Panorama de Mercado 05/09/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

No mercado de câmbio:  Dólar abrindo leve baixa, acompanhando o comportamento da moeda no exterior, mas com alta volatilidade no início dos negócios. Com o PT inquietando o ambiente eleitoral, trazendo confusão adicional a cada dia, desrespeitando inclusive o TSE, o ibope decidiu suspender a divulgação do resultado de sua pesquisa ontem a noite. Como a pesquisa foi registrada antes do indeferimento do registro da candidatura Lula, o ibope optou por confirmar junto ao TSE se está agindo de acordo com as regras, já que o nome do ex-presidente, condenado e preso, constava como opção. Para tumultuar um pouco mais, o futuro da chapa do PT, após a defesa do ex-presidente entrar com recurso junto ao STF, para disputar a eleição com base em um relatório da ONU, está nas mãos do ministro Edson Fachin, único a votar contra o indeferimento no julgamento feito no TSE, tendo como argumento justamente esse relatório. Vai ser interessante para sabermos qual será a conduta do ministro, que tem a atribuição de fazer cumprir as leis do país, e por consequência garantir sua soberania. A defesa pede para que Fachin, encaminhe o pedido para a segunda turma do STF, formada também por: Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski. Também existe a possibilidade de Fachin decidir sozinho o pedido. Vamos aguardar. As últimas notícias que tem sido divulgadas, tanto no âmbito doméstico como externamente, acabam por alimentar as ondas especulativas, seja pelo fato da “novela eleitoral” mostrar capítulos em alguma medida estarrecedores, e negativas, com às incertezas em relação ao crescimento global alimentadas pelas tensões comerciais entre Estados Unidos, China, Europa, Canadá, ou mesmo a desvalorização das moedas Turca e Argentina, que abrem questionamentos sobre se isso pode contagiar as demais economias emergentes. Vale lembrar que o momento de elevação do juro nos Estados Unidos bate à porta em setembro, enfim… O que não faltam são elementos para turbinar o sentimento de aversão a risco por parte dos investidores e a volatilidade nessa semana mais curta, devido ao feriado, e que ainda pode trazer até o fim dela novas tarifas em até USD 200 bilhões em produtos chineses, em medida que Trump está se preparando para anunciar. Fora isso, na sexta-feira sairá o payroll, relatório de empregos americano, que pode ser o acelerador que o Federal Reserve espera para normalizar sua política monetária. O Banco Central Brasileiro continua rolando vencimentos de swaps, e oferta entre 11h30 e 11h40, 10.900 contratos com essa finalidade. Rumores de que o Ministério Público denuncia Geraldo Alckmin, por improbidade administrativa, pedindo a suspensão de seus direitos políticos, podem agitar as mesas de negócios nesta manhã.

 

Na agenda interna, Com o PT inquietando o ambiente eleitoral, trazendo confusão adicional a cada dia, desrespeitando inclusive o TSE, o ibope decidiu suspender a divulgação do resultado de sua pesquisa ontem a noite. Como a pesquisa foi registrada antes do indeferimento do registro da candidatura Lula, o ibope optou por confirmar junto ao TSE se está agindo de acordo com as regras, já que o nome do ex-presidente, condenado e preso, constava como opção. Para tumultuar um pouco mais, o futuro da chapa do PT, após a defesa do ex-presidente entrar com recurso junto ao STF, para disputar a eleição com base em um relatório da ONU, está nas mãos do ministro Edson Fachin, único a votar contra o indeferimento no julgamento feito no TSE, tendo como argumento justamente esse relatório. Vai ser interessante para sabermos qual será a conduta do ministro, que tem a atribuição de fazer cumprir as leis do país, e por consequência garantir sua soberania. A defesa pede para que Fachin, encaminhe o pedido para a segunda turma do STF, formada também por: Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski. Também existe a possibilidade de Fachin decidir sozinho o pedido. As últimas notícias que tem sido divulgadas, tanto no âmbito doméstico como o externo, acabam por alimentar as ondas especulativas, seja pelo fato da “novela eleitoral” mostrar capítulos em alguma medida estarrecedores, e negativas, com às incertezas em relação ao crescimento global alimentadas pelas tensões comerciais entre Estados Unidos, China, Europa, Canadá, ou mesmo a desvalorização das moedas Turca e Argentina, que abrem questionamentos sobre se isso pode contagiar as demais economias emergentes. Vale lembrar que o momento de elevação do juro nos Estados Unidos bate à porta em setembro, enfim… O que não faltam são elementos para turbinar o sentimento de aversão a risco por parte dos investidores que observam tudo nessa semana mais curta, devido ao feriado de sexta-feira no Brasil e que ainda pode trazer até o fim dela novas tarifas em até USD 200 bilhões em produtos chineses, em medida que Trump está pronto a anunciar. Fora isso, na sexta-feira sairá o payroll, relatório de empregos americano, que pode ser o acelerador que o Federal Reserve espera para normalizar sua politica monetária, o que também pressiona os emergentes. O Banco Central Brasileiro continua rolando vencimentos de swaps, e oferta entre 11h30 e 11h40, 10.900 contratos com essa finalidade. Em caso de disfuncionalidade no mercado, com preços demasiadamente distorcidos, existe a possibilidade da instituição intervir extraordinariamente.

 

Na agenda externa, A Argentina espera que o Fundo Monetário Internacional (FMI) vote na segunda metade de setembro o pedido de adiantamento dos recursos estabelecidos em um convênio prévio, afirmou o ministro da Fazenda do país, Nicolas Dujovne, após reunião com a diretora-gerente do fundo. Com a antecipação dos 50 bilhões de dólares de financiamento que a Argentina obteve junto ao FMI, o presidente Mauricio Macri busca dar um sinal de confiança aos mercados que, apesar das medidas recentes de ajuste fiscal, ainda não deram indicações de respaldo à economia do país.

O crescimento do setor de serviços da China enfraqueceu de novo em agosto uma vez que as novas encomendas acelerou apenas ligeiramente em relação à mínima de mais de dois anos de julho.  Em agosto, o PMI de serviços do Caixin/Markit caiu a 51,5, nível mais fraco em 10 meses, de 52,8 em julho. A marca de 50 separa crescimento de contração.

A atividade empresarial da zona do euro acelerou ligeiramente no mês passado, ampliando o período de crescimento sólido, mas a guerra comercial global manteve o otimismo contido e sugere que o ritmo pode não ser mantido. O PMI Composto final do IHS Markit para a zona do euro avançou em agosto para 54,5 de 54,3 em julho, contra preliminar de 54,4.

                              

Nas Bolsas, Os principais índices acionários da China recuaram mais de 1 por cento nesta quarta-feira, com os investidores vendendo ações dos setores bancário, imobiliário e de recursos básicos em meio a novos sinais de crescimento fraco, e antes de uma provável intensificação da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. Bolsas Europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos, Balança comercial é o destaque do dia na agenda.

Panorama de Mercado 04/09/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio:  Dólar abrindo em alta no início dos negócios em linha com  comportamento da moeda no exterior. Na volta do feriado americano e também da liquidez, os mercados vão estar atentos a nova pesquisa de intenção de votos do ibope que será divulgada hoje após o encerramento dos negócios, surtindo efeitos amanhã, o que pode causar alguma cautela. Na quinta-feira será a vez do Datafolha. E aproveitando o voto contrário de Edson Fachin em relação ao indeferimento da candidatura Lula, o PT terá como estratégia, entrar com recurso junto a suprema corte baseado na decisão do subcomitê da ONU. Fato novo? Certamente que não, afinal soberania do Brasil e de suas leis deve ser respeitada. Mas, o entendimento do partido dos trabalhadores é de que quanto mais tempo esse assunto for esticado, melhor, buscando transferir votos à Haddad, que ontem foi “consultar” o ex-presidente na prisão, antes que o partido modifique sua chapa presidencial. Nesta manhã saiu a divulgação da produção industrial brasileira que registrou queda de 0,2% em julho na comparação com o mês anterior, número melhor que as projeções, que apontavam para uma queda de aproximadamente 1% para o mês. No exterior, com Argentina e Turquia enfrentado dificuldades, as moedas emergentes patinam, e o Brasil mesmo com fundamentos econômicos muito melhores do que esses países é atingido momentaneamente, porque no nosso caso se soma a vulnerabilidade eleitoral. O Banco Central Brasileiro monitora todos esses fatores e fará rolagens de vencimentos de swaps entre 11h30 e 11h40 de hoje, ofertando 10.900 contratos. Eventuais distorções no preço podem também acionar o gatilho da instituição, no sentido de evitar disfuncionalidades no mercado. Nos Estados Unidos, atenção para a divulgação do PMI industrial às 10h45, um pouco depois sai o ISM de emprego no setor manufatureiro (agosto), às 11h. Em paralelo, monitoramento às questões comerciais do país, sobretudo em relação a China.

 

 

Na agenda interna, O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo terminou agosto com avanço de 0,41 por cento, acelerando a alta de 0,23 por cento vista em julho diante da pressão dos preços de Habitação.

Na volta do feriado americano e também da liquidez, os mercados vão estar atentos a nova pesquisa de intenção de votos do ibope que será divulgada hoje após o encerramento dos negócios, surtindo efeitos amanhã, o que pode causar alguma cautela. Na quinta-feira será a vez do Datafolha. E aproveitando o voto contrário de Edson Fachin em relação ao indeferimento da candidatura Lula, o PT terá como estratégia entrar com recurso junto a suprema corte baseado na decisão do subcomitê da ONU. Fato novo? Certamente que não, afinal soberania do Brasil e de suas leis deve ser respeitada. Mas o entendimento do partido dos trabalhadores é de que quanto mais tempo esse assunto for esticado, melhor, na intenção da transferência de votos à Haddad, que ontem foi “consultar” o ex-presidente na prisão, antes que o partido modifique sua chapa presidencial. Nesta manhã saiu a divulgação da produção industrial brasileira que registrou queda de 0,2% em julho na comparação com o mês anterior, número melhor que as projeções que apontavam para uma queda de aproximadamente 1% para o mês. No exterior, com Argentina e Turquia enfrentado dificuldades, as moedas emergentes sofrem nesta terça-feira, e o Brasil mesmo com fundamentos econômicos muito melhores do que esses países acaba por ser impactado momentaneamente, porque no nosso caso se soma a vulnerabilidade eleitoral. O Banco Central Brasileiro monitora todos esses fatores e fará rolagens de vencimentos de swaps entre 11h30 e 11h40 de hoje, ofertando 10.900 contratos. Eventuais distorções no preço podem também acionar o gatilho da instituição, no sentido de evitar disfuncionalidades no mercado. Nos Estados Unidos, atenção para a divulgação do PMI industrial às 10h45, um pouco depois sai o ISM de emprego no setor manufatureiro (agosto), às 11h.

 

 

Na agenda externa, A China substituirá quase inteiramente suas importações de soja dos Estados Unidos por grãos brasileiros e de outras origens na próxima temporada, mas poderá ficar sem a oleaginosa no início de 2019.

 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses interromperam cinco dias consecutivo de perdas nesta terça-feira com os investidores buscando barganhas nos setores imobiliário e bancário, embora a ameaça das tarifas norte-americanas sobre 200 bilhões de dólares em importações de produtos chineses ainda preocupasse os mercados. Bolsas Europeias em alta.

 

 

Nos Estados Unidos, O PMI industrial será divulgado às 10h45, um pouco depois sai o ISM de emprego no setor manufatureiro (agosto), às 11h.

 

Fonte: Reuters, RosaRiscala.

Panorama de Mercado 03/09/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

No mercado de câmbio:  Dólar abrindo em forte alta no início dos negócios. E como esperado, a candidatura de Lula teve seu registro indeferido por 6 x 1, com Edson Fachin se destacando de forma negativa pelo voto contrário baseado em recomendação de subcomitê da ONU, quem diria…Já o PT continua dizendo na TV que lutará para que Lula dispute a eleição, inclusive mostrando vídeos gravados antes da prisão, tentando manter o foco no ex-presidente e seu potencial em transferir votos à Fernando Haddad que vai a Curitiba consultar Lula sobre os próximos passos que serão tomados. Várias ações no TSE contra a propaganda irregular do partido dos trabalhadores foram impetradas. E Temer deve encaminhar hoje ao STF manifestação contrária à prisão em segunda instância. Sério? O mês de setembro se inicia com os agentes já sabendo que o Banco Central Brasileiro, mesmo não defendendo um teto para a moeda, tende a não aceitar a volatilidade/distorção exagerada nas cotações, estando atento para atuar no sentido de conter esse movimento. Hoje o boletim Focus do Banco Central  trouxe as seguintes estimativas para o final de 2018: IPCA: 4,16%, PIB: 1,44%, USD: 3,80 e SELIC: 6,50%. No exterior, feriado do dia do trabalho nos Estados Unidos, mesmo assim, a Casa Branca deu ao Canadá até o final dessa semana para se unir ao acordo preliminar com o México ou correr o risco de ser deixado de fora, com Trump alertando o congresso americano a não se intrometer nas negociações comerciais, ou ele encerraria o pacto trilateral por entender que o livre comércio na região é injusto. Em relação a China, a rodada de tarifas em até USD 200 Bilhões em produtos chineses pode acontecer até o final dessa semana com os chineses se dizendo prontos para retaliar. Enquanto isso, os mercados digerem dados sobre a atividade industrial da China que cresceu no ritmo mais lento em mais de um ano em agosto, com as encomendas para exportação encolhendo pelo quinto mês e as empresas reduzindo o número de funcionários. O resultado reforça as visões de desaceleração da economia chinesa nos próximos meses, conforme os Estados Unidos ampliam a ofensiva. Outra notícia que saiu a pouco foi a de que a expansão da indústria da zona do euro desacelerou para minima em quase dois anos em agosto, com a escalada dos temores de uma guerra comercial global. Durante a semana, atenção às pesquisas eleitorais no Brasil, e, o relatório mensal de empregos nos Estados Unidos é o destaque, todavia, a notícia sairá no feriado nacional de 7 de Setembro. Hoje, entre 11h30 e 11h40, o Banco Central Brasileiro, realiza rolagens de vencimentos de swaps ofertando 10.900 contratos para essa finalidade.  

 

Na agenda interna, Manchetes relacionadas ao comércio continuarão a mobilizar os ânimos do mercado na semana que se inicia, já que investidores estarão de olho em mais acontecimentos na atual disputa comercial entre os EUA e seus principais parceiros comerciais. Os temores relativos à guerra comercial estão em ebulição há meses, com investidores preocupados com as perspectivas de que uma nova escalada nas tensões tenha impacto no crescimento econômico. Além da retórica comercial, o relatório mensal de empregos nos EUA, que deve permanecer em território consistente com o fortalecimento do mercado de trabalho, será o destaque da semana mais curta. Enquanto isso, os mercados digerem dados sobre a atividade industrial da China que cresceu no ritmo mais lento em mais de um ano em agosto, com as encomendas para exportação encolhendo pelo quinto mês e as empresas reduzindo o número de funcionários. O resultado reforça as visões de desaceleração da economia chinesa nos próximos meses, conforme os Estados Unidos ampliam as tarifas sobre os produtos da China. O PMI de indústria do Caixin/Markit caiu a 50,6 em agosto ante 50,8 em julho. Embora o indicador tenha permanecido acima da marca de 50 que separa crescimento de contração pelo 15º mês seguido, foi o resultado mais fraco desde junho de 2017. A produção mostrou ligeira melhora, mas a maioria dos subíndices restantes foi fraco.

E como esperado, a candidatura de Lula teve seu registro indeferido por 6 x 1, com Edson Fachin se destacando de forma negativa pelo voto contrário baseado em recomendação de subcomitê da ONU, quem diria…Já o PT continua dizendo na TV que lutará para que Lula dispute a eleição, inclusive mostrando vídeos gravados antes da prisão, tentando manter o foco no ex-presidente e seu potencial em transferir votos à Fernando Haddad que vai a Curitiba consultar Lula sobre os próximos passos que serão tomados. Várias ações no TSE contra a propaganda irregular do partido dos trabalhadores foram impetradas. E Temer deve encaminhar hoje ao STF manifestação contrária à prisão em segunda instância. Sério? O mês de setembro se inicia com os agentes já sabendo que o Banco Central Brasileiro, mesmo não defendendo um teto para a moeda, tende a não aceitar a volatilidade/distorção exagerada nas cotações, estando atento para atuar no sentido de conter esse movimento. Hoje o boletim Focus do Banco Central  trouxe as seguintes estimativas para o final de 2018: IPCA: 4,16%, PIB: 1,44%, USD: 3,80 e SELIC: 6,50%. No exterior, feriado do dia do trabalho nos Estados Unidos, mesmo assim, a Casa Branca deu ao Canadá até o final dessa semana para se unir ao acordo preliminar com o México ou correr o risco de ser deixado de fora, com Trump alertando o congresso americano a não se intrometer nas negociações comerciais, ou ele encerraria o pacto trilateral por entender que o livre comércio na região é injusto. Em relação a China, a rodada de tarifas em até USD 200 Bilhões em produtos chineses pode acontecer até o final dessa semana com os chineses se dizendo prontos para retaliar.

 

Na agenda externa, A expansão da indústria da zona do euro desacelerou para a mínima em quase dois anos em agosto diante da redução do otimismo devido aos crescentes temores de uma escalada da guerra comercial global. Entretanto, essa edição da pesquisa deve ser tratada com alguma cautela. Ela representa cerca de 70 por cento da amostra normal já que uma série de fábricas europeias dão uma pausa durante os meses de verão. O PMI final de indústria do IHS Markit caiu para a mínima de 21 meses de 54,6 ante 55,1 de julho.

                              

Nas Bolsas, Os mercados acionários chineses recuaram nesta segunda-feira, quando uma pesquisa mostrou que o crescimento da indústria da China desacelerou para a mínima de 14 meses em agosto. Além disso, a ameaça de novas tarifas sobre 200 bilhões de dólares de exportações chinesas para os Estados Unidos trouxe de volta ao foco do mercado os temores do impacto da guerra comercial. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou na semana passada que está pronto para adotar tarifas sobre mais 200 bilhões de dólares em importações chinesas assim que o período de consultas públicas sobre o plano acabar esta semana. Bolsas Europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos, A administração Trump deu ao Canadá até sexta-feira para se unir a um acordo preliminar realizado no início da semana com o México ou correr o risco de ser deixado de fora. O presidente dos EUA, Donald Trump, tuitou no sábado que não havia necessidade de manter o Canadá no Nafta e alertou o Congresso para não se intrometer nas negociações comerciais ou que ele encerraria completamente o pacto comercial trilateral. Legisladores norte-americanos disseram na sexta-feira que um acordo com o México pode ter dificuldades para obter a aprovação do Congresso, a menos que o Canadá também esteja incluído. O apoio dos democratas seria necessário para aprovar um acordo puramente bilateral, disseram eles. Vale lembrar que hoje é feriado do dia do trabalho nos Estados Unidos.

 

Fonte: Reuters, Rosa Riscala, Investing.com e OliviaBulla.

Panorama de Mercado 31/08/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio:  Dólar abrindo em alta no início dos negócios. Expectativa pela sessão extraordinária do TSE que a partir das 14h30 deve analisar a candidatura Lula em relação a sua participação no horário eleitoral e a inelegibilidade notória embasada pela Lei da Ficha Limpa. Porém se o Ministro Luiz Roberto Barroso conceder prazo de 5 dias à defesa para considerações finais, a definição sobre o registro do petista pode ficar para a próxima semana. O prazo para que a inelegibilidade seja decidida vai até 17 de setembro, cabendo recurso ao TSE e ao STF, com isso a estratégia do PT é manter Lula no foco o maior tempo possível na intenção de transferir seus votos ao candidato real do partido, Fernando Haddad. Os mercados vão continuar atentos às pesquisas tentando projetar um cenário para o segundo turno das eleições. Atualmente as maiores chances seriam de um embate entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad (com os votos transferidos de Lula), todavia, esse cenário ainda é incerto diante de uma eleição com muitos indecisos onde não se sabe se a propaganda eleitoral teria a mesma força de tempos atrás, afinal, as redes sociais e outros canais de comunicação estão ai e tem representatividade. Na agenda econômica brasileira, foi divulgado a pouco que o Produto Interno Bruto (PIB) do país cresceu 0,2% no segundo trimestre desse ano. Em relação ao primeiro trimestre desse ano, queda, mas em relação a projeção para o segundo trimestre, ligeira alta. Logo mais, às 10h30, sai o resultado consolidado do setor público em julho, que deve confirmar o terceiro déficit fiscal consecutivo do país. Diante do quadro atual, e após o dólar ultrapassar a marca de 4,20 ontem, o Banco Central Brasileiro agiu para interromper o movimento, minimizando exageros. Vale ressaltar que essa ação, não parece ser a de delimitar um teto para a moeda, mas sim de conter a volatilidade e melhorar liquidez, em um momento que a moeda americana também se valoriza em relação aos emergentes, enquanto Donald Trump se prepara para intensificar rapidamente a guerra comercial com a China, estando pronto para adotar tarifas sobre mais USD 200 Bilhões em importações chinesas em breve. É bom lembrar que a situação brasileira não é crítica como a argentina por exemplo, que observa a desvalorização da sua moeda, ou mesmo a turca. O Brasil dispõe de um farto colchão de reservas, e mecanismos que podem dar equilíbrio às cotações se preciso for, blindando-nos de um contágio amplo motivado pela fragilidade de outras economias emergentes. O Banco Central Brasileiro já anunciou que iniciará na próxima semana a rolagem dos swaps de outubro, algo em torno de USD 9,8 Bilhões, se manter o ritmo diário de USD 545 milhões. No encerramento de agosto, comprados e vendidos finalizam a guerra pela formação da Ptax, o que torna as cotações mais voláteis, se bem que ultimamente nem é preciso lembrar disso, mas… Nos Estados Unidos, a confiança do consumidor de Michigan às 11h, e o PMI de Chicago à 10h45 encerram a semana. E a União Europeia promete retaliação à Trump, se não houver renúncia à promessa de se abster da imposição de tarifas sobre automóveis da região, aumentando as tensões.    

 

 

 

Na agenda interna, Expectativa pela sessão extraordinária do TSE que a partir das 14h30 deve analisar a candidatura Lula em relação a sua participação no horário eleitoral e a inelegibilidade notória embasada pela Lei da Ficha Limpa. Porém se o Ministro Luiz Roberto Barroso conceder prazo de 5 dias à defesa para considerações finais, a definição sobre o registro do petista pode ficar para a próxima semana. O prazo para que a inelegibilidade seja decidida vai até 17 de setembro, cabendo recurso ao TSE e ao STF, com isso a estratégia do PT é manter Lula no foco o maior tempo possível na intenção de transferir seus votos ao candidato real do partido, Fernando Haddad. Os mercados vão continuar atentos às pesquisas tentando projetar um cenário para o segundo turno das eleições. Atualmente as maiores chances seriam de um embate entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad (com os votos transferidos de Lula), todavia, esse cenário ainda é incerto diante de uma eleição com muitos indecisos onde não se sabe se a propaganda eleitoral teria a mesma força de tempos atrás, afinal, as redes sociais e outros canais de comunicação estão ai e tem representatividade. Na agenda econômica brasileira, foi divulgado a pouco que o Produto Interno Bruto (PIB) do país cresceu 0,2% no segundo trimestre desse ano. Em relação ao primeiro trimestre desse ano, queda, mas em relação a projeção para o segundo trimestre, ligeira alta. Logo mais, às 10h30, sai o resultado consolidado do setor público em julho, que deve confirmar o terceiro déficit fiscal consecutivo do país. Diante do quadro atual, e após o dólar ultrapassar a marca de 4,20 ontem, o Banco Central Brasileiro agiu para interromper o movimento, minimizando exageros. Vale ressaltar que essa ação, não parece ser a de delimitar um teto para a moeda, mas sim de conter a volatilidade e melhorar liquidez, em um momento que a moeda americana também se valoriza em relação aos emergentes, enquanto Donald Trump se prepara para intensificar rapidamente a guerra comercial com a China, estando pronto para adotar tarifas sobre mais USD 200 Bilhões em importações chinesas em breve. É bom lembrar que a situação brasileira não é critica como a argentina por exemplo, que observa a desvalorização da sua moeda, ou mesmo a turca. O Brasil dispõe de um farto colchão de reservas, e mecanismos que podem dar equilíbrio às cotações se preciso for, blindando-nos de um contágio amplo motivado pela fragilidade de outras economias emergentes. O Banco Central Brasileiro já anunciou que iniciará na próxima semana a rolagem dos swaps de outubro, algo em torno de USD 9,8 Bilhões, se manter o ritmo diário de USD 545 milhões. No encerramento de agosto, comprados e vendidos finalizam a guerra pela formação da Ptax, o que torna as cotações mais voláteis, se bem que ultimamente nem é preciso lembrar disso, mas… Nos Estados Unidos, a confiança do consumidor de Michigan às 11h, e o PMI de Chicago à 10h45 encerram a semana. E a União Europeia promete retaliação à Trump, se não houver renúncia à promessa de se abster da imposição de tarifas sobre automóveis da região, aumentando as tensões.    

 

 

Na agenda externa, A União Europeia responderá da mesma forma se o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, renunciar à promessa de se abster da imposição de tarifas sobre automóveis da região, disse o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, enquanto as tensões comerciais entre a Europa e os Estados Unidos aumentavam novamente.

 

 

                              

Nas Bolsas, Os principais índices acionários da China fecharam em queda nesta sexta-feira com a renovação dos temores de guerra comercial e apesar de novos fluxos de moeda estrangeira antes da segunda etapa de inclusão da China no MSCI na segunda-feira. O sentimento no mercado foi afetado por notícia de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está preparado para intensificar rapidamente a guerra comercial com a China e afirmou a seus assessores que está pronto para adotar tarifas sobre mais 200 bilhões de dólares em importações chinesas assim que o período de consulta pública sobre o plano acabar na próxima semana. Bolsas Europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos, PMI de Chicago e a confiança do consumidor de Michigan, encerram a semana.

 

Fonte: Reuters, RosaRiscala e OliviaBulla.

Panorama de Mercado 30/08/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio:  Dólar abrindo em alta no início dos negócios. Se por um lado o TSE decidiu marcar para amanhã, sessão extraordinária, para debater sobre a  impugnação do registro da candidatura de Lula e impedir sua participação na propaganda eleitoral, por outro, uma pesquisa de intenção de voto do DataPoder360 de hoje trouxe liderança do ex-presidente, condenado e preso, com 30% de apoio, e também o colocou com potencial de transferência de votos à Haddad na casa dos 25% que votariam com certeza em um candidato indicado por Lula, sem contar outros 17% que “poderiam votar”. Se esses números forem reais, a chance do candidato do PT chegar ao segundo turno são grandes. Triste perspectiva para o mercado financeiro, que trabalha em um ambiente de alta volatilidade, pressão e especulação com o atual cenário eleitoral. Para ajudar, o presidente Temer decidiu conceder aumento de salários ao STF, mas, a Secretaria da Fazenda diz estar preparada para essas discussões sobre “escolha de alocação de recursos”, se referindo ao teto dos gastos e a meta de déficit primário. Falando nisso, as contas do governo central saem às 14h30, com perspectiva que julho aponte o terceiro mês seguido de déficit fiscal, em torno de R$ 8 Bilhões. Isso apenas confirma que o próximo presidente terá muito trabalho pela frente. O Banco Central Brasileiro, fará rolagens de swaps para 4.300 contratos entre 11h30 e 11h40. No exterior, os Estados Unidos informaram a pouco que os gastos dos consumidores subiram solidamente em julho, denotando um forte crescimento econômico no início do terceiro trimestre do ano, enquanto a inflação atingiu a meta de 2% pela terceira vez. Já os pedidos de auxílio desemprego, subiram para 213 mil na semana passada, número considerado abaixo das projeções, ou seja, o mercado de trabalho continua forte.

 

 

Na agenda interna, A secretária-executiva do Ministério da Fazenda, Ana Paula Vescovi, afirmou que o ajuste fiscal será feito mesmo com a decisão do presidente Michel Temer de conceder aumento de salários ao Supremo Tribunal Federal e não adiar o reajuste dos servidores públicos, acrescentando que o governo enviará em breve um Orçamento ao Congresso prevendo estas despesas maiores. Perguntada se tais decisões desmoralizam o discurso do governo de contenção de despesas, Vescovi afirmou que as regras estabelecidas, como o teto e a meta de déficit primário balizam "essas discussões sobre escolhas da alocação de recursos".

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera a corrida presidencial com 30 por cento de apoio, contra 21 por cento do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, de acordo com pesquisa de intenção de voto do DataPoder360 que não trouxe um cenário sem o petista, mas mostrou o potencial de um possível candidato apoiado por ele. Ao questionar se o eleitor “votaria com certeza”, “poderia votar” ou “não votaria de jeito nenhum” em cada um dos principais candidatos, o levantamento apontou um chamado “potencial de voto”. Nesse panorama, o maior potencial de voto aparece para um “candidato apoiado por Lula” sem nome definido, com 25 por cento de “votaria com certeza” e 17 por cento de “poderia votar”.

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) acelerou a alta a 0,70 por cento em agosto após avanço de 0,51 por cento no mês anterior, com a forte pressão dos preços dos agropecuários no atacado compensando o alívio no varejo.

 

 

Na agenda externa,  A China afirmou que as questões comerciais com os Estados Unidos só podem ser resolvidas através de discussões baseadas na igualdade, e continuará com a abertura de sua economia independentemente das ações dos EUA. Pequim está acelerando os gastos com infraestrutura e oferecendo ajuda a pequenas empresas, à medida que a economia da China esfria e as tensões comerciais dos EUA se intensificam. Nesse sentido, o país pretende adotar novas medidas, que incluem cortes de impostos, e redução dos custos para as empresas neste ano em mais 45 bilhões de iuanes (6,59 bilhões de dólares).

 

                              

Nas Bolsas, Os principais índices acionários chineses recuaram nesta quinta-feira, registrando a terceira sessão consecutiva de perdas, com a persistência das preocupações sobre a saúde econômica do país em meio à disputa comercial com os Estados Unidos. Bolsas Europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos, O presidente Donald Trump, assinou declarações que permitem o alívio das cotas de importação de aço e alumínio de alguns países, inclusive o Brasil, informou o Departamento de Comércio dos EUA.

 

Fonte: Reuters, RosaRiscala e OliviaBulla.

Panorama de Mercado 29/08/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio:  Dólar abrindo em leve alta no início dos negócios. Enquanto acompanha à sabatina dos presidenciáveis em rede de TV nas noites dessa semana, os mercados monitoram todas as pesquisas de intenção de votos. Se elas corresponderem ao quadro real, ainda trazem alto teor de incertezas quanto ao segundo turno, elevando a chance de um candidato não comprometido com as reformas e equilíbrio fiscal chegar a disputa final. Portanto a expectativa recai sobre a possibilidade da propaganda eleitoral modificar esse panorama. Com a disputa em aberto, a cautela por parte dos investidores se prende ao fato da maioria deles não querer se expor ao risco enquanto o cenário não ficar mais claro.  O Banco Central Brasileiro continua rolando vencimentos de swaps, e oferta 4.800 contratos com essa finalidade entre 11h30 e 11h40.  A instituição também anunciou que ofertará até USD 2,15 Bilhões em operação de venda da moeda com compromisso de recompra (leilão de linha) entre 12h15 e 12h35 de hoje, na intenção de minimizar os impactos que a atual situação impõe. No exterior, a economia dos Estados Unidos continua demonstrando expansão. A pouco foi divulgado que o PIB trimestral do país, acelerou a 4,2%, e que os gastos dos consumidores continuaram fortes no início do terceiro trimestre, porém, o mercado imobiliário continua derrapando. É improvável que esse crescimento forte do segundo trimestre continue sustentável, em meio às questões comerciais que o país tem enfrentado. Vendas pendentes de moradias, às 11h, encerram a agenda americana desta quarta-feira. Quanto a China, a agência de planejamento estatal informou que a economia do país enfrentará riscos elevados no segundo semestre, no momento em que as tensões comerciais com os Estados Unidos se intensificam. Na França, a economia cresceu 0,2%  no segundo trimestre, mesmo ritmo dos três meses anteriores.

 

Na agenda interna, As expectativas dos empresários para os próximos meses melhorou e a confiança do setor de serviços apurada pela Fundação Getulio Vargas (FGV) atingiu em agosto o nível mais alto em quatro meses, apontando para uma recuperação moderada na atividade. Os dados divulgados mostraram que o Índice de Confiança de Serviços (ICS) registrou em agosto alta de 1,5 ponto e foi a 89,0 pontos, segunda alta seguida e maior patamar desde abril. Às 12h30 saem os dados sobre entrada e saída de dólares do país até a semana passada.

 

Na agenda externa, A economia da China enfrenta riscos elevados no segundo semestre do ano e as autoridades precisam intensificar os esforços para atingir as metas de desenvolvimento, alertou o chefe da agência de planejamento estatal no momento em que as tensões comerciais com os Estados Unidos se intensificam. Pressionada pelos crescentes custos de financiamento, a economia da China já começou a esfriar mesmo antes da intensificação da disputa comercial com Washington, com o crescimento do investimento em mínima recorde e os consumidores mostrando maior cautela em relação aos gastos. Pequim está acelerando os gastos em infraestrutura e oferecendo ajuda a empresas menores para impedir uma desaceleração mais profunda, embora as autoridades estejam cientes do aumento da dívida.

A economia da França cresceu 0,2 por cento no segundo trimestre, mesmo ritmo dos três meses anteriores. Os gastos das famílias recuaram 0,1 por cento, enquanto o aumento de 1 por cento nas importações superaram o crescimento de 0,2 por cento nas exportações.

 

                              

Nas Bolsas, O mercado acionário chinês fechou em queda nesta quarta-feira, depois que o órgão de planejamento estatal do país alertou para mais riscos ao crescimento no segundo semestre de 2018. Bolsas Europeias operando com desempenhos mistos.

 

Nos Estados Unidos, A agenda reserva dados sobre o PIB trimestral no começo da manhã e, as vendas pendentes de moradias às 11h. E indicado por Donald Trump, Richard Clarida é confirmado pelo Senado americano como vice-presidente do Federal Reserve.

 

Fonte: Reuters

Panorama de Mercado 28/08/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

No mercado de câmbio:  Dólar abrindo em alta no início dos negócios. Descolado do exterior onde o dólar perde força até o momento, os mercados continuam operando com alto grau de volatilidade enquanto o país vive período eleitoral recheado de incertezas, com os candidatos ainda sem conseguir convencer os eleitores indecisos. Com o início da propaganda eleitoral, espera-se que esse quadro seja modificado e um horizonte melhor se configure, e nesse quesito, para o mercado financeiro, as fichas recaem sobre propostas comprometidas com o equilíbrio fiscal e as reformas. Em não sendo esse o perfil que consiga se sobressair, o nervosismo tende a subir, juntamente com as especulações.  Nesta manhã foi divulgado que a confiança da indústria voltou a cair em agosto devido às incertezas internas e externas. No exterior, o anúncio de que o México e os Estados Unidos chegaram a um acordo sobre questões do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio, dão algum ânimo de que o mesmo caminho pode ser tomado em relação às tensões Estados Unidos/China, o que na realidade ainda está longe de acontecer, tendo em vista que os países iniciam formalmente uma disputa na Organização Mundial do Comércio (OMC), onde a China denunciou os EUA pela nova rodada de tarifas em seus produtos. Na agenda americana de hoje temos a divulgação da confiança do consumidor em agosto, às 11h. O Banco Central Brasileiro continua rolando vencimentos de swaps e oferta 4.800 contratos com essa finalidade entre 11h30 e 11h40.

 

Na agenda interna, A confiança da indústria brasileira voltou a cair em agosto após apresentar estabilidade no mês anterior e foi ao nível mais baixo desde janeiro devido às incertezas internas e externas. Com queda de 0,4 ponto, o Índice da Confiança da Indústria (ICI) foi a 99,7 pontos neste mês, indo abaixo da marca de 100 pontos, considerada nível neutro, pela primeira vez desde os 99,4 pontos de janeiro.

 

Na agenda externa, Os EUA e o México concordaram ontem em reformular o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês), pressionando o Canadá a concordar com os novos termos sobre o comércio de automóveis e outras questões para continuar fazendo parte do pacto.

A China denunciou formalmente os Estados Unidos na Organização Mundial do Comércio (OMC) pela nova rodada de tarifas americanas sobre US$ 16 bilhões em produtos chineses. A OMC informou que a China pediu a realização de consultas com os EUA sobre esta segunda rodada de tarifas, iniciando formalmente uma disputa junto a OMC.

                              

Nas Bolsas, Os mercados acionários chineses fecharam em leve queda nesta terça-feira, com os investidores dando uma pausa para respirar depois dos fortes ganhos da sessão anterior. Bolsas Europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, O presidente Donald Trump, confirmou que o México e os EUA chegaram a um acordo bilateral sobre questões na renegociação do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês). Trump indicou que o acordo com o México está em vigor e observou que as discussões ainda não começaram com o Canadá. Na agenda, a confiança do consumidor (agosto) às 11h é o destaque do dia.

 

Fonte: Reuters

Panorama de Mercado 27/08/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio:  Dólar abrindo em baixa no início dos negócios. Em semana recheada de notícias importantes atenção para a sabatina que os presidenciáveis terão a partir desta noite no Jornal Nacional. A capacidade de cada um em conseguir apoio sobretudo do eleitor indeciso é fundamental neste momento de tantas incertezas eleitorais. Por outro lado a possibilidade do ex-presidente Lula aparecer na propaganda eleitoral que começa ao final desta semana, mesmo condenado e preso, traz expectativa enquanto a impugnação de sua candidatura é arrastada pelo TSE que tende a julgar os pedidos no começo do mês que vem, dando tempo ao PT para capitalizar votos transferíveis a Fernando Haddad, candidato de fato do partido. Vale lembrar que políticas populistas em nada contribuem para que o ambiente de negócios se acalme, resumindo, o quadro de alta volatilidade continuará. Na agenda doméstica destaque para o PIB do segundo trimestre que sairá na sexta-feira, que provavelmente trará consigo o impacto da greve dos caminhoneiros. Hoje saem às 10h30 dados sobre as contas externas do Brasil. E o Banco Central Brasileiro continua rolando vencimentos de swaps, ofertando 4.800 contratos com essa finalidade entre 11h30 e 11h40. Nesta manhã saiu o boletim Focus com as estimativas para o final de 2018: IPCA: 4,17%, SELIC: 6,50%, USD: 3,75 e PIB: 1,47%, demonstrando elevação nas projeções para IPCA e USD, e queda do PIB. No exterior, ênfase para inflação do PCE de julho nos Estados Unidos, quinta-feira, mas antes disso, atenção para a confiança do consumidor amanhã e o PIB no segundo trimestre americano que sairá na quarta-feira. Já na zona do euro, CPI de agosto na sexta-feira, e durante a semana teremos ainda inflação na Alemanha, quinta-feira, e, PIB da França na quarta-feira como destaques. São pontos importantes de observação para se relativizar os impactos das tensões comerciais atuais, e as questões de inflação nos Estados Unidos em tempos que o Federal Reserve é pressionado a uma mudança de rota monetária pela Casa Branca, que podem alterar o plano da instituição em dezembro próximo. A verificar.  O iuan encerrou a segunda-feira na máxima em quase quatro semanas em relação ao dólar depois que o banco central retomou um "fator contracíclico" em sua determinação diária da cotação para sustentar a moeda, interrompendo o recorde de 10 semanas de quedas que afetou os mercados globais. O anúncio foi considerado como o mais recente sinal do Banco do Povo da China de que ele não está confortável com mais depreciações de sua moeda que poderiam provocar fuga de capital da economia. 

 

Na agenda interna, O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo desacelerou a alta a 037 por cento na terceira quadrissemana de agosto, contra 0,47 por cento na segunda leitura do mês. O IPC-Fipe mede as variações quadrissemanais dos preços às famílias paulistanas com renda mensal entre 1 e 10 salários mínimos.

 

Na agenda externa, O iuan encerrou a segunda-feira na máxima em quase quatro semanas em relação ao dólar depois que o banco central retomou um "fator contracíclico" em sua determinação diária da cotação para sustentar a moeda, interrompendo o recorde de 10 semanas de quedas que afetou os mercados globais e irritou Washington.

 

                              

Nas Bolsas, Os mercados acionários da China atingiram a máxima de duas semanas nesta segunda-feira, impulsionados pelo iuan mais forte depois que um ajuste na maneira como o banco central gerencia a moeda impulsionou as ações de companhias aéreas e outras empresas com forte exposição ao dólar. Bolsas Europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, sem notícias relevantes.

 

Fonte: Reuters, OliviaBulla e RosaRiscala.

Panorama de Mercado 24/08/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

No mercado de câmbio:  Dólar abrindo em baixa no início dos negócios acompanhando o movimento externo e a espera do depoimento de Jerome Powell. A semana se encerra com atenções voltadas para a cidade de Jackson Hole, onde o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, discursa às 11h. Uma série de assuntos importantes para o mercado vão ser monitorados, ênfase, para política monetária, após pressão da Casa Branca para que o FED não eleve o juro do país, em novo movimento aguardado para setembro, tensões comerciais entre Estados Unidos e China, que desde o início de julho já adotaram tarifas sobre um total somado de USD 100 bilhões em bens, podendo afetar o crescimento global e também para saber se a crise comercial pode frear o ímpeto do FED em continuar com seu processo de elevação monetária. São temas relevantes e que podem redirecionar rotas caso necessário. Se Powell decidir afastar-se de polêmicas com Trump, pode não responder de forma clara algumas perguntas, por exemplo, a questão do juro. A reunião de dois dias entre China e Estados Unidos, não trouxe avanços como esperado pelo governo americano. Por aqui, a sangria da espera pela impugnação da candidatura Lula continua, e ao que parece seu julgamento pode acontecer em setembro, após o início da propaganda eleitoral, situação no mínimo estranha, mas que faz com que o ex-presidente continue na mídia buscando capitalizar para o PT a transferência de votos ao candidato de fato do partido, Fernando Haddad. Ainda assim existe uma chance dele ser julgado antes do início da propaganda caso o Ministro Barroso leve ao plenário do TSE, no dia 30 deste mês, o seu parecer de impugnação do petista. Vale lembrar que a propaganda eleitoral começa no próximo dia 31. Vamos esperar por novos desdobramentos. E o Banco Central Brasileiro realiza rolagens de vencimentos de Swaps a partir das 11h30 às 11h40 para 4.800 contratos. Nesta manhã foi divulgado que a confiança do comércio no Brasil melhorou em agosto, já a dos consumidores piorou no mesmo mês. Nos Estados Unidos, saiu a pouco a notícias de que os pedidos de bens duráveis recuaram em julho.

 

Na agenda interna, A confiança do comércio no Brasil voltou a melhorar em agosto após quatro recuos seguidos diante da melhora das expectativas. Com alta de 1,1 ponto, o Índice de Confiança do Comércio (Icom) foi a 89,9 pontos neste mês.

A recuperação lenta do mercado de trabalho e as incertezas deixaram os consumidores brasileiros cautelosos e a confiança voltou a piorar em agosto. O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) recuou 0,4 ponto em agosto ante o mês anterior para 83,8 pontos, depois de ter interrompido em julho série de três quedas seguidas.

A semana se encerra com atenções voltadas para a cidade de Jackson Hole, onde o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, discursa às 11h. Uma série de assuntos importantes para o mercado vão ser monitorados, ênfase, para política monetária, após pressão da Casa Branca para que o FED não eleve o juro do país, em novo movimento aguardado para setembro, tensões comerciais entre Estados Unidos e China, que desde o início de julho já adotaram tarifas sobre um total somado de USD 100 bilhões em bens, podendo afetar o crescimento global e também para saber se a crise comercial pode frear o ímpeto do FED em continuar com seu processo de elevação monetária. São temas relevantes e que podem redirecionar rotas caso necessário. Se Powell decidir afastar-se de polêmicas com Trump, pode não responder de forma clara alguns temas, por exemplo, a questão do juro. Por aqui, a sangria da espera pela impugnação da candidatura Lula continua, e ao que parece seu julgamento pode acontecer em setembro, após o início da propaganda eleitoral, situação no mínimo estranha, mas que faz com que o ex-presidente continue na mídia buscando capitalizar para o PT a transferência de votos para o candidato de fato do partido, Fernando Haddad. Vamos esperar por novos desdobramentos.

 

 

Na agenda externa, Todos os setores da economia alemã cresceram no segundo trimestre, com a forte atividade doméstica ajudando a aliviar os riscos às exportações provenientes das incertezas no cenário comercial global. Os dados divulgados pela Agência Federal de Estatísticas confirmaram a estimativa preliminar de crescimento de 0,5 por cento no segundo trimestre sobre os três meses anteriores, bem como a segurança da maior economia da Europa em seus motores domésticos.

A China continuará a responder aos Estados Unidos conforme mais tarifas comerciais forem impostas pelos norte-americanos, mas suas contramedidas serão adotadas de forma a evitar danos a empresas na China, sejam elas locais ou estrangeiras, disse o ministro das Finanças, Liu Kun. Ele explicou que o governo chinês irá aumentar os gastos para dar apoio aos trabalhadores e desempregados que forem afetados pelo conflito comercial, e prevê o aumento da emissão de títulos por governos locais para investimento em infraestrutura neste ano, superando a marca de 1 trilhão de iuanes (145,48 bilhões de dólares) até o final do trimestre atual. O conflito comercial se intensificou ontem, quando os EUA e a China adotaram mais tarifas sobre produtos um do outro. Desde o início de julho, as duas maiores economias do mundo adotaram tarifas sobre um total somado de 100 bilhões de dólares em bens.

 

                              

Nas Bolsas, O mercado acionário da China fechou em leve alta nesta sexta-feira, impulsionado pela força nas ações do setor bancário. Autoridades norte-americanas e chinesas encerraram dois dias de negociações no dia anterior sem qualquer avanço. Enquanto isso, a guerra comercial entre os dois países se intensificou com a ativação de outra rodada de tarifas sobre o equivalente a 16 bilhões de dólares em bens de cada país. Bolsas Europeias em leve alta.

 

Nos Estados Unidos, Pedidos de bens duráveis encerram a agenda da semana.

 

Fonte: Reuters e OliviaBulla.

Panorama de Mercado 23/08/2018

0

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio:  Dólar abrindo em alta no início dos negócios em linha com o comportamento externo. O cenário de volatilidade exacerbada continua desafiando o Banco Central Brasileiro que, ao perceber que o movimento atual nada tem a ver com falta de liquidez, mantém sua postura pragmática, sem realizar intervenções extraordinárias, observando o câmbio flutuar livremente. Se em dado momento a instituição entender que o fator especulativo ancorado em projeções eleitorais for demasiado e sem fundamentos, acarretando em anormalidade de preço, a ação extraordinária tende a se confirmar. De pronto, passamos por alguns dias onde o mercado brasileiro operou descolado do exterior, que também se vê em um momento de algumas incertezas, não só do ponto de vista de disputas comerciais e crescimento global, como também dos Bancos Centrais em período de transição de suas políticas monetárias, lideradas pelo BC Americano, preparado para novo aumento do juro em setembro. O FED vem mantendo sua independência em meio à pressão da Casa Branca por uma mudança de ritmo na política monetária. Já em relação a dezembro a leitura ainda é de que nova alta prevalecerá, contudo, com a disputa comercial que o país trava sobretudo com a China, se prolongada, poderia afetar o quadro de contratação de empresas americanas e também os consumidores enfrentariam preços mais altos nas importações. Trump elevou as tarifas sobre as importações de vários países, incluindo a China e membros da União Européia, provocando tarifas retaliatórias sobre as exportações dos EUA, o que pode reduzir o poder de compra das famílias americanas. Esses riscos continuam a gerar incertezas na visão dos membros do FED, e por isso, atenção para as declarações que serão feitas amanhã pelo presidente da instituição, Jerome Powell, que podem esclarecer se de fato a guerra comercial teria o poder de interromper o ciclo de alta do juro no país mais adiante. Hoje, nos Estados Unidos, às 10h45 saem os números do PMI composto – Industrial/Serviços e um pouco antes os pedidos por auxílio desemprego. Já às 11h atenção para dados do setor imobiliário do país, saindo as vendas de novas casas em julho. Vale lembrar que esse setor andou derrapando em suas últimas leituras. Voltando ao Brasil, saiu a pouco que a prévia da inflação oficial, o IPCA-15, desacelerou 0,64% em julho para 0,13% em agosto e o BCB continua realizando rolagens de vencimentos de swaps, ofertando 4.800 contratos entre 11h30 e 11h40 para essa finalidade.

 

 

Na agenda interna, o cenário de volatilidade exacerbada continua desafiando a paciência do Banco Central Brasileiro que, ao perceber que o movimento atual nada tem a ver com falta de liquidez, mantém sua postura pragmática, sem realizar intervenções extraordinárias, observando o câmbio flutuar livremente. Se em dado momento a instituição entender que o fator especulativo ancorado em projeções eleitorais for demasiado e sem fundamentos, acarretando em anormalidade de preço, a ação extraordinária tende a se confirmar. De pronto, passamos por alguns dias onde o mercado brasileiro operou descolado do exterior, que também se vê em um momento de algumas incertezas, não só do ponto de vista de disputas comerciais e crescimento global, como também dos Bancos Centrais em período de transição de suas políticas monetárias, lideradas pelo BC Americano, preparado para novo aumento do juro em setembro. O FED vem mantendo sua independência em meio à pressão da Casa Branca por uma mudança de ritmo na política monetária. Já em relação a dezembro a leitura ainda é de que nova alta prevalecerá, contudo, com a disputa comercial que o país trava sobretudo com a China, se prolongada, poderia afetar o quadro de contratação de empresas americanas e também os consumidores enfrentariam preços mais altos nas importações. Trump elevou as tarifas sobre as importações de vários países, incluindo a China e membros da União Européia, provocando tarifas retaliatórias sobre as exportações dos EUA, o que pode reduzir o poder de compra das famílias americanas. Esses riscos continuam a gerar incertezas na visão dos membros do FED, e por isso, atenção para as declarações que serão feitas amanhã pelo presidente da instituição, Jerome Powell, que podem esclarecer se de fato a guerra comercial teria o poder de interromper o ciclo de alta do juro no país mais adiante. Hoje, nos Estados Unidos, às 10h45 saem os números do PMI composto – Industrial/Serviços e um pouco antes os pedidos por auxílio desemprego. Já às 11h atenção para dados do setor imobiliário do país, saindo as vendas de novas casas em julho. Vale lembrar que esse setor andou derrapando em suas últimas leituras. Voltando ao Brasil, saiu a pouco que a prévia da inflação oficial, o IPCA-15, desacelerou 0,64% em julho para 0,13% em agosto e o BCB continua realizando rolagens de vencimentos de swaps, ofertando 4.800 contratos entre 11h30 e 11h40 para essa finalidade.

 

 

Na agenda externa, Os Estados Unidos e a China intensificaram sua guerra comercial com a adoção de tarifas de 25 por cento sobre 16 bilhões de dólares em mercadorias um do outro, mesmo que autoridades de ambos os lados tenham retomado negociações em Washington. As duas maiores economias do mundo adotaram agora tarifas sobre um total combinado de 100 bilhões de dólares em produtos desde o início de julho, com mais por vir, ampliando os riscos ao crescimento econômico global.

O crescimento empresarial da zona do euro acelerou neste mês, embora abaixo do previsto, com as perspectivas de uma guerra comercial pesando sobre o cenário. O PMI Composto preliminar para a zona do euro avançou em agosto para 54,4 de 54,3 em julho. Sugerindo que as empresas não estão eperançosas de que haverá uma aceleração em breve, o índice de produção futura, que mede o otimismo, caiu para a mínima de quase dois anos de 61,3, ante 63,1. Já a expansão da atividade industrial desacelerou muito mais rápido do que o esperado, com o PMI do setor caindo para a mínima de 21 meses de 54,6 ante 55,1 em julho.

 

                              

Nas Bolsas, Os mercados acionários chineses fecharam em alta nesta quinta-feira enquanto o iuan enfraqueceu, com os investidores dando de ombros para as novas tarifas dos Estados Unidos e da China que marcam a mais recente intensificação da guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo. Bolsas Europeias operando com desempenhos mistos.

 

Nos Estados Unidos, A ata do FED acabou reforçando a perspectiva de novo aumento do juro em Setembro, com a instituição mantendo sua independência em meio à pressão da Casa Branca por uma mudança de ritmo na política monetária. Já em relação a dezembro a leitura ainda é de que nova alta prevalecerá, contudo, com a disputa comercial que o país trava sobretudo com a China, se prolongada, poderia afetar o quadro de contratação de empresas americanas e também os consumidores enfrentariam preços mais altos nas importações. Trump elevou as tarifas sobre as importações de vários países, incluindo a China e membros da União Européia, provocando tarifas retaliatórias sobre as exportações dos EUA, o que pode reduzir o poder de compra das famílias americanas. Esses riscos continuam a gerar incertezas na visão dos membros do FED, e por isso, atenção para as declarações que serão feitas amanhã pelo presidente da instituição, Jerome Powell, que podem esclarecer se de fato a guerra comercial teria o poder de interromper o ciclo de alta do juro no país. Hoje às 10h45 saem os números do PMI composto – Industrial/Serviços e um pouco antes os pedidos por auxílio desemprego.

 

Fonte: Reuters, RosaRiscala e Olivia Bulla.