Panorama de Mercado 16/05/2019

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸  DÓLAR      0,15%  💱 🇪🇺 EURO    0,05%  🗞.

 

No mercado de câmbio: Dólar operando em alta (sempre comparando ao encerramento das cotações no dia anterior) no início dos negócios. Atenção para a participação do presidente do Banco Central Brasileiro, Roberto Campos Neto, em audiência junto a Comissão Mista de Orçamentos, que se inicia as 9h30, após a instituição divulgar que a economia brasileira findou o primeiro trimestre em contração de 0,68% de acordo com seu índice de atividade econômica, IBC-Br. Esse indicador contribui para a elaboração de estratégias de política monetária. A demonstração de fraqueza econômica atual, abre o leque para discussões em torno de um eventual corte de juro no Brasil adiante. Por outro lado a atual valorização do dólar e os índices inflacionários, freiam esse ímpeto, portanto, será interessante observar os comentários de Campos Neto a esse respeito. Algumas instituições financeiras já começaram a revisar suas projeções para o PIB ao final de 2019, embora, todas estejam acima de 1%, também já se colocam abaixo de 1,45% previsto no último boletim focus. No ambiente político, após as manifestações de ontem em relação aos cortes ou contingenciamento, como queiram, na educação, cortes que já aconteceram em governos anteriores vale lembrar, onde o corporativismo devido a boa relação com sindicatos acabou por abafar a insatisfação à época, não foi nada inteligente por parte do presidente buscar apagar o fogo com gasolina, afinal, se a sua popularidade voltar a cair, como convencer os investidores de que o Brasil é um porto seguro para os seus recursos? Bom, mas isso é outro tema, o que apenas reforça a tese de que o desvio do foco não é benéfico, tendo em vista que a reforma da previdência acaba ficando “de lado” em um momento conturbado, recheado com a quebra de sigilo bancário do filho de Bolsonaro, desavenças entre militares e o “guru” da Virgínia, que por ora parece ter o apoio do presidente, mas, que no momento apenas colabora para o desvio do foco primordial, a previdência. O Banco Central Brasileiro segue realizando seus leilões de rolagem de vencimentos de swaps, ofertando 5,05 mil contratos para essa finalidade nesta manhã. No exterior, seguem emperradas as negociações entre americanos e chineses, algo difícil de deslaçar-se antes da reunião do G20 ao final de junho, onde os presidentes Donald Trump e Xi Jinping se encontrarão. Nos Estados Unidos, alguns dados foram divulgados a pouco. Os pedidos de auxílio desemprego semanal  caíram mais que o esperado, e apontam a força do mercado de trabalho do país que pode sustentar uma eventual continuidade na desaceleração do crescimento. Na semana que se encerrou em 11 maio o número de pedidos foi a 212 mil. Alguns dados do setor imobiliário também foram bons.

 

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬆ INDEX: 0,15%  (Comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior).

🏛 🇺🇸  DÓLAR  FUTURO: 0,17%   (Comportamento do Dólar Futuro para o mês de Junho).

 

Na agenda interna, Atenção para a participação do presidente do Banco Central Brasileiro, Roberto Campos Neto, em audiência junto a Comissão Mista de Orçamentos, que se inicia as 9h30, após a instituição divulgar que a economia brasileira findou o primeiro trimestre em contração de 0,68% de acordo com seu índice de atividade econômica, IBC-Br. Esse indicador contribui para a elaboração de estratégias de política monetária. A demonstração de fraqueza econômica atual, abre o leque para discussões em torno de um eventual corte de juro no Brasil adiante. Por outro lado a atual valorização do dólar e os índices inflacionários, freiam esse ímpeto, portanto, será interessante observar os comentários de Campos Neto a esse respeito. Algumas instituições financeiras já começaram a revisar suas projeções para o PIB ao final de 2019, embora, todas estejam acima de 1%, também já se colocam abaixo de 1,45% previsto no último boletim focus. No ambiente político, após as manifestações de ontem em relação aos cortes ou contingenciamento, como queiram, na educação, cortes que já aconteceram em governos anteriores vale lembrar, onde o corporativismo devido a boa relação com sindicatos acabou por abafar a insatisfação à época, não foi nada inteligente por parte do presidente buscar apagar o fogo com gasolina, afinal, se a sua popularidade voltar a cair, como convencer os investidores de que o Brasil é um porto seguro para os seus recursos? Bom, mas isso é outro tema, o que apenas reforça a tese de que o desvio do foco não é benéfico, tendo em vista que a reforma da previdência acaba ficando “de lado” em um momento conturbado, recheado com a quebra de sigilo bancário do filho de Bolsonaro, desavenças entre militares e o “guru” da Virgínia, que por ora parece ter o apoio do presidente, mas, que no momento apenas colabora para o desvio do foco primordial, a previdência.

 

Na agenda externa, O superávit comercial da União Europeia em bens com os Estados Unidos diminuiu nos três primeiros meses de 2019, mas o déficit com a China se ampliou. O superávit do bloco de 28 países com os EUA caiu para 33,9 bilhões de euros entre janeiro e março, de 36,2 bilhões de euros no mesmo período de 2018, informou a agência de estatísticas da UE Eurostat. Com a China, o déficit comercial da UE chegou a 49,4 bilhões, de 46,9 bilhões de euros antes.

 

                              

Nas Bolsas, Os índices acionários da China terminaram com ganhos nesta quinta-feira, ampliando forte rali da última sessão, diante da expectativa de que Pequim adote mais estímulo para sustentar a segunda maior economia do mundo em meio a incertezas externas. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 0,45%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,58%. Bolsas europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, Discursos de membros do FED, dados do setor imobiliário e pedidos de auxílio desemprego formam a agenda.

 

Fonte: Reuters.

Publicado por

Alessandro Faganello

Iniciando sua carreira no mercado financeiro ainda em sua adolescência e por intermédio de seu pai, passou por diversas instituições ao longo de seus 30 anos de experiência em câmbio. Na Advanced desde 2014, se tornou um dos principais formadores de opinião da Mesa de Operações. Em nossos boletins escreve com uma linguagem simples e direta para deixar você, cliente Advanced, o mais bem informado possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *