Panorama de Mercado 05/12/2018

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  ⬇ ➖0,40%  💱 🇪🇺 EURO ⬇  ➖0,35%  🗞 .

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em baixa no início dos negócios acompanhando o desempenho externo. As movimentações do novo governo seguem acompanhadas de perto, com reuniões da equipe com as bancadas do PR e do PSDB, bem como a questão da Previdência, depois de o presidente eleito Jair Bolsonaro ter afirmado que pretende fatiar o envio de uma proposta de reforma ao Congresso Nacional, que inicialmente deve contemplar mudanças nas regras para o setor público. Certamente as agências de classificação de risco e os mercados estão atentos à forma como o novo governo conduzirá a questão da previdência. Outro tema que merece atenção é a cessão onerosa, que deve ficar para 2019, visto que travou no senado, e pode inclusive fazer com que a Câmara possa votar em caráter de urgência um repasse de 30% do fundo do pré-sal aos estados e municípios.  No Exterior, mercados americanos fechados hoje em virtude de luto pela morte de George Bush, por isso a agenda economica que seria extensa ficou para amanhã. O que sobraram foram os dados da zona do euro, onde o crescimento empresarial atingiu em novembro seu ritmo mais fraco em dois anos motivada pela desaceleração industrial, com o PMI composto cravando 52,7, ante 53,1 em outubro, e,  a China, que em seu setor de serviços cresceu ao ritmo mais forte em cinco meses, em novembro, com o PMI de serviços Caixin/Markit indo a 53,8 em novembro, de 50,8 em outubro. A atividade industrial da China cresceu ligeiramente em novembro, devido principalmente à redução de preços. De modo geral, após a inversão em parte da curva de rendimento dos títulos americanos passarem a impressão de que isso demonstre desaceleração economica do país logo a frente, e também a trégua comercial entre Estados Unidos e China não dar sinais de confiança aos investidores, a cotação da moeda passa por correção, em um dia em que a ausência de NY nos negócios pode alavancar alguma volatilidade. O Banco Central Brasileiro segue rolando vencimentos de swaps, ofertando 13.830 contratos para essa finalidade entre 11h30 e 11h40.

 

Na agenda interna, As movimentações do novo governo seguem acompanhadas de perto, com reuniões da equipe com as bancadas do PR e do PSDB, bem como a questão da Previdência, depois de o presidente eleito Jair Bolsonaro ter afirmado que pretende fatiar o envio de uma proposta de reforma ao Congresso Nacional, que inicialmente deve contemplar mudanças nas regras para o setor público. Certamente as agências de classificação de risco e os mercados estão atentos à forma como o novo governo conduzirá a questão da previdência. Outro tema que merece atenção é a cessão onerosa, que deve ficar para 2019, visto que travou no senado, e pode inclusive fazer com que a Câmara possa votar em caráter de urgência um repasse de 30% do fundo do pré-sal aos estados e municípios.  No Exterior, mercados americanos fechados hoje em virtude de luto pela morte de George Bush, por isso a agenda economica que seria extensa ficou para amanhã. O que sobraram foram os dados da zona do euro, onde o crescimento empresarial atingiu em novembro seu ritmo mais fraco em dois anos motivada pela desaceleração industrial, com o PMI composto cravando 52,7, ante 53,1 em outubro, e,  a China, que em seu setor de serviços cresceu ao ritmo mais forte em cinco meses, em novembro, com o PMI de serviços Caixin/Markit indo a 53,8 em novembro, de 50,8 em outubro. A atividade industrial da China cresceu ligeiramente em novembro, devido principalmente à redução de preços.

 

Na agenda externa, O crescimento empresarial da zona do euro atingiu em novembro o ritmo mais fraco em mais de dois anos uma vez que a desaceleração liderada pela indústria mostrou mais sinais de contaminar o setor de serviços. O PMI Composto final do IHS Markit para a zona do euro caiu a 52,7 em novembro de 53,1 em outubro, leitura mais baixa desde setembro de 2016. Já as vendas no varejo do bloco subiram 0,3% em outubro em relação ao mês anterior, todavia, os números de setembro foram revisados, de estabilidade, para -0,5%.

O setor de serviços da China cresceu o ritmo mais forte em cinco meses em novembro graças a um aumento nas novas encomendas. O PMI de serviços do Caixin/Markit subiu a 53,8 em novembro de 50,8 em outubro. A atividade industrial da China cresceu ligeiramente em novembro, devido principalmente à redução de preços.

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses recuaram nesta quarta-feira, com os investidores duvidando se a China e os Estados Unidos vão conseguir resolver sua disputa comercial antes do prazo de 90 dias, enquanto novos dados mostraram piora nas perspectivas dos negócios. O Ministério do Comércio da China disse que Pequim e Washington avançarão nas negociações comerciais nos próximos 90 dias e que está confiante de que um acordo pode ser alcançado, em meio ao crescente ceticismo de que os dois lados sejam capazes de chegar a um acordo substancial sobre uma série de questões altamente divisivas antes do prazo. O presidente dos EUA, Donald Trump, citou a possibilidade de uma prorrogação da trégua de 90 dias com a China, mas advertiu que voltaria às tarifas se os dois lados não pudessem resolver suas diferenças. Bolsas Europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos, Feriado.

Publicado por

Alessandro Faganello

Iniciando sua carreira no mercado financeiro ainda em sua adolescência e por intermédio de seu pai, passou por diversas instituições ao longo de seus 30 anos de experiência em câmbio. Na Advanced desde 2014, se tornou um dos principais formadores de opinião da Mesa de Operações. Em nossos boletins escreve com uma linguagem simples e direta para deixar você, cliente Advanced, o mais bem informado possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *