Panorama de Mercado 12/06/2019

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  ⬇ ➖0,02%  💱 🇪🇺 EURO ⬇  ➖0,10%  🗞 .

 

Ibovespa Futuro: -0,08%                  Ásia (Xangai): -0,56%

Dow Jones Futuro: -0,20%              Europa (Frankfurt): -0,40%

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em leve baixa no início dos negócios. Após ter reagido positivamente ontem à aprovação do crédito suplementar de R$ 249 bilhões na Câmara e Senado, os mercados agora seguem sua atenção para a atitude dos nobres deputados em relação à inclusão de Estados e munícipios no parecer sobre a reforma da previdência previsto para amanhã, apoiado pela grande maioria dos governadores, mas que ainda enfrenta resistências de parlamentares que não querem contrariar suas bases eleitorais. Ao que parece, os governadores não gozam de prestígio suficiente capaz de traduzir em voto esse desejo, mas, em se tratando de política, melhor aguardar, afinal, para os mercados, em se encontrando um dispositivo capaz de oferecer a economia de aproximadamente R$ 1 trilhão de reais em 10 anos, e uma solução para diluir durante esse período o grave problema fiscal enfrentado pelos Estados, a reação pode ser positiva. A conferir. A pouco foi divulgado que as vendas no varejo brasileiro cairam 0,6% em abril na comparação com o mês anterior e subiram 1,7% sobre um ano antes. E o STF deixou para o próximo dia 25, no plenário, a decisão sobre a implementação imediata da pena após condenação em segunda instância, o que pode vir a beneficiar não apenas Lula como a milhares de outros condenados e presos. Já a Petrobrás pretende investir 105 bilhões de dólares em cinco anos e desinvestir até 35 bilhões de dólares no mesmo período, segundo seu presidente, Castello Branco, em uma gestão de portfólio após o STF liberar a venda de subsidiárias de estatais sem o aval do congresso. O Ministério da Economia convocou entrevista à imprensa às 10H45, com participação de Paulo Guedes, sobre a Caixa Economica Federal. O Banco Central Brasileiro segue realizando suas rolagens de vencimentos de swaps nesta manhã. No exterior, em relação ao impasse Estados Unidos e China, ainda não foi confirmado o encontro entre os presidentes na cúpula do G20 que acontecerá ao final deste mês. Donald Trump não pretende levar adiante às negociações se os chineses não retomarem os termos que segundo os americanos já haviam sido acordados anteriormente. Os asiáticos demonstraram que a inflação ao produtor em maio desacelerou, cravando alta de 0,6% ante os 0,9% de abril, motivado pela fraqueza da indústria que afetou a demanda. Já os preços ao consumidor subiram em maio a 2,7% na comparação com o ano anterior, em movimento que tende a ser temporário. Outro dado importante veio dos Estados Unidos, esclarecendo que os preços ao consumidor em maio tiveram leve alta, indicando inflação moderada e aumentando a pressão sobre o Federal Reserve para reduzir o juro adiante.  Os preços subiram 0,1% no mês passado, ante alta de 0,3% em abril. Nos 12 meses até maio o indice avançou 1,8%, ante 1,9% em abril. O núcleo do índice, em 12 meses, sobe 2% de 2,1% em abril.

 

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬆ INDEX: 0,05%  (Comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior).

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬇  FUTURO: 0,16%    (Comportamento do Dólar Futuro para o mês de Julho).

 

Na agenda interna, A Câmara e o Senado aprovaram ontem, em sessão conjunta do Congresso Nacional, o projeto que autoriza operações de crédito de 248,9 bilhões de reais em créditos orçamentários fora da regra de ouro. A aprovação por unanimidade nas duas Casas —foram 450 votos a favor na Câmara e 61 no Senado— traduz sentimento comum a parlamentares de todos os matizes políticos, no sentido de sinalizar para a sociedade que têm responsabilidade. “Hoje o Congresso Nacional demonstra sua serenidade, tranquilidade e maturidade”, comemorou o presidente do Senado, Davi Alcolumbre. O presidente Jair Bolsonaro parabenizou no Twitter a aprovação do projeto e elogiou os parlamentares. “Parabenizo o Congresso pela consciência e responsabilidade nesta aprovação.”

