Panorama de Mercado 19/10/2017

Aos clientes e amigos,

 

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em leve alta no início dos negócios influenciado pelo clima tenso no exterior devido a crise entre a Catalunha e o governo espanhol que reacendeu a aversão a risco e acaba por conter o ânimo local com a aprovação do parecer que pedia o arquivamento da denúncia contra o presidente Temer que seguirá para o plenário da Câmara na próxima quarta-feira em votação que deve encerrar o tema. Mesmo com um placar um pouco menor que o obtido na primeira denúncia, o governo deve conseguir vitória no plenário na próxima semana. A partir daí os agentes devem monitorar questões relativas a Reforma da Previdência e a chance de sua aprovação mesmo que em um formato mais enxuto ainda em 2017, para tomar posições. Deixar para 2018, ano de eleições, a votação da Previdência, tende a trazer uma incerteza quanto a sua aprovação.  O fluxo cambial pode seguir favorável em meio a captações externas, como a de US$ 1 bilhão fechada ontem pelo Banco do Brasil ante uma demanda de mais de US$ 6 bilhões, amenizando eventuais pressões externas, decorrentes ainda de expectativas de elevação de juros em dezembro nos EUA e sobre a mudança no comando do Federal Reserve. Sobre isso, Donald Trump, entrevista a presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, para um possível segundo mandato à frente da instituição nesta quinta-feira. Entre os indicadores, o destaque são os pedidos de auxílio-desemprego (10h30). A presidente do Fed de Kansas City, Esther George (sem direito a voto) discursa (11h30). O Senado deve votar o orçamento dos EUA para 2018.

 

 

Na agenda interna,  A Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que cria novas normas para processos administrativos abertos pelo Banco Central ou pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), permitindo ao BC firmar acordos de leniência com instituições financeiras.

A crise entre a Catalunha e o governo espanhol reacende a aversão ao risco nos mercados internacionais e poderá conter a reação dos investidores locais à aprovação do parecer que pede o arquivamento da denúncia contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-geral da Presidência), ontem, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Agora a denúncia segue para votação no plenário da Câmara na próxima quarta-feira (25). Temer e os ministros são acusados pela Procuradoria-Geral da República por organização criminosa. O presidente da República também foi denunciado, sozinho, por obstrução de Justiça. O placar de 39 votos a favor e 26 contrários à rejeição da denúncia foi menor do que o obtido pelo governo na primeira denúncia contra Temer por corrupção passiva, quando a CCJ aprovou relatório a favor de Temer por 41 votos a 24. Mesmo assim, o resultado não deve mudar a aposta dos operadores na rejeição da denúncia também no plenário e pode alimentar a sensação de que há chances de a reforma da Previdência mais enxuta pode avançar no Congresso em breve. Mas o ânimo local poderá ser contido pelo ambiente externo tenso. O fluxo cambial pode seguir favorável em meio a captações externas, como a de US$ 1 bilhão fechada ontem pelo Banco do Brasil ante uma demanda de mais de US$ 6 bilhões, amenizando eventuais pressões externas, decorrentes ainda de expectativas de elevação de juros em dezembro nos EUA e sobre a mudança no comando do Federal Reserve.

 

 

Na agenda externa,  A produção industrial da China avançou 6,6% em setembro ante o mesmo período do ano passado. O dado representa uma aceleração das atividades industriais após dois meses de desaceleração acentuada. Já as vendas no varejo avançaram 10,3% em setembro, na comparação com o mesmo mês do ano passado.

O presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, ameaçou declarar explicitamente a independência da região se o governo central da Espanha não oferecer uma oportunidade de diálogo e seguir adiante com a promessa de retirar os poderes do território semiautônomo.

O primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, convocou nesta manhã uma reunião extraordinária de ministros para o próximo sábado na qual deverá suspender a autonomia da Catalunha para "restaurar a legalidade" e impedir a declaração definitiva de independência da região. A medida, que precisa do aval do Senado, deverá resultar na dissolução do Parlamento regional e na queda do presidente (equivalente a governador) Carles Puigdemont.

Dados do Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS, na sigla em inglês) mostram que as vendas no varejo do Reino Unido caíram 0,8% em setembro ante agosto e tiveram expansão de 1,2% na comparação anual.

 

                              

Nas Bolsas, As bolsas da China fecharam em baixa nesta quinta-feira, após dados oficiais mostrarem que a segunda maior economia do mundo cresceu em ritmo um pouco mais fraco no último trimestre. Em outras partes da Ásia e do Pacífico, os mercados reduziram ganhos ou seguiram o tom negativo das ações chinesas.

A situação está tensa na Europa e os mercados acionários reagem operando unanimemente no vermelho. A unidade espanhola está cada vez mais em xeque e a cartada dada pela primeira-ministra britânica, Theresa May, ontem à noite em relação a imigrantes da União Europeia (UE) no contexto do Brexit (saída do Reino Unido do bloco comum) foi mal recebida pela ala do governo que quer uma separação definitiva dos vizinhos.

 

 

Nos Estados Unidos, Donald Trump, entrevista a presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, para um possível segundo mandato à frente da instituição. Entre os indicadores, o destaque são os pedidos de auxílio-desemprego (10h30). A presidente do Fed de Kansas City, Esther George (sem direito a voto) discursa (11h30). O Senado deve votar o orçamento dos EUA para 2018.

 

Fonte: Broadcast

Publicado por

Alessandro Faganello

Iniciando sua carreira no mercado financeiro ainda em sua adolescência e por intermédio de seu pai, passou por diversas instituições ao longo de seus 30 anos de experiência em câmbio. Na Advanced desde 2014, se tornou um dos principais formadores de opinião da Mesa de Operações. Em nossos boletins escreve com uma linguagem simples e direta para deixar você, cliente Advanced, o mais bem informado possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *