disputa na eleição é remota, até porque a Lei da ficha limpa o impede de concorrer.  Ontem, O Boletim Focus do Banco Central trouxe as seguintes estimativas para o final de 2018: PIB: 1,53%, IPCA: 4,17%, USD: 3,70 e SELIC: 6,50%. Entre 11h30 e 11h40, teremos rolagens de vencimentos de swaps para 14.000 contratos de acordo com o BCB. Nos Estados Unidos, temos a divulgação do relatório de ofertas de emprego Jolts de maio às 11h, importante catalisador que pode dar mais subsídios em relação a saúde da maior economia do mundo.

 

Na agenda externa, A inflação ao produtor na China acelerou para uma máxima de seis meses em junho, impulsionada pelos fortes preços das commodities e ameaçando colocar mais pressão sobre os exportadores do país em meio à intensificação da guerra comercial entre Washington e Pequim. O índice de preços ao produtor (PPI), medida de rentabilidade industrial, avançou 4,7 por cento em junho sobre o ano anterior, contra expectativa de 4,5 por cento e taxa de 4,1 por cento em maio, informou a Agência Nacional de Estatísticas. Com isso a inflação ao produtor na China chega a três meses seguidos de aceleração após mostrar alívio no final de 2017. Já o índice de preços ao consumidor (CPI), interrompeu 2 meses seguidos de estabilidade  e subiu 1,9% em junho, em relação ao ano anterior, ante 1,8% em maio.

                              

Nas Bolsas, Os mercados acionários chineses fecharam em alta nesta terça-feira, auxiliados pelos ganhos nos setores imobiliário e de empresas de transporte. No entanto, a recente recuperação foi vista por muitos como de natureza “técnica”, uma vez que as preocupações com uma guerra comercial em larga escala entre a China e os Estados Unidos persistem. Bolsas Europeias em leve alta.

 

Nos Estados Unidos, anúncios sobre a inflação ao produtor (PPI) e ao consumidor (CPI) amanhã e quinta-feira respectivamente são os destaques da semana.

 

Fonte: Reuters, Investing.com e OliviaBulla.

Panorama de Mercado 06/07/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. Enquanto se espera pela partida eliminatória da copa do mundo, o jogo que está pegando fogo é outro. A partida entre Estados Unidos e China vem deixando os investidores receosos dos efeitos do embate comercial entre as duas maiores economias do planeta. A primeira ofensiva foi dada pela Casa Branca que adotou tarifas de USD 34 Bilhões em produtos chineses nesta sexta-feira, recebendo um contra ataque na mesma proporção do lado Asiático. Agora Trump ameaça impor novas tarifas em pelo menos USD 200 Bilhões em mercadorias chinesas podendo chegar a até USD 500 Bilhões. Os investidores certamente vão estar atentos a reação concreta de Washington diante da resposta imediata chinesa. A preocupação dos mercados recai sobre os efeitos dessa tensão em relação ao crescimento global, que poderia afetar os investimentos motivados pelas incertezas significativas que o conflito traz. Diante desse cenário o Banco Central Brasileiro, esclareceu que pretende apenas dar tranquilidade ao mercado se avaliar alguma sensação de pânico ou de falta de liquidez, e que o objetivo da instituição não será a de defender um patamar para o câmbio. Em relação a política monetária brasileira, o presidente do BCB, Ilan Goldfajn, reforça que não mexerá tão cedo na taxa básica de juros, atualmente em 6,50 por cento. A percepção vem de que o Copom vê a inflação perdendo força após o mês de junho, o mais afetado pela greve dos caminhoneiros. Aliás, foi divulgado a pouco que a inflação oficial (IPCA) de junho, atingiu 1,26%, ante 0,4% de maio, sendo a primeira vez desde janeiro de 2016 que o indíce mensal supera o patamar de 1%. O BCB continuará ofertando rolagens de swaps para 14.000 contratos, entre 11h30 e 11h40. Voltando aos Estados Unidos, o Federal Reserve, indicou em sua ata, que a escalada protecionista pode interferir na atividade economica, emprego e inflação do país, por issos os mercados digerem o relatório de emprego, payroll, divulgado a pouco, que trouxe novo crescimento de empregos, mas um crescimento moderado dos salários  deve acalmar em parte os receios de um forte aumento das pressões inflacionistas, todavia, economistas entendem que a elevação salarial acelere no final deste ano. A taxa desemprego subiu a 4%, ante 3,8% do dado anterior.  

 

 

Na agenda interna, O Banco Central não pautará sua atuação no câmbio por mudanças de preço, buscando apenas dar tranquilidade ao mercado quando avaliar a ocorrência de falta de liquidez ou sensação de pânico, afirmou o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, em declaração que esclarece que o objetivo da instituição não será a de defender um patamar para a moeda. 

 

Na agenda externa, Os Estados Unidos e a China adotaram tarifas sobre 34 bilhões de dólares em importações um do outro nesta sexta-feira, com Pequim acusando Washington de desencadear “a maior guerra comercial” da história em uma forte intensificação do conflito que já dura meses. Horas antes do prazo de Washington para que as tarifas entrassem em vigor, o presidente norte-americano, Donald Trump, aumentou o tom, alertando que os EUA poderiam visar mais de 500 bilhões de dólares em produtos chineses, ou o volume total das importações norte-americanas da China no ano passado.

 

                              

Nas Bolsas, Os mercados acionários da China recuperaram as perdas anteriores e fecharam em alta nesta sexta-feira, mas ainda assim ampliaram a série de quedas semanais com as tarifas de Washington sobre produtos chineses entrando em vigor, o que intensificou a disputa comercial entre as duas maiores economias do mundo. Participantes do mercado disseram que alguns investidores estavam comprando ações em queda depois das vendas generalizadas da semana, mas que o mercado continua a enfrentar incertezas significativas. Bolsas Europeias em alta.

 

 

Nos Estados Unidos, Relatório de emprego, taxa de desemprego e balança comercial formam uma extensa agenda nesse encerramento de semana.

 

Fonte: Reuters e OliviaBulla.

Panorama de Mercado 05/07/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em baixa no início dos negócios, em linha com o comportamento externo e aguardando a divulgação da ata do Federal Reserve às 15h. Os agentes buscam no documento a visão dos seus membros em relação à escalada protecionista que atrai atenções gerando tensões entre Estados Unidos e China, na véspera da tarifação de 25% do país sobre US$ 34 bilhões em produtos chineses, que deve abrir espaço para uma resposta imediata e prejudicar a recuperação econômica global. Para amenizar um pouco a retórica comercial em relação à Europa, o embaixador dos EUA na Alemanha disse a dirigentes de montadoras alemãs que o presidente Donald Trump suspenderia as ameaças de impor tarifas sobre carros importados da União Europeia se o bloco acabasse com os impostos sobre os carros americanos, de acordo com um jornal alemão. No Brasil, a Câmara dos Deputados concluiu a aprovação de um projeto de lei que promete abrir caminho para a realização de um mega leilão de áreas para a produção de petróleo do pré-sal, ainda neste ano, além de viabilizar um acordo entre Petrobras e União necessário para o certame.  O Banco Central Brasileiro, continua rolando vencimentos de swaps, e oferece 14.000 contratos entre 11h 30 e 11h40. Na agenda americana, o pós feriado traz indicadores sobre a atividade no setor de serviços em junho, em dois horários (10h45 e 11h).

 

 

Na agenda interna, A Câmara dos Deputados concluiu a aprovação de um projeto de lei que promete abrir caminho para a realização de um mega leilão de áreas para a produção de petróleo do pré-sal, ainda neste ano, além de viabilizar um acordo entre Petrobras e União necessário para o certame.

A Polícia Federal deflagrou nova fase de uma operação que investiga suposta organização criminosa que atua na concessão irregular de registros sindicais junto ao Ministério do Trabalho, com três mandados de prisão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e a suspensão do exercício do cargo por autoridades, informou a PF. De acordo com a TV Globo, o ministro do Trabalho, Helton Yomura, foi afastado do cargo por decisão do Supremo.

O destaque do dia fica com a ata da reunião de junho do Federal Reserve (15h). O documento pode elucidar os motivos que levaram o Banco Central dos Estados Unidos a alterar o plano de voo e passar a prever uma trajetória de quatro altas na taxa de juros norte-americana neste ano. Os investidores também estarão em busca de pistas sobre as impressões do Fed em relação às investidas protecionistas e aos impactos das medidas do governo Trump sobre a atividade e a inflação doméstica. Além disso, merece atenção a avaliação do BC dos EUA sobre o mercado de trabalho no país. Por aqui, as incertezas com as eleições presidenciais e o ambiente menos favorável aos países emergentes podem pesar sobre a economia doméstica, restringindo o crescimento neste segundo semestre.

 

 

Na agenda externa, Os Estados Unidos estão "abrindo fogo" contra o mundo com sua ameaça de tarifas, alertou a China, afirmando que ninguém quer uma guerra comercial mas que responderá no instante em que as medidas dos EUA entrarem em vigor. A tensão comercial entre as duas maiores economias do mundo continua, nesta véspera de tarifação de 25% dos EUA sobre US$ 34 bilhões em produtos chineses.

As barreiras comerciais que estão sendo levantadas pelas principais economias podem prejudicar a recuperação econômica global e seus efeitos já começam a aparecer, informou a Organização Mundial do Comércio (OMC) em relatório sobre as restrições comerciais entre países do G20.

O embaixador dos EUA na Alemanha disse a dirigentes de montadoras alemãs o presidente Donald Trump suspenderia as ameaças de impor tarifas sobre carros importados da União Europeia se o bloco acabasse com os impostos sobre os carros americanos, informou um jornal alemão.

 

                              

Nas Bolsas, Os principais índices de acionários chineses caíram nesta quinta-feira um dia antes de a China e os Estados Unidos atingirem um ao outro com tarifas que podem desencadear uma guerra comercial em larga escala. Os mercados têm estado nervosos antes de sexta-feira, quando as tarifas norte-americanas sobre 34 bilhões de dólares em produtos chineses – e as tarifas retaliatórias chinesas de mesmo valor sobre produtos dos EUA – devem entrar em vigor. Bolsas Europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, saem indicadores sobre a atividade no setor de serviços em junho, em dois horários (10h45 e 11h).

 

Fonte: Reuters, Investing.com e OliviaBulla.

Panorama de Mercado 04/07/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. A parada da copa do mundo deve dar espaço para os investidores conferirem a agenda econômica, todavia, o feriado da independência americana tende a enxugar a liquidez e o volume de operações nesta quarta-feira. O foco principal continua sendo a tarifação dos Estados Unidos sobre 34 bilhões de dólares em produtos chineses, que bate a porta, podendo entrar em vigor nesta sexta-feira. O embate ganha importância diante da promessa de retaliação chinesa, que divulgou um crescimento em seu setor de serviços, com o PMI subindo a 53,9 em junho. O número composto, que cobre tanto serviços como indústria também trouxe avanço, marcando 53,0 no mesmo período. Já na zona do euro, o PMI composto subiu a 54,9 em junho. Amanhã o Banco Central Americano vai divulgar a ata de sua última reunião, onde projetou mais duas elevações do juro do país em 2018, contudo, os agentes observam se o documento trará algum elemento em relação a escalada protecionista e o que isso pode refletir na inflação e atividade econômica. Por aqui, a greve dos caminhoneiros fez a produção industrial do país recuar 10,9% em maio, na maior queda desde dezembro de 2008, quando caiu 11,2%. Diante da exposição do estrago causado pela falta de abastecimento, paralisação em unidades exportadoras com o agravamento do fluxo de logística e dificuldade de transporte dos trabalhadores, analistas devem revisar a projeção do PIB em 2018 e atentar na recuperação nos próximos meses. O Banco Central Brasileiro faz rolagem de vencimentos de swaps, oferecendo 14.000 contratos entre 11h30 e 11h40.

 

 

Na agenda interna, A Câmara dos Deputados aprovou o regime de urgência para o projeto que viabiliza a privatização de seis distribuidoras de energia elétrica controladas pela Eletrobras, o que significa que a matéria será analisada diretamente pelo plenário.

Refletindo a greve dos caminhoneiros, a indústria brasileira recuou 10,9% no mês de maio, na série com ajuste sazonal, de acordo com o IBGE. Foi a maior queda desde dezembro de 2008, quando a produção industrial caiu 11,2%.

 

 

Na agenda externa, O crescimento do setor de serviços da China ganhou força em junho para a máxima de quatro meses, impulsionado pela aceleração nos novos negócios e aumento sustentado do emprego. Para junho, o PMI de serviços do Caixin/Markit subiu a 53,9, nível mais alto em quatro meses, de 52,9 em maio. O PMI Composto do Caixin que cobre tanto o setor de serviços quanto o de indústria avançou para a máxima de quatro meses em junho de 53,0, ante 52,3 no mês anterior.

A atividade empresarial da zona do euro cresceu um pouco mais rápido do que o calculado anteriormente em junho, mas as empresas registraram o nível mais alto de pessimismo desde o final de 2016. O PMI Composto Final do IHS Markit subiu a 54,9 em junho de 54,1 em maio.  

 

                              

Nas Bolsas, O iuan avançou com força em relação ao dólar nesta quarta-feira mas os principais índices acionários da China fecharam com queda, um dia após o banco central do país ter assegurado que vai manter a moeda estável em meio a preocupações crescentes com disputas comerciais. A moeda chinesa e os mercados acionários têm mostrado volatilidade antes do prazo de 6 de julho, quando as tarifas dos Estados Unidos sobre 34 bilhões de dólares em produtos chineses devem entrar em vigor. Pequim disse que vai retaliar com tarifas sobre produtos norte-americanos. Bolsas Europeias em baixa.

 

 

Nos Estados Unidos, feriado da independência.

 

Fonte: Reuters, Investing.com e OliviaBulla