A Petrobras pretende investir 105 bilhões de dólares em cinco anos e desinvestir até 35 bilhões de dólares no mesmo período, disse o presidente da companhia, Roberto Castello Branco. “Isso se chama gestão de portfólio”, afirmou o presidente da Petrobras, de acordo com informações da assessoria de imprensa da empresa. A estimativa de venda de ativos foi feita por Castello Branco após o Supremo Tribunal Federal decidir na semana passada que não é necessário o aval do Congresso para a venda de subsidiárias de estatais. Boa parte dos desinvestimentos deve ser obtida com a venda de refinarias.

E o STF deixou para o próximo dia 25, no plenário, a decisão sobre a implementação imediata da pena após condenação em segunda instância, o que pode vir a beneficiar não apenas Lula como a milhares de outros condenados e presos.

As vendas no varejo brasileiro cairam 0,6% em abril na comparação com o mês anterior e subiram 1,7% sobre um ano antes.

 

 

Na agenda externa, A inflação ao produtor da China desacelerou em maio uma vez que a fraqueza da indústria afetou a demanda, reforçando preocupações sobre o crescimento na segunda maior economia do mundo, enquanto uma alta dos preços dos alimentos pode ampliar as reclamações do consumidor sobre o custo de vida. A desaceleração foi provocada por quedas nos preços de commodities industriais e ficou em linha com a atividade industrial fraca vista em maio. Também acontece em meio à piora da disputa comercial com os Estados Unidos.

O índice de preços ao produtor da China subiu em maio 0,6% na comparação com o ano anterior, disse a Agência Nacional de Estatísticas, em linha com as expectativas de analistas e abaixo da leitura de 0,9% em abril. Em contraste, a inflação ao consumidor acelerou devido ao aumento dos preços de alimentos, que subiram no ritmo mais rápido em sete anos depois que o clima ruim afetou a produção de frutas e a febre suína africana prejudicou a oferta de carne de porco. O índice de preços ao consumidor avançou em maio 2,7% na comparação com o ano anterior, em linha com as expectativas e no ritmo mais rápido desde fevereiro de 2018.

Os preços do petróleo caem com preocupações renovadas de um excesso nos mercados globais depois que o governo americano revisou para baixo sua previsão de demanda global de petróleo neste ano em 160.000 barris por dia.

Em relação ao impasse Estados Unidos e China, ainda não foi confirmado o encontro entre os presidentes na cúpula do G20 que acontecerá ao final deste mês. Donald Trump não pretende levar adiante às negociações se os chineses não retomarem os termos que segundo os americanos já haviam sido acordados anteriormente. Os asiáticos demonstraram que a inflação ao produtor em maio desacelerou, cravando alta de 0,6% ante os 0,9% de abril, motivado pela fraqueza da indústria que afetou a demanda. Já os preços ao consumidor subiram em maio a 2,7% na comparação com o ano anterior, em movimento que tende a ser temporário.

 

                              

Nas Bolsas, Os principais índices acionários da China recuaram nesta quarta-feira após os ganhos da sessão anterior, uma vez que dados fracos de inflação ao produtor e perspectivas de intensificação na guerra comercial com os Estados Unidos afetavam o apetite por risco. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen caiu 0,76%, enquanto o índice de Xangai perdeu 0,56%. Bolsas europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos, Estoques de petróleo às 11h30 encerra a agenda do dia.

 

Fonte: Reuters.

Publicado por

Alessandro Faganello

Iniciando sua carreira no mercado financeiro ainda em sua adolescência e por intermédio de seu pai, passou por diversas instituições ao longo de seus 30 anos de experiência em câmbio. Na Advanced desde 2014, se tornou um dos principais formadores de opinião da Mesa de Operações. Em nossos boletins escreve com uma linguagem simples e direta para deixar você, cliente Advanced, o mais bem informado possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *