Panorama de Mercado 12/12/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  0,40%  💱 🇪🇺 EURO   0,25%  🗞 .

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em baixa no início dos negócios. Certo otimismo paira no ar após a notícia de que a vice-presidente financeira da Huawei teve pedido de liberdade condicional aceito por um juiz do Canadá mediante fiança de USD 7,5 milhões, enquanto aguarda audiência de extradição para os Estados Unidos. Sobre a extradição, Donald Trump afirmou que poderá intervir caso isso ajude a melhorar a relação entre Estados Unidos e China e por consequência, garantir um acordo comercial entre os países, expressando seu otimismo na evolução das negociações. Segundo Trump, a China “voltou ao mercado”, e inclusive estaria comprando uma "enorme quantidade" de soja norte-americana. O presidente americano também disse acreditar que os chineses reduzirão em breve as tarifas dos automóveis norte-americanos para 15 por cento, em relação aos atuais 40 por cento. Já sobre a politica monetária interna, o tom mudou, e novamente ele afirmou que será um erro se o Federal Reserve elevar a taxa de juros quando se reunir na próxima semana, alertando para o fato de que o país precisa da flexibilidade de taxa de juros mais baixa para sustentar a economia em meio à batalha comercial contra a China, e potencialmente contra outros países. Mudando de foco, atenções também se voltam para o Reino Unido onde a primeira-ministra britânica, Theresa May, promete lutar contra um voto de não confiança convocado por seu próprio Partido Conservador, dizendo que uma mudança agora adiaria ou até ameaçaria a planejada saída do Reino Unido da União Europeia. Faltando menos de quatro meses para a desfiliação, prevista para 29 de março, o Brexit foi posto em dúvida pela rejeição de parlamentares britânicos ao acordo de separação proposto por May e por um motim dentro do próprio partido da premiê. Em um alerta contundente a integrantes de seu partido que apoiam o Brexit, May disse que, se for deposta, a saída da União Europeia precisaria ser adiada, e talvez até suspensa. A votação será realizada entre 16h e 18h (no horário de Brasília) desta quarta-feira em uma sala na Casa dos Comuns. May pode ser derrubada se 158 dos 315 parlamentares de seu partido votarem contra ela. Ao menos 100 parlamentares declararam apoio à premiê, antes da votação secreta. Na agenda americana, atenção para a divulgação às 11h30 do CPI, índice de preços ao consumidor. A produção industrial da zona do euro subiu 0,2% em outubro sobre o mês anterior, dentro das expectativas. Por aqui, o Copom deve manter a Selic nos atuais 6,5% em decisão que sai no final do dia. Já o Banco Central Brasileiro divulga seu fluxo cambial, ou seja, dados sobre a entrada e saída de dólares do país na primeira semana de dezembro, às 12h30. Além disso, a instituição monetária continua rolando vencimentos de swaps, e entre 11h30 e 11h40, oferta 13.830 contratos com essa finalidade. E o Tribunal de Contas da União (TCU) avalia em sessão extraordinária o processo de revisão do contrato de cessão onerosa entre governo e Petrobras, num passo que pode abrir caminho para a realização de megaleilão no ano que vem. Já a Câmara dos Deputados aprovou ontem a noite o projeto de lei que prorroga incentivos fiscais até 2023 para empresas instaladas nas áreas de atuação das superintendências do desenvolvimento da Amazônia (Sudam), do Nordeste (Sudene) e do Centro-Oeste (Sudeco), com exceção do Distrito Federal, com impacto fiscal para o governo do presidente eleito Jair Bolsonaro. Como a proposta já passou pelo Senado, agora será enviada à sanção presidencial. Apenas com as Regiões Norte e Nordeste o impacto ao Orçamento calculado pelo governo é de 5 bilhões de reais, de acordo com o jornal Folha de S.Paulo.

 

 

Na agenda interna, O Tribunal de Contas da União (TCU) avalia em sessão extraordinária o processo de revisão do contrato de cessão onerosa entre governo e Petrobras, num passo que pode abrir caminho para a realização de megaleilão no ano que vem. Já a Câmara dos Deputados aprovou ontem a noite o projeto de lei que prorroga incentivos fiscais até 2023 para empresas instaladas nas áreas de atuação das superintendências do desenvolvimento da Amazônia (Sudam), do Nordeste (Sudene) e do Centro-Oeste (Sudeco), com exceção do Distrito Federal, com impacto fiscal para o governo do presidente eleito Jair Bolsonaro. Como a proposta já passou pelo Senado, agora será enviada à sanção presidencial. Apenas com as Regiões Norte e Nordeste o impacto ao Orçamento calculado pelo governo é de 5 bilhões de reais, de acordo com o jornal Folha de S.Paulo.

 

 

Na agenda externa, A primeira-ministra britânica, Theresa May, prometeu lutar contra um voto de não confiança convocado por seu próprio Partido Conservador, dizendo que uma mudança agora adiaria ou até ameaçaria a planejada saída do Reino Unido da União Europeia. Faltando menos de quatro meses para a desfiliação, prevista para 29 de março, o Brexit foi posto em dúvida pela rejeição de parlamentares britânicos ao acordo de separação proposto por May e por um motim dentro do próprio partido da premiê. Em um alerta contundente a integrantes de seu partido que apoiam o Brexit, May disse que, se for deposta, a saída da União Europeia precisaria ser adiada, e talvez até suspensa. A votação será realizada entre 16h e 18h (no horário de Brasília) desta quarta-feira em uma sala na Casa dos Comuns. May pode ser derrubada se 158 dos 315 parlamentares de seu partido votarem contra ela. Ao menos 100 parlamentares declararam apoio à premiê, antes da votação secreta.

Em uma audiência em Vancouver, o juiz William Ehrcke concedeu fiança a Meng Whanzhou, vice-presidente financeira da Huawei, sujeita a uma garantia de 7,5 milhões de dólares e outras condições, enquanto ela aguarda audiência de extradição para os Estados Unidos. Vale lembrar que os chineses ameaçam o Canadá se Meng não for libertada e inclusive um cidadão canadense, especula-se que se trata do ex-diplomata Michael Kovrig, foi detido na China em medida retaliatória ontem.

A produção industrial da zona do euro subiu 0,2% em outubro sobre o mês anterior, dentro das expectativas.

 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários da China fecharam ligeiramente em alta nesta quarta-feira diante do alívio das tensões comerciais com os Estados Unidos e as esperanças de um pacote de estímulo doméstico, em meio ao segundo dia de atividade fraca no mercado com os investidores cautelosos antes do fim do ano. Bolsas europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, Donald Trump disse que a China está comprando uma "enorme quantidade" de soja norte-americana e que negociações comerciais com Pequim já estão sendo feitas por telefone, acrescentando que são aguardadas mais reuniões entre autoridades dos dois países. A China está “de volta ao mercado”, afirmou. Trump também disse acreditar que a China reduzirá em breve as tarifas dos automóveis norte-americanos para 15 por cento, em relação aos atuais 40 por cento. Sobre política monetária o presidente americano disse que será um erro se o Federal Reserve elevar a taxa de juros quando se reunir na próxima semana, como esperado, dando continuidade às críticas ao banco central dos Estados Unidos. Segundo ele o país precisa da flexibilidade de taxa de juros mais baixa para sustentar a economia dos EUA em meio à batalha comercial contra a China, e potencialmente contra outros países.

 

Fonte: Reuters e OliviaBula.

Panorama de Mercado 11/12/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  ⬇ ➖0,35%  💱 🇪🇺 EURO ⬇  ➖0,05%  🗞 .

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em baixa no início dos negócios. Visando injetar liquidez aos mercados o Banco Central Brasileiro anunciou que fará leilão de linha no valor de USD 1 bilhão entre 12h15 e 12h40 de hoje. Paralelamente a instituição também continuará rolando vencimentos de swaps, ofertando 13.830 contratos entre 11h30 e 11h40. Enquanto isso os agentes seguem observando o ambiente externo que vem causando turbulência por aqui. Nesse sentido, China e Estados Unidos continuam buscando um acordo comercial, ao menos houve ligação telefônica entre o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, e o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, e o representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, sem maiores detalhes, diminuindo um pouco o receio que a prisão da vice-presidente financeira da Huawei Technologies, Meng Wanzhou, influencie de forma mais contundente a relação entre os paises. Em relação ao Brexit, e a conturbada saída do Reino Unido da União Europeia, o adiamento da votação no parlamento britânico, provoca apreensão sobre o plano de separação do Reino Unido da UE, colocando em risco o cargo da premiê Theresa May que ainda busca uma solução para a crise interna. Na agenda americana, teremos a divulgação, às 11h30, do índice de preços ao produtor, o PPI, do mês de novembro. No Brasil, após a diplomação de Jair Bolsonaro, ontem, os mercados esperam que os ruídos políticos causados por discussões internas do PSL, partido do presidente, sejam amenizados, afinal, isso pode refletir em dificuldade na aprovação das reformas necessárias em 2019, e aumentar a desconfiança dos agentes e investidores. Nesse aspecto, vale ressaltar, um assunto que ainda não está sendo discutido mas certamente vai entrar a pauta dos mercados a partir de fevereiro será a definição dos próximos presidentes tanto do Congresso quanto do Senado, na intenção de estabelecer se o caminho para aprovação da agenda liberal e reformista será tortuoso ou mais suave. A conferir.

 

 

Na agenda interna, O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) teve queda de 1,16 por cento na primeira prévia de dezembro, contra recuo de 0,11 por cento no mesmo período do mês anterior. O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.

A Polícia Federal deflagrou nova operação que investiga seis parlamentares por suspeita de recebimento de ao menos 100 milhões de reais de propina entre os anos de 2014 e 2017, inclusive para fins da campanha presidencial de 2014 e também para a obtenção de apoio político, informou a PF. Os políticos investigados são, segundo a TV Globo, os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Antonio Anastasia (PSDB-MG) e Agripino Maia (DEM-RN), e os deputados Benito Gama (PTB-BA), Cristiane Brasil (PTB-RJ) e Paulinho da Força (SD-SP).

 

Na agenda externa, A China e os Estados Unidos discutiram o roteiro para o próximo estágio de suas negociações comerciais, durante uma ligação telefônica entre o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, e o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, e o representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer. 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses fecharam em alta nesta terça-feira, em dia de volume fraco de negociações em que Pequim confirmou que ainda está em negociações comerciais com Washington. Um tribunal canadense está considerando se vai conceder fiança à vice-presidente financeira da Huawei Technologies, Meng Wanzhou, que enfrenta uma possível extradição para os EUA, uma decisão que foi adiada na segunda-feira sem determinar seu destino. A prisão de Meng ameaça intensificar uma relação comercial já tensa entre a China e os EUA. Bolsas europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, o índice de preços ao produtor, PPI, sai às 11h30.

 

Fonte: Reuters.

Panorama de Mercado 10/12/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸  DÓLAR      0,38%  💱 🇪🇺 EURO    0,65%  🗞.

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. Faltando três semanas para o encerramento do ano, os mercados buscam se adequar à questões que trazem maior volatilidade aos preços devido às incertezas causadas pela guerra comercial entre Estados Unidos e China, que passa a impressão que pode se prolongar além dos 90 dias de trégua acordados na última reunião do G-20, elevando a preocupação em relação ao crescimento global. Os agentes observam atentamente a desaceleração na zona do euro, China e Japão, e monitoram os desdobramentos da prisão da diretora da Huawei, que causa forte protesto chinês não só contra os Estados Unidos mas também o Canadá onde, Meng Wanzhou, está presa, afetando a relação entre os países. Em meio a isso, temos o Federal Reserve se preparando para subir o juro do país pela última vez em 2018, chance projetada em 75% de probabilidade. Mas o que os mercados esperam mesmo é por uma maior clareza em relação à política monetária americana em 2019, uma vez que os sinais de uma desaceleração  no crescimento global, poderia atingir também os Estados Unidos, refletindo no recuo do rendimento do titulo americano, trazendo algumas dúvidas à parte dos mercados em relação a uma desaceleração mais acentuada contagiar outras economias, sobretudo emergentes, o que torna o cenário incerto. A China divulgou dados decepcionantes de inflação e comércio, os preços de produtor subiram em novembro no ritmo mais lento desde outubro de 2016, com a demanda doméstica perdendo mais força. A inflação ao consumidor diminuiu em relação ao mês anterior, devido à queda nos preços dos alimentos. Já as exportações chinesas denominadas em dólar em novembro cresceram 5,4 por cento em relação a um ano antes, enquanto as importações avançaram 3 por cento, ambas muito abaixo das expectativas. A economia do Japão registrou a maior contração em mais de quatro anos no terceiro trimestre, conforme o país enfrenta a desaceleração do crescimento global e os atritos comerciais. A agenda americana traz às 13h, o relatório Jolts sobre as vagas de emprego disponíveis em outubro.  Por aqui, o boletim focus trouxe as seguintes estimativas para o final do ano: IPCA: 3,71%, PIB: 1,30%, Selic: 6,50%, Produção Industrial: 1,99%, Superávit da balança comercial: USD 58 Bilhões e Investimentos diretos no país: USD 70 Bilhões. Com a inflação em baixa, se espera que o Copom mantenha o juro no piso histórico de 6,5% na próxima quarta-feira. O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) iniciou dezembro com queda de 0,06 por cento, contra deflação de 0,17 por cento em novembro. O resultado mostra que o grupo Habitação teve destaque ao recuar 0,61 por cento, após um decréscimo de 0,94 por cento no levantamento anterior.

 

 

Na agenda interna, O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) iniciou dezembro com queda de 0,06 por cento, contra deflação de 0,17 por cento em novembro. O resultado mostra que o grupo Habitação teve destaque ao recuar 0,61 por cento, após um decréscimo de 0,94 por cento no levantamento anterior.

 

 

Na agenda externa, A economia do Japão registrou a maior contração em mais de quatro anos no terceiro trimestre uma vez que as empresas reduziram os gastos, ameaçando refrear as perspectivas de investimento em 2019 conforme o país enfrenta a desaceleração do crescimento global e os atritos comerciais. O Produto Interno Bruto (PIB) do Japão encolheu a uma taxa anualizada de 2,5 por cento no trimestre entre julho e setembro, pior contração desde o segundo trimestre de 2014, ante crescimento de 2,8 por cento no segundo trimestre.

O ministério de Relações Exteriores da China convocou o embaixador dos Estados Unidos para expressar "forte protesto" contra a prisão da vice-presidente financeira da companhia chinesa Huawei e afirmou que Washington deveria retirar o pedido de prisão da executiva.

 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses fecharam em queda nesta segunda-feira, uma vez que dados decepcionantes de inflação e comércio se somaram às preocupações sobre a desaceleração do crescimento e ao receio de que a prisão de uma executiva da Huawei possa intensificar a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. As exportações chinesas denominadas em dólar em novembro cresceram 5,4 por cento em relação a um ano antes, enquanto as importações avançaram 3 por cento, ambas muito abaixo das expectativas. Os preços de produtor na China subiram em novembro no ritmo mais lento desde outubro de 2016, com a demanda doméstica perdendo mais força. A inflação ao consumidor diminuiu em relação ao mês anterior, devido à queda nos preços dos alimentos. A vice-presidente financeira da Huawei Techonologies está lutando para ser libertada sob fiança depois que foi presa em 1º de dezembro em Vancouver a pedido dos Estados Unidos. Sua prisão gerou temores de possíveis retaliações contra as empresas norte-americanas na China. Bolsas europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos, O representante comercial dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, afirmou ontem que considera 1º de março como um "prazo inflexível" para se obter um acordo de comércio com a China e que novas tarifas serão impostas se um acerto não for alcançado. Na agenda do dia, sai o relatório Jolts sobre as vagas de emprego disponíveis em outubro às 13h.

 

Fonte: Reuters e OliviaBula.

Panorama de Mercado 07/12/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸  DÓLAR      0,98%  💱 🇪🇺 EURO    ➕1🗞.

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. O presidente do Federal Reserve de Atlanta, Raphael Bostic, disse ontem que o Fed deveria continuar elevando a taxa básica de juros em direção ao nível "neutro", pontuando que, apesar da recente volatilidade no mercado e crescentes incertezas, ele não via "qualquer indicação de um enfraquecimento substancial nos dados macoreconômicos até o momento". "Estamos a uma pequena distância do neutro, e eu realmente penso que o neutro é onde nós queremos estar", disse Bostic, destacando sua preocupação de que o desemprego no atual nível baixo poderia produzir uma economia superaquecida e pressão inflacionária à frente. Na agenda temos o indicador mais importante da semana no país sendo divulgado às 11h30, trata-se do payroll, relatório mensal de emprego do país. Com a baixa taxa de desemprego demonstrada nos últimos meses, é possível que o relatório sugira que a economia permanece forte o suficiente para que o banco central continue aumentando a taxa de juros em 2019, uma ou duas vezes, a despeito do contragosto de Trump. Um detalhe importante a ser observado na divulgação será se a renda média por hora do trabalhador americano subiu o suficiente para alimentar a discussão sobre pressão inflacionária no país. Como a ADP trouxe um relatório privado de menor criação de empregos que as estimativas, cria-se também a possiblidade de um payroll mais fraco hoje. Essa semana trouxe a tona, a especulação de que devido a inversão parcial da curva de rendimentos dos títulos americanos o país pode vir a ingressar em um quadro recessivo, mas esse movimento tende a ser relacionado com a desaceleração no ciclo de alta do juro tão somente. Uma parte do mercado especula que o Federal Reserve está usando a estratégia de encerrar o ciclo de aumento do juro indicando um quadro recessivo no país à frente. Será importante observar o andamento das negociações entre Estados Unidos e China no que se refere ao aspecto comercial, para aí sim se formular alguma projeção mais adequada ao reflexo disso nas economias mundiais, inclusive a americana. Ontem a diretora geral do FMI, Christine Lagarde, afirmou que os mercados estão impacientes com a reforma comercial, que as regras de comércio devem ser revisadas e projeta crescimento forte nos Estados Unidos em 2019 enquanto o país trabalha com a China para resolver suas pendências. Todavia como fato até o momento, essa guerra comercial traz alguns reflexos, como a desaceleração chinesa e da zona do euro, afetando o humor dos investidores que veêm a chance de uma desaceleração mais acentuada na China como fator de perigo para os emergentes, por isso a importância de estancar o sangramento e começar 2019 com um horizonte melhor. A conferir. Sobre a prisão da vice-presidente financeira da Huawei, audiência de fiança é esperada para hoje no Canadá,  enquanto aguarda uma possível extradição para os Estados Unidos. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Geng Shuang, disse nesta sexta-feira que nem o Canadá nem os EUA forneceram à China evidências de que Meng violou qualquer lei nesses dois países, e reiterou a exigência de Pequim de que ela seja libertada. Sobre a reunião da OPEP, ainda não se chegou a um acordo sobre parâmetros concretos que visam reduzir a produção e a reunião continua hoje. Por aqui, o Banco Central realiza leilão de até 13,83 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de dezembro, entre 11h30 e 11h40. Já o IPCA registrou deflação de 0,21% em novembro, em meio ao alívio nos preços de combustíveis e energia elétrica. Enquanto isso, os mercados continuam testando o Banco Central, afinal, ao flertar com uma cotação próxima de 3,95, em um mês de maior procura da moeda, a espera do anúncio de algum leilão de linha como resposta, acompanham o nervosismo externo e a volatilidade.

 

Na agenda interna, O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu 0,21 por cento em novembro, após alta de 0,45 por cento no mês anterior. Com isso, o país registrou deflação – a inflação negativa – no mês de novembro. Este resultado foi o menor desde junho de 2017, quando o IPCA ficou em -0,23%. Para um mês de novembro, foi a menor taxa desde a implantação do Plano Real, em 1994.

 

Na agenda externa, A economia da zona do euro cresceu em seu ritmo mais lento em quatro anos no terceiro trimestre de 2018, enquanto o crescimento do emprego também diminuiu durante o período.O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,2 por cento no período de julho a setembro. Esta foi a taxa mais lenta de crescimento econômico desde o segundo trimestre de 2014 e mostrou desaceleração em relação ao crescimento de 0,4 por cento registrado no segundo trimestre.Na comparação anual, a taxa de crescimento do PIB no bloco monetário de 19 países foi de 1,6 por cento, disse a Eurostat, revisando para baixo sua estimativa anterior de uma expansão de 1,7 por cento. Já o número de pessoas empregadas aumentou 0,2 por cento no comparativo trimestral e 1,3 por cento no comparativo anual, ante as taxas de 0,4 e 1,5 por cento, respectivamente, no segundo trimestre.

 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses fecharam estáveis nesta sexta-feira, com os investidores permanecendo cautelosos depois que a prisão de uma executiva da Huawei provocou vendas generalizadas por temores de que isso pudesse afetar as esperanças de uma trégua duradoura na disputa comercial entre Estados Unidos e a China. Meng Wanzhou, vice-presidente financeira da Huawei Technologies, que está presa no Canadá, deve comparecer em um tribunal de Vancouver nesta sexta-feira para uma audiência de fiança enquanto aguarda uma possível extradição para os Estados Unidos.

 

 

Nos Estados Unidos, O presidente do Federal Reserve de Atlanta, Raphael Bostic, disse ontem que o Fed deveria continuar elevando a taxa básica de juros em direção ao nível "neutro", pontuando que, apesar da recente volatilidade no mercado e crescentes incertezas, ele não via "qualquer indicação de um enfraquecimento substancial nos dados macoreconômicos até o momento". "Estamos a uma pequena distância do neutro, e eu realmente penso que o neutro é onde nós queremos estar", disse Bostic, destacando sua preocupação de que o desemprego no atual nível baixo poderia produzir uma economia superaquecida e pressão inflacionária à frente. Na agenda temos o indicador mais importante da semana no país sendo divulgado às 11h30, trata-se do payroll, relatório mensal de emprego do país. Com a baixa taxa de desemprego demonstrada nos últimos meses, é possível que o relatório sugira que a economia permanece forte o suficiente para que o banco central continue aumentando a taxa de juros em 2019, uma ou duas vezes, a despeito do contragosto de Trump. Um detalhe importante a ser observado na divulgação será se a renda média por hora do trabalhador americano subiu o suficiente para alimentar a discussão sobre pressão inflacionária no país. Essa semana trouxe a tona, a especulação de que devido a inversão parcial da curva de rendimentos dos títulos americanos o país pode vir a ingressar em um quadro recessivo, mas esse movimento tende a ser relacionado com a desaceleração no ciclo de alta do juro tão somente. Uma parte do mercado especula que o Federal Reserve está usando a estratégia de encerrar o ciclo de aumento do juro indicando um quadro recessivo no país à frente. Será importante observar o andamento das negociações entre Estados Unidos e China no que se refere ao aspecto comercial, para aí sim se formular alguma projeção mais adequada ao reflexo disso nas economias mundiais, inclusive a americana. Ontem a diretora geral do FMI, Christine Lagarde, afirmou que os mercados estão impacientes com a reforma comercial, que as regras de comércio devem ser revisadas e projeta crescimento forte nos Estados Unidos em 2019 enquanto o país trabalha com a China para resolver suas pendências. Todavia como fato até o momento, essa guerra comercial traz alguns reflexos, como a desaceleração chinesa e da zona do euro, por isso a importância de estancar o sangramento e começar 2019 com um horizonte melhor. A conferir.

 

Fonte: Reuters.

Panorama de Mercado 06/12/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸  DÓLAR    ⬆  ➕0,60%  💱 🇪🇺 EURO  ⬆  ➕0,50%  🗞.

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. E a pretensa trégua comercial entre Estados Unidos e China pode estar em xeque após a detenção da filha do fundador da gigante chinesa de tecnologia Huawei, Meng Wanzhou, por violação de sanções norte americanas contra o Irã. O abalo estaria sendo causado, por supostamente, a Huawei, enviar produtos de origem norte-americana ao Irã em violação a leis de exportação e sanções dos EUA. A prisão foi feita no Canadá a pedido dos Estados Unidos, e Meng deve enfrentar uma possível extradição para a América além de comparecer a uma audiência na sexta-feira, segundo o porta voz do Departamento de Justiça canadense. Resultado disso: as ações da empresas de tecnologia despencaram, abalando os mercados mundiais. A Huawei é uma das maiores fabricantes de aparelhos e equipamento para redes de telecomunicações. A lista de preocupações no início dos negócios aumenta também devido a queda observada no preço do petróleo, enquanto se espera pela reunião da Opep em relação a cortes na produção da commodity. Outro fator monitorado é a inversão na curva de juro americano, que não ocorria desde 2007, época que antecedeu a períodos de recessão nos Estados Unidos. A especulação é alimentada por temores de desaceleração na economia mundial, inclusive a americana. Vale ressaltar que esse fenômeno do comportamento do titulo americano pode estar vinculado ao fato de que o Federal Reserve se prepara para findar o ciclo de alta do juro tão somente, o que é mais provável. De qualquer maneira esses fatores acabam por desestimular a procura pelos ativos de risco. Além disso, teremos uma extensa agenda de divulgações durante o dia, o que vai tornar o ambiente mais agitado. A ADP, informa o relatório de empregos no setor privado americano às 11h15. Depois, às 11h30, saem, custo de mão de obra e produtividade no trimestre passado, pedidos de auxílio desemprego e o resultados da balança comercial, ambos em outubro, e entre 12h45 e 13h a atividade no setor de serviços em novembro. 17h sai o livro bege, compilado de informações econômicas dos Estados Unidos. Por aqui, a cessão onerosa tende realmente a ficar para 2019 e o Banco Central Brasileiro oferta 13.600 contratos a fim de rolagem de vencimentos de swaps entre 11h30 e 11h40.  Se mantiver a oferta diária e vendê-la integralmente até o final do mês, terá rolado USD 12,21 bilhões.  

 

 

Na agenda interna, O MDB decidiu só indicar um nome para a presidência do Senado no final de janeiro, mas os senadores interessados já colocam em prática suas estratégias para viabilizar seus nomes. A ideia, segundo a líder do partido no Senado, Simone Tebet (MS), é que o partido anuncie como candidato aquele que garantir os 41 votos necessários para se eleger presidente da Casa.

 

Na agenda externa, A filha do fundador da gigante chinesa de tecnologia Huawei foi detida no Canadá e pode ser extraditada para os Estados Unidos, em um forte golpe às esperanças de amenizar as tensões comerciais entre Pequim e Washington e abalando os mercados financeiros globais. A chocante prisão de Meng Wanzhou, que também é vice-presidente financeira da Huawei Technologies, lança novas dúvidas sobre a trégua de 90 dias firmada entre os presidentes Donald Trump e Xi Jinping no sábado –o dia em que ela foi detida. A prisão estaria relacionada à violação de sanções norte-americanas, por supostamente, a Huawei, enviar produtos de origem norte-americana ao Irã e outros países, em violação a leis de exportação e sanções dos EUA. Meng, deve comparecer a uma audiência na sexta-feira, segundo o porta-voz do Departamento de Justiça canadense.

 

                              

Nas Bolsas, As quedas acentuadas nas ações de tecnologia pressionaram os índices acionários na China e em Hong Kong nesta quinta-feira, depois que a vice-presidente financeira global da empresa de tecnologia Huawei foi presa por supostas violações às sanções dos Estados Unidos. A notícia pressionou as ações das empresas de tecnologia e dos fornecedores de hardware. A Huawei é uma das maiores fabricantes mundiais de aparelhos e equipamento para redes de telecomunicações. Bolsas Europeias em forte queda.

 

 

Nos Estados Unidos, A ADP, informa o relatório de empregos no setor privado americano às 11h15. Depois, às 11h30, saem, custo de mão de obra e produtividade no trimestre passado, pedidos de auxílio desemprego e o resultados da balança comercial, ambos em outubro, e entre 12h45 e 13h a atividade no setor de serviços em novembro. 17h sai o livro bege, compilado de informações econômicas do país.

 

Fonte: Reuters e OliviaBula.

Panorama de Mercado 05/12/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  ⬇ ➖0,40%  💱 🇪🇺 EURO ⬇  ➖0,35%  🗞 .

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em baixa no início dos negócios acompanhando o desempenho externo. As movimentações do novo governo seguem acompanhadas de perto, com reuniões da equipe com as bancadas do PR e do PSDB, bem como a questão da Previdência, depois de o presidente eleito Jair Bolsonaro ter afirmado que pretende fatiar o envio de uma proposta de reforma ao Congresso Nacional, que inicialmente deve contemplar mudanças nas regras para o setor público. Certamente as agências de classificação de risco e os mercados estão atentos à forma como o novo governo conduzirá a questão da previdência. Outro tema que merece atenção é a cessão onerosa, que deve ficar para 2019, visto que travou no senado, e pode inclusive fazer com que a Câmara possa votar em caráter de urgência um repasse de 30% do fundo do pré-sal aos estados e municípios.  No Exterior, mercados americanos fechados hoje em virtude de luto pela morte de George Bush, por isso a agenda economica que seria extensa ficou para amanhã. O que sobraram foram os dados da zona do euro, onde o crescimento empresarial atingiu em novembro seu ritmo mais fraco em dois anos motivada pela desaceleração industrial, com o PMI composto cravando 52,7, ante 53,1 em outubro, e,  a China, que em seu setor de serviços cresceu ao ritmo mais forte em cinco meses, em novembro, com o PMI de serviços Caixin/Markit indo a 53,8 em novembro, de 50,8 em outubro. A atividade industrial da China cresceu ligeiramente em novembro, devido principalmente à redução de preços. De modo geral, após a inversão em parte da curva de rendimento dos títulos americanos passarem a impressão de que isso demonstre desaceleração economica do país logo a frente, e também a trégua comercial entre Estados Unidos e China não dar sinais de confiança aos investidores, a cotação da moeda passa por correção, em um dia em que a ausência de NY nos negócios pode alavancar alguma volatilidade. O Banco Central Brasileiro segue rolando vencimentos de swaps, ofertando 13.830 contratos para essa finalidade entre 11h30 e 11h40.

 

Na agenda interna, As movimentações do novo governo seguem acompanhadas de perto, com reuniões da equipe com as bancadas do PR e do PSDB, bem como a questão da Previdência, depois de o presidente eleito Jair Bolsonaro ter afirmado que pretende fatiar o envio de uma proposta de reforma ao Congresso Nacional, que inicialmente deve contemplar mudanças nas regras para o setor público. Certamente as agências de classificação de risco e os mercados estão atentos à forma como o novo governo conduzirá a questão da previdência. Outro tema que merece atenção é a cessão onerosa, que deve ficar para 2019, visto que travou no senado, e pode inclusive fazer com que a Câmara possa votar em caráter de urgência um repasse de 30% do fundo do pré-sal aos estados e municípios.  No Exterior, mercados americanos fechados hoje em virtude de luto pela morte de George Bush, por isso a agenda economica que seria extensa ficou para amanhã. O que sobraram foram os dados da zona do euro, onde o crescimento empresarial atingiu em novembro seu ritmo mais fraco em dois anos motivada pela desaceleração industrial, com o PMI composto cravando 52,7, ante 53,1 em outubro, e,  a China, que em seu setor de serviços cresceu ao ritmo mais forte em cinco meses, em novembro, com o PMI de serviços Caixin/Markit indo a 53,8 em novembro, de 50,8 em outubro. A atividade industrial da China cresceu ligeiramente em novembro, devido principalmente à redução de preços.

 

Na agenda externa, O crescimento empresarial da zona do euro atingiu em novembro o ritmo mais fraco em mais de dois anos uma vez que a desaceleração liderada pela indústria mostrou mais sinais de contaminar o setor de serviços. O PMI Composto final do IHS Markit para a zona do euro caiu a 52,7 em novembro de 53,1 em outubro, leitura mais baixa desde setembro de 2016. Já as vendas no varejo do bloco subiram 0,3% em outubro em relação ao mês anterior, todavia, os números de setembro foram revisados, de estabilidade, para -0,5%.

O setor de serviços da China cresceu o ritmo mais forte em cinco meses em novembro graças a um aumento nas novas encomendas. O PMI de serviços do Caixin/Markit subiu a 53,8 em novembro de 50,8 em outubro. A atividade industrial da China cresceu ligeiramente em novembro, devido principalmente à redução de preços.

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses recuaram nesta quarta-feira, com os investidores duvidando se a China e os Estados Unidos vão conseguir resolver sua disputa comercial antes do prazo de 90 dias, enquanto novos dados mostraram piora nas perspectivas dos negócios. O Ministério do Comércio da China disse que Pequim e Washington avançarão nas negociações comerciais nos próximos 90 dias e que está confiante de que um acordo pode ser alcançado, em meio ao crescente ceticismo de que os dois lados sejam capazes de chegar a um acordo substancial sobre uma série de questões altamente divisivas antes do prazo. O presidente dos EUA, Donald Trump, citou a possibilidade de uma prorrogação da trégua de 90 dias com a China, mas advertiu que voltaria às tarifas se os dois lados não pudessem resolver suas diferenças. Bolsas Europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos, Feriado.

Panorama de Mercado 04/12/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  0,50%  💱 🇪🇺 EURO   0,15%  🗞 .

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em baixa no início dos negócios. Alguns fatores auxiliam no fortalecimento do desempenho das moedas emergentes nessa manhã. Expectativa de corte na produção de petróleo, fazem o preço da commodity subir consistentemente enquanto se espera pela reunião da Opep na próxima quinta-feira. O dólar perde força no exterior diante da possibilidade de desaceleração no ciclo de aumento do juro, que poderia ser confirmada amanhã pelo presidente do BC americano no congresso, porém o evento foi cancelado, em respeito ao dia nacional do luto em homenagem a morte de George Bush. Outro fator que beneficia os emergentes nesse início de negócios é a queda no rendimento dos títulos americanos, porém se esse movimento perdurar também pode ser alimento para especulações em torno de uma desaceleração econômica nos Estados Unidos no próximo ano. Agora os agentes fazem uma reavaliação se de fato a trégua entre Estados Unidos/China pode resultar em algum acordo sólido entre os países. Após os Estados Unidos soltarem um comunicado informando o período de 90 dias de negociações, e o adiamento à imposição de tarifas sobre produtos chineses durante o período, a China nem sequer se deu ao trabalho de confirmar, abrindo espaço para os investidores entenderem que a situação ainda é tensa e um acordo não será tão simples. No Brasil, Bolsonaro terá encontros com bancadas partidárias a partir da tarde de hoje, objetivando apoio para a agenda de reformas no ano que vem, afinal com o atual Congresso e Senado é difícil de acreditar que isso seja possível, mesmo com a popularidade do presidente em alta. Já para 2019, será preciso tato nas negociações para buscar soluções que visam diminuir o rombo fiscal do país, sobretudo no primeiro semestre. Enquanto isso, o investidor nacional dá o benefício da dúvida em relação a articulação política do novo governo, e o estrangeiro espera pelo avanço para tomar posição. Sobre isso, a agencia de classificação de risco, Fitch, disse monitorar o êxito em aprovação principalmente da reforma da previdência, como também do modelo em que será feita, para melhorar a nota de crédito brasileira. Sobre o projeto de cessão onerosa, que pode injetar à conta do governo aproximados R$ 100 bilhões, está na pauta do Senado na sessão de hoje, mas será que Eunício Oliveira colocará em votação? Já a segunda turma do STF julga hoje mais um pedido de liberdade do ex-presidente Lula. No mercado, o Banco Central Brasileiro, visando melhorar a liquidez nesse final de ano, anunciou novo leilão de linha. Mais USD 1 bilhão para suprir a demanda, entre 12h15 e 12h40. Paralelamente continuam as rolagens de vencimentos de swaps, e 13.830 contratos são colocados entre 11h30 e 11h40 para essa finalidade. Nesta manhã foi divulgado que a produção industrial brasileira em outubro avançou 0,2%, abaixo da expectativa, porém interrompendo três quedas consecutivas nos meses anteriores.

 

 

Na agenda interna, O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo encerrou novembro com alta de 0,15 por cento, depois de subir 0,48 por cento em outubro, em linha com as expectativas.

A indicação formal, sabatina e posse do novo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, só deve ocorrer no próximo ano, assim como a tentativa de votação no Congresso de projeto que trata da independência da instituição.

Alguns fatores auxiliam no fortalecimento do desempenho das moedas emergentes nessa manhã. Expectativa de corte na produção de petróleo, fazem o preço da commodity subir consistentemente enquanto se espera pela reunião da Opep na próxima quinta-feira. O dólar perde força no exterior diante da possibilidade de desaceleração no ciclo de aumento do juro, que poderia ser confirmada amanhã pelo presidente do BC americano no congresso, porém o evento foi cancelado, em respeito ao dia nacional do luto em homenagem a morte de George Bush. Outro fator que beneficia os emergentes nesse início de negócios é a queda no rendimento dos títulos americanos, porém se esse movimento perdurar também pode ser alimento para especulações em torno de uma desaceleração econômica nos Estados Unidos no próximo ano. Agora os agentes fazem uma reavaliação se da fato a trégua entre Estados Unidos/China pode resultar em algum acordo sólido entre os países. Após os Estados Unidos soltarem um comunicado informando o período de 90 dias de negociações, e o adiamento à imposição de tarifas sobre produtos chineses durante o período, a China nem sequer se deu ao trabalho de confirmar, abrindo espaço para os investidores entenderem que a situação ainda é tensa e um acordo não será tão simples. No Brasil, Bolsonaro terá encontros com bancadas partidárias a partir da tarde de hoje, objetivando apoio para a agenda de reformas para o ano que vem, afinal com o atual Congresso e Senado é difícil de acreditar que isso seja possível, mesmo com a popularidade do presidente em alta. Já para o ano que vem, será preciso tato nas negociações para buscar a solução que visa diminuir o rombo fiscal do país, sobretudo no primeiro semestre. Enquanto isso, o investidor nacional dá o benefício da dúvida em relação a articulação política do novo governo, e o estrangeiro espera pelo avanço para tomar posição. Sobre isso, a agencia de classificação de risco, Fitch, disse monitorar o êxito em aprovação principalmente da reforma da previdência, como também do modelo em que será feita, para melhorar a nota de crédito brasileira. Sobre o projeto de cessão onerosa, que pode injetar à conta do governo aproximados R$ 100 bilhões, está na pauta do Senado na sessão de hoje, mas será que Eunício Oliveira colocará em votação? Já a segunda turma do STF julga hoje mais um pedido de liberdade do ex-presidente Lula. No mercado, o Banco Central Brasileiro, visando melhorar a liquidez nesse final de ano, anunciou novo leilão de linha. Mais USD 1 bilhão para suprir a demanda, entre 12h15 e 12h40. Paralelamente continuam as rolagens de vencimentos de swaps, e 13.830 contratos são colocados entre 11h30 e 11h40 para essa finalidade. Nesta manhã foi divulgado que a produção industrial brasileira em outubro avançou 0,2%, abaixo da expectativa, porém interrompendo três quedas consecutivas nos meses anteriores.

 

 

Na agenda externa, Nesta noite a China divulga seu PMI de serviços. 

 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses fecharam com leve alta nesta terça-feira, depois de fortes ganhos na sessão anterior com uma trégua na guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, à medida que os investidores se adaptavam ao fato de que a relação entre os dois países permanece tensa, enquanto a economia da China continua a enfrentar pressão de queda. Os presidentes dos EUA, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, concordaram com uma trégua na guerra comercial, adiando a imposição de mais tarifas por 90 dias a partir de 1º de dezembro, enquanto negociam um acordo para encerrar a disputa após meses de tensões crescentes. Washington divulgou o período de trégua de 90 dias, mas Pequim não mencionou isso, nem a mídia chinesa. Bolsas europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos, discurso de membros do FED e as condições empresariais de NY medido pelo ISM às 12h45 formam a agenda.

 

Fonte: Reuters, OliviaBula e RosaRiscala.

Panorama de Mercado 03/12/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  ⬇ ➖0,88%  💱 🇪🇺 EURO ⬇  ➖0,85%  🗞 .

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em baixa no início dos negócios. A trégua de 90 dias no embate comercial Estados Unidos/China dá algum respiro momentâneo aos mercados que esperam que durante esse período as maiores economias do planeta possam enfim encontrar bom termo nas negociações comerciais. Por enquanto, Trump deixa as tarifas de USD 200 bilhões em importações chinesas em 10% no início de 2019, concordando em não aumentá-las para 25% “neste momento”, enquanto a China se compromete em comprar quantidade substancial de produtos agrícolas, energéticos, industriais e outros produtos americanos reduzindo o desequilíbrio comercial entre os países, objetivo da Casa Branca. A notícia tende a aumentar ao apetite por risco, em uma semana que reserva notícias de primeira linha. Jerome Powell, presidente do BC Americano, comparece na quarta-feira às 13h, diante do painel do Congresso, mesmo dia em que os mercados do país fecham por luto nacional em memória do ex-presidente George Herbert Walker Bush, falecido na última sexta-feira aos 94 anos. Os agentes observam se o presidente do FED manterá sua postura suave (dovish), em relação a política monetária, visto que na semana que passou, Jay P afirmou que as taxas de juro estavam “logo abaixo” do nível neutro. Mesmo com o quarto aumento da taxa de juro esperado para dezembro, após a fala de Powell da semana passada, os agentes se antecipam em  reavaliar que o Federal Reserve tende a subir o juro no ano que vem em uma ou no máximo duas oportunidades, diferentemente dos formuladores de políticas do FED que ainda apontam para três altas em 2019. Além disso, o destaque da semana vem na sexta-feira, quando sai o relatório de emprego nos Estados Unidos. Novas contratações, taxa de desemprego e sobretudo o ganho médio salarial vão ser observados de perto pelos agentes em busca de projeções para a inflação do país. Vale lembrar que o calendário não traz somente esses catalisadores. Temos ainda hoje, dados de atividade da indústria americana entre 12h45 e 13h e diversos membros do FED falam a partir de hoje. A China divulgou que o seu índice de gerentes de compras, o PMI, cravou 50,2 em novembro, ante 50,1 em outubro, leve alta, mas com números próximos a linha que separa crescimento de contração. No Brasil, o Banco Central começa hoje, a rolagem de vencimentos de swaps, e oferta 13.800 contratos entre 11h30 e 11h40 para essa finalidade. No âmbito político, Bolsonaro receberá essa semana parlamentares do MDB,PSDB,PR e PRB tentando formar base de apoio visando o ajuste das contas públicas e reformas na economia. Hoje o boletim focus trouxe as seguintes estimativas para o final de 2018: IPCA: 3,89%, PIB: 1,32%, USD: 3,75, SELIC: 6,50%, produção industrial: 2,16%, Superávit da balança comercial: USD 58 bilhões e investimentos diretos no país: USD 70 bilhões.

 

 

Na agenda interna, Sinais de progresso nas negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China provavelmente serão o principal motor do ânimo do mercado nesta semana, quando as duas maiores economias do mundo concordaram com um cessar-fogo em sua longa disputa comercial. Trump vai deixar tarifas de US$ 200 bilhões em importações chinesas em 10% no início do ano que vem, concordando em não aumentá-las para 25% "neste momento", enquanto a China concordou em comprar uma quantidade ainda não determinada, mas muito substancial, de produtos agrícolas, energéticos, industriais e outros produtos provenientes dos EUA reduzindo o desequilíbrio comercial entre os países, objetivo da Casa Branca. As autoridades americanas e chinesas continuarão a negociar divergências persistentes sobre transferência de tecnologia, propriedade intelectual e agricultura nos próximos 90 dias, mas se isso não acontecer, as tarifas de 10% serão aumentadas para 25%. A semana reserva ainda importantes depoimentos sobre economia e política monetária do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, que comparece na quarta-feira (13h) perante um painel do Congresso Americano, mesmo dia em que os mercados americanos permanecerão fechados após Donald Trump determinar luto nacional em memória do ex-presidente George Herbert Walker Bush, que morreu na sexta-feira passada aos 94 anos de idade. Os mercados estarão atentos para ver se o presidente do Fed mantém sua mensagem da semana passada de que as taxas de juros estavam "logo abaixo" do nível neutro e que elas não estimulam nem prejudicam o crescimento econômico. Um quarto aumento da taxa para este ano é esperado ainda em dezembro, mas o caminho a partir daí não é claro. Embora os formuladores de políticas do Fed tenham apontado três aumentos em 2019, o mercado está antecipando para um ou no máximo dois. Além disso, o destaque da semana vem na sexta-feira, quando sai o relatório de emprego nos Estados Unidos. Novas contratações, taxa de desemprego e sobretudo o ganho médio salarial vão ser observados de perto pelos agentes em busca de projeções para a inflação do país.

 

 

Na agenda externa,  A atividade industrial da China subiu levemente em novembro, mostrou uma pesquisa privada, embora novas encomendas de exportação tenham estendido sua queda em mais um golpe contra o setor já prejudicado pelas tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China. O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do Caixin/Markit para a indústria divulgado nesta segunda-feira subiu a 50,2 ante 50,1 em outubro.

 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses registraram seu maior ganho diário em um mês, ao mesmo tempo em que o iuan se firmou nesta segunda-feira, depois que os presidentes da China e dos Estados Unidos concordaram sobre uma trégua temporária em uma intensa guerra comercial, mas as perspectivas de longo prazo para as relações comerciais e os mercados chineses continuam obscuras. O acordo entre o presidente Donald Trump e Xi Jinping adiou a ameaça mais urgente para as economias globais e chinesa – a forte elevação de tarifas dos EUA sobre produtos chineses que estava agendada para 1º de janeiro. Bolsas Europeias em alta.

 

 

Nos Estados Unidos, discursos de membros do FED durante o dia, e a atividade industrial entre 12h45 e 13h.

 

Fonte: Reuters, Investing.com e OliviaBula.

Panorama de Mercado 30/11/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  ⬇ ➖0,12%  💱 🇪🇺 EURO ⬇  ➖0,26%  🗞 .

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em leve baixa no início dos negócios. Com a indústria chinesa na risca da linha que separa crescimento de contração, após a divulgação do PMI, os agentes observam o início da reunião do G-20, na expectativa de que dela possa ao menos sair uma trégua entre Estados Unidos e China. Trump adota a estratégia do tapas e beijos. Ao mesmo tempo em que ameaça impor novas tarifas a partir de primeiro de janeiro em caso de negociações frustradas, também acena com a possibilidade de um acordo, trazendo cautela por parte dos investidores nesse encerramento de mês. Na agenda americana, atenção para informações sobre a inflação ao consumidor, o CPI, e os dados de atividade do país. Por aqui, o Banco Central Brasileiro anunciou início de rolagem de vencimentos de swaps a partir de segunda-feira, quando ofertará 13.830 contratos para essa finalidade entre 11h30 e 11h40. Na economia, o PIB cresceu 0,8% no terceiro trimestre de 2018, na comparação com os três meses anteriores. No calendário do dia, o BCB divulga dados fiscais do governo em outubro às 10h30. E termina a guerra pela formação da ptax entre os bancos, movimento que costuma aumentar a volatilidade nas cotações, encerrando as 13h. E o presidente eleito, Jair Bolsonaro, anunciou a indicação do diretor-geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, almirante Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior, como ministro de Minas e Energia de seu governo.  

 

 

Na agenda interna, O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou a indicação do diretor-geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, almirante Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior, como ministro de Minas e Energia de seu governo. Com pós-graduação em Ciências Políticas e MBA nas áreas de gestão internacional e gestão pública, o almirante Bento ocupou diversos cargos na Marinha, com comandante-em-chefe da Esquadra e secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, além de ter atuado no exterior como observador de tropas da ONU em Sarajevo e na Croácia.

 

 

Na agenda externa, O crescimento do setor industrial da China estagnou pela primeira vez em mais de dois anos em novembro uma vez que as novas encomendas desaceleraram, aumentando a pressão sobre Pequim antes das negociações comerciais entre os presidentes Xi Jinping e Donald Trump neste fim de semana. Se as negociações no G20 falharem, Trump deve dar continuidade aos aumentos tarifários sobre produtos chineses em janeiro, o que vai pressionar ainda mais a economia da China e ampliar os riscos ao crescimento global. O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial divulgado nesta sexta-feira pela Agência Nacional de Estatísticas caiu para 50 em novembro. É a leitura mais fraca em 28 meses.

A inflação na zona do euro desacelerou conforme o esperado em novembro. Os preços ao consumidor nos 19 países que compartilham o euro subiram 2,0 por cento em novembro na comparação com o mesmo período do ano anterior, após uma máxima de seis anos de 2,2 por cento em outubro.

 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses fecharam em alta nesta sexta-feira em dia de volume fraco de negociações, em meio à cautela antes do esperado encontro entre os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, na cúpula do G20 na Argentina. Na quinta-feira, Trump deu sinais mistos sobre a possibilidade de um acordo com a China, enquanto o China Daily, o porta-voz de Pequim, disse que um acordo é possível, mas acrescentou que Washington deve ser "justo" nas negociações. Bolsas europeias mandam sinais mistos.

 

Nos Estados Unidos, inflação ao consumidor e dados de atividade encerram a agenda nesta manhã.

 

Fonte: Reuters.

Panorama de Mercado 29/11/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸  DÓLAR    ⬆  ➕0,21%  💱 🇪🇺 EURO  ⬆  ➕0,20%  🗞.

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em alta no início dos negócios. E o presidente do Banco Central Americano deu uma suavizada no tom em relação a política monetária do país ao afirmar que a taxa de juro se encontra em patamar “pouco abaixo” da estimativa de neutralidade, dando a entender que a instituição pode ser menos agressiva em 2019, o que aumentou o apetite por ativos considerados de risco. Hoje os agentes monitoram uma extensa agenda americana, destacando-se o índice de preços PCE, pedidos de auxílio desemprego e gastos pessoais, todos às 11h30. Um pouco mais tarde saem as vendas pendentes de moradias às 13h e sobretudo atenção para a ata da reunião do Fomc às 17h que tende a confirmar o quarto e último aumento do juro esse ano nos Estados Unidos. Para 2019, os agentes apostavam que o Federal Reserve faria mais três apertos monetários durante o ano, mas, depois da fala de Jay P na tarde de ontem, essa projeção pode ser reduzida. Donald Trump agradece. E por falar em Trump, atenção total para o encontro com o líder chinês Xi Jinping, neste fim de semana, no encontro do G-20. Os mercados aguardam por mostras de que as negociações possam avançar, evitando assim tarifações sobre produtos, e desaceleração no crescimento global. E a China traz a noite seus dados sobre o PMI, interessante observação sobre a atividade industrial e de serviços no país. Por aqui, a votação sobre a cessão onerosa, provavelmente fica para a próxima semana, foi isso o que informou o presidente do Senado, Eunício Oliveira, que afirmou que integrantes do atual e do futuro governo ainda discutem um acordo sobre a divisão dos recursos entre estados e municípios, obtidos com a aprovação do projeto. Pelo jeito, enquanto não houver a substituição no poder, entenda-se a posse do novo Congresso e Senado, eventuais acordos serão mais difíceis de sair do papel, e ficam os receios em relação às últimas pautas do governo atual, que autorizou por exemplo o reajuste do STF impactando as contas públicas no ano que vem. Já o Banco Central Brasileiro continua com seu programa de rolagens de vencimentos de swaps, ofertando 13.140 contratos entre 11h30 e 11h40. Um pouco mais tarde, entre 12h15 e 12h40 a instituição faz novo leilão de linha, ofertando USD 1,25 bilhão ao mercado, melhorando a liquidez.

 

 

Na agenda interna, O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) encerrou novembro com queda de 0,49 por cento, depois de subir 0,89 por cento em outubro. O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), afirmou que ainda não há entendimento para a votação do projeto da chamada cessão onerosa. Integrantes do atual e do futuro governo discutem uma maneira de dividir parcela dos recursos a serem obtidos com a aprovação do projeto entre Estados e municípios. A votação pode acontecer na próxima semana, de forma a tentar uma solução até lá, com a ressalva de que o presidente do senado não colocará a matéria em votação sem comunicar os senadores sobre eventual acordo. Além de permitir uma prevista renegociação de contrato entre Petrobras e União, o projeto de lei prevê autorizar a estatal a vender até 70 por cento dos direitos de exploração da empresa na área da cessão onerosa.

 

 

Na agenda externa, Os gastos dos consumidores franceses aceleraram em outubro em relação ao mês anterior oferecendo algum alívio em relação aos dados mostrando crescimento lento e confiança fraca na segunda maior economia da zona do euro. Os gastos do consumidor em outubro subiram 0,8 por cento em relação a setembro. O Produto Interno Bruto do país avançou 0,4 por cento no terceiro trimestre.

 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses recuaram nesta quinta-feira uma vez que o sentimento frágil dos investidores apagou os ganhos anteriores e os volumes negociados continuaram mais fracos do que a média antes do esperado encontro entre os presidentes dos Estados Unidos e da China neste fim de semana. Bolsas Europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, Tensões sobre comércio, as discussões turbulentas do Brexit e problemas na China e mercados emergentes poderiam abalar um sistema financeiro dos Estados Unidos no qual os preços de ativos estão "elevados" e a qualidade do crédito corporativo pode estar se "deteriorando", disse o Federal Reserve em seu primeiro relatório dedicado à estabilidade financeira.

 

Fonte: Reuters e OliviaBula