Panorama de Mercado 12/07/2019

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  ⬇ ➖0,05%  💱 🇪🇺 EURO ⬇  ➖0,10%  🗞.

 

Ibovespa futuro: +0,40%.             Ásia (Xangai): +0,40%.

Dow Jones Futuro:  +0,30%        Europa (Frankfurt): +0,02%

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em leve baixa no início dos negócios. O presidente do BCB, Campos Neto, afirmou que o avanço das reformas, tornará o cenário mais benigno para a inflação, destacando que a aprovação do texto-base da previdência tem importância, dando a entender que a porta para a redução da Selic na reunião do próximo dia 31 está aberta. Não só o BCB como os mercados esperam pelo término das votações dos destaques da previdência, ainda hoje, afim de projetar qual será o impacto fiscal que essas alterações terão sobre a economia nos próximos 10 anos. Além disso os agentes monitoram se a Câmara conseguirá concluir a votação em dois turnos antes do recesso parlamentar, o que pelo andar da carruagem, parece complicado, mas com um pouco de boa vontade, possível. Sobre o impacto, vaivém de apostas. Para uns, entre R$ 750 a R$ 850 bilhões, para outros entre R$ 900 a R$ 950,00 bilhões em 10 anos. A verdade mesmo, só após a finalização dos destaques, enquanto isso…férias se aproximam, para os parlamentares, o que torna o calendário apertado e traz apreensão em relação a se o segundo turno da votação ficará somente para agosto. Rodrigo Maia, deu declarações a pouco, dizendo que hoje e talvez amanhã, ou entre segunda e quarta-feira, é o prazo para que a Câmara conclua a votação, antes do recesso. A conferir. Nesta manhã, o governo vai revisar, para baixo, sua projeção para o PIB deste ano, por volta das 10H. No mais, a equipe econômica deve apresentar em breve algumas medidas adicionais de estímulos à atividade econômica, dentre elas, incentivos para saques do PIS/Pasep e FGTS, reforma dos Estados, com ênfase na revisão de autarquias, fusões, ministérios, etç. Paulo Guedes espera pela aprovação da previdência para dar sequência à agenda ministerial. No exterior, a China divulgou dados de que suas exportações cairam em junho, enquanto as importações retraíram mais do que o projetado. Já nos Estados Unidos, saiu a pouco o indice de preços ao produtor, chamado PPI,  que subiu em junho 0,1%. Na base anual, o indicador tem alta de 1,7%, mesmo assim, os agentes acreditam que o Banco Central Americano tende a reduzir o juro no próximo dia 31 em 0,25%, afinal, o presidente da instituição, Jerome Powell, manteve o discurso ontem de que os riscos crescentes para a economia derivados da guerra comercial entre o país e a China, e a desaceleração do crescimento global, serão determinantes para esse movimento.

 

 

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬇ INDEX: 0,02%  (Comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior).

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬇ FUTURO: 0,10%  (Comportamento do Dólar Futuro para o mês de Agosto).

 

 

Na agenda interna, O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que um avanço nas reformas "obviamente" torna o cenário mais benigno para a inflação, após ter destacado que a aprovação do texto-base da reforma da Previdência pela Câmara dos Deputados era um primeiro passo importante. Não só o BCB como os mercados esperam pelo término das votações dos destaques, ainda hoje, afim de projetar qual será o impacto fiscal que essas alterações terão sobre a economia nos próximos 10 anos. Além disso os agentes monitoram se a Câmara conseguirá concluir a votação em dois turnos antes do recesso parlamentar, o que pelo andar da carruagem, será complicado. Sobre o impacto, vaivém de apostas. Para uns, entre R$ 750 a R$ 850 bilhões, para outros entre R$ 900 a R$ 950,00 bilhões em 10 anos. A verdade mesmo, só após a finalização dos destaques, enquanto isso…férias se aproximam, para os parlamentares, o que torna o calendário apertado e traz apreensão em relação a se o segundo turno da votação ficará somente para agosto. A conferir. Na agenda, o governo deve revisar, para baixo, sua projeção para o PIB deste ano, por volta das 10H. No mais, a equipe econômica deve apresentar em breve algumas medidas adicionais de estímulos à atividade econômica, dentre elas, incentivos para saques do PIS/Pasep e FGTS, reforma dos Estados, com ênfase na revisão de autarquias, fusões, ministérios, etç. Paulo Guedes espera pela aprovação da previdência para dar sequência à agenda do planalto.

 

 

Na agenda externa, As exportações da China caíram em junho, quando os Estados Unidos aumentaram a pressão comercial, enquanto as importações encolheram mais do que o esperado, apontando dificuldades adicionais na segunda maior economia do mundo. As exportações caíram 1,3% em relação ao ano anterior, num desempenho melhor que a expectativa de queda de 2% de analistas consultados pela Reuters. Ainda assim, reverteram um inesperado ganho registrado em maio. As importações recuaram 7,3%, decréscimo mais acentuado do que o de 4,5% estimado em pesquisa Reuters, após contração de 8,5% em maio, sugerindo que a demanda doméstica continua fraca apesar de uma série de medidas para estimular o crescimento econômico desde o ano passado. Com isso, a China registrou superávit comercial de 50,98 bilhões de dólares no mês passado, ante saldo positivo de 41,66 bilhões de dólares em maio. Analistas previam sobra de 44,65 bilhões de dólares para junho.

O Banco Central Europeu (BCE) precisará adotar novas medidas expansionistas se a economia da zona do euro não se recuperar e considerará suas opções "nas próximas semanas", disse o membro do conselho do banco central Ignazio Visco. Suas palavras podem alimentar expectativas de que o BCE afrouxará sua política monetária nas reuniões de 25 de julho ou em setembro.

 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários chineses encerraram em alta nesta sexta-feira, pouco antes da divulgação de uma série de dados econômicos e acompanhando os ganhos de Wall Street no dia anterior, que foram impulsionados pelas expectativas de redução da taxa de juros, mas os principais índices domésticos fecharam a semana em queda. O índice CSI300 que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 0,6%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,4% por cento. Bolsas europeias próximas a estabilidade.

 

Nos Estados Unidos, O índice de preços ao produtor é o destaque nesse encerramento de semana.

 

Fonte: Reuters.

Publicado por

Alessandro Faganello

Iniciando sua carreira no mercado financeiro ainda em sua adolescência e por intermédio de seu pai, passou por diversas instituições ao longo de seus 30 anos de experiência em câmbio. Na Advanced desde 2014, se tornou um dos principais formadores de opinião da Mesa de Operações. Em nossos boletins escreve com uma linguagem simples e direta para deixar você, cliente Advanced, o mais bem informado possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